Postagens

Mostrando postagens de 2018

A Caixa de Brinquedos (Rubem Alves)

Imagem
  A idéia de que o corpo carrega duas caixas —uma caixa de ferramentas, na mão direita, e uma caixa de brinquedos, na mão esquerda— apareceu enquanto eu me dedicava a mastigar, ruminar e digerir santo Agostinho. Como você deve saber, eu leio antropofagicamente. Porque os livros são feitos com a carne e o sangue daqueles que os escrevem. Dos livros, pode-se dizer o que os sacerdotes dizem da eucaristia: "Isso é o meu corpo; isso é a minha carne". Santo Agostinho não disse como eu digo. O que digo é o que ele disse depois de passado pelos meus processos digestivos. A diferença é que ele disse na grave linguagem dos teólogos e filósofos. E eu digo a mesma coisa na leve linguagem dos bufões e do riso. Pois santo Agostinho, resumindo o seu pensamento, disse que todas as coisas que existem se dividem em duas ordens distintas. A ordem do "uti" (ele escrevia em latim ) e a ordem do "frui". "

Neruda (Rafael Britto)

Imagem
Não me prive do consolo do seu olhar terno E nem troque as fechaduras do seu coração Acabe com esses delírios tão inquietos Pois estou perto e certo que temos solução Se eu posso viver tudo isso de novo, posso lhe fazer feliz agora... Se deite na areia da praia mais linda que ver Relembre seus momentos felizes comigo Refaça as coisas que não deram certo Procure nas ondas da vida um mar de sorrisos Se eu posso viver tudo isso de novo, posso lhe fazer feliz agora... Volta pra casa, trazendo as malas de sua viagem Na bagagem mostra por onde seu sonho passou O que soprou o vento em seus cabelos Remete-los ao acordar que nossa vida já chegou Se eu posso viver tudo isso de novo, posso lhe fazer feliz agora... E se você dormir por estar confusa com isso Cismo eu mesmo de tentar te ajudar Acompanhar seu sofrimento tão impreciso Algo tão ambíguo, mas querido, como o mar Se eu posso viver tudo isso de novo, posso lhe fazer feliz agora... Sou péssimo com as palavr

Ainda Cabe Sonhar (Jonathan Silva)

Imagem
Bordar, num pano de Linho Um poema Tambor que desperte o vizinho. Pintar, no asfalto e no rosto Um poema alvoroço que adormeça a cidade. Dançar com tamancos na praça Cantar, porque um grito já não basta Esfarrapados, banguelas e Meninos de rua, poetas, babás. Vistam seus trapos, abram os teatros, É hora de começar: Alerta, desperta, ainda cabe sonhar. Alerta, desperta, ainda cabe sonhar.

Aninha e Suas Pedras (Cora Coralina)

Imagem
Não te deixes destruir… Ajuntando novas pedras e construindo novos poemas. Recria tua vida, sempre, sempre. Remove pedras e planta roseiras e faz doces. Recomeça. Faz de tua vida mesquinha um poema. E viverás no coração dos jovens e na memória das gerações que hão de vir. Esta fonte é para uso de todos os sedentos. Toma a tua parte. Vem a estas páginas e não entraves seu uso aos que têm sede.

Inevitável (Paulo Miranda Barreto)

Imagem
Coloquei palavras na boca da noite Sussurrei mentiras na orelha dos livros Conversei com plantas, retratos, paredes. . . e roubei de Deus uns dons subversivos Caminhei nas nuvens com meus pés de vento Bebi oceanos, fumei nevoeiros e desapontei ponteiros de relógio por matar meu tempo . . . com versos certeiros Não ganhei o dia, nem movi o monte mas juro . . . delirei a cada letra aliterando as linhas do horizonte. . . rimando a luz até domar o medo. . . Olhei os lírios do campo Contei estrelas, segredos Cortei pulsos, fios e dedos. . . Errei, conheci verdades. . . Caí do céu noutro mundo Vi pra crer, quase não cri . . . Ousei escapulir . . . Pulei um muro Revi meu passado, previ meu futuro e dei-me de presente um ‘Bem Maior’ Fui muitas vezes dessa pra melhor. . . -garanto que ser eu nunca foi fácil- fui sempre o ‘menos lúcido’ no hospício e nunca o ‘mais benquisto’ no palácio. . . fui fundo, fiz chover, salvei uns santos e devo admitir . . . nem foram tantos mas, tudo bem -ningué

Contágio (Bruna Lombardi)

Imagem
Feroz em nós uma paixão de novo nos ameaça nos faz vibrar, o sangue flui sobe no rosto de repente a gente fica disposto a tudo e tudo é pouco não importa que essa loucura não tenha alívio a gente muda, respira de outro jeito arfa no peito sempre uma pressa sempre aquela vontade sozinha fico metade depressa me abraça, uma saudade que dói, uma coisa que arrebenta e não se agüenta mais. A gente se entrega ao risco arrisca a pele, perde o rumo no prazer dessa desorientação A gente quer explodir e não pode quer se conter e não sabe quer se livrar do jugo da paixão mas não quer que ela acabe

Tô (Tom Zé)

Imagem
Tô bem de baixo prá poder subir  Tô bem de cima prá poder cair Tô dividindo prá poder sobrar Desperdiçando prá poder faltar Devagarinho prá poder caber Bem de leve prá não perdoar Tô estudando prá saber ignorar Eu tô aqui comendo para vomitar Eu tô te explicando Prá te confundir Eu tô te confundindo Prá te esclarecer Tô iluminado Prá poder cegar Tô ficando cego Prá poder guiar Suavemente prá poder rasgar Olho fechado prá te ver melhor Com alegria prá poder chorar Desesperado prá ter paciência Carinhoso prá poder ferir Lentamente prá não atrasar Atrás da vida prá poder morrer Eu tô me despedindo prá poder voltar Ouça a música.

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

Imagem
Quando eu morder a palavra, por favor, não me apressem, quero mascar, rasgar entre os dentes, a pele, os ossos, o tutano do verbo, para assim versejar o âmago das coisas. Quando meu olhar se perder no nada, por favor, não me despertem, quero reter, no adentro da íris, a menor sombra, do ínfimo movimento. Quando meus pés abrandarem na marcha, por favor, não me forcem. Caminhar para quê? Deixem-me quedar, deixem-me quieta, na aparente inércia. Nem todo viandante anda estradas, há mundos submersos, que só o silêncio da poesia penetra.  “Poemas da recordação e outros movimentos”.  Belo Horizonte: Nandyala, 2008.

O Acendedor de Esperanças da Rua (Emanuel Galvão)

Imagem
Basta de verdades baratas.  Arrancai o ranço do coração!  As ruas são nossos pincéis  e paletas as nossas praças.  No livro do tempo  ainda não foram cantadas  as mil páginas da revolução. Para a rua, futuristas,  tambores e poetas!                                                                 Vladimir Maiakóvski  *Para Letícia Sabatella & Jonathan Silva La vem o acendedor de esperanças da rua Este mesmo que vem com sua inquietude, Seus sonhos, suas dores, a juntar-se a tua, A transformar, utopia e poesia, em atitude. Um, dois, três corações, acende e continua Outros mais a acender, inadvertidamente, A medida que as trevas, rasteira insinua Uma estupidez humana, viral e indecente. Triste ironia atroz que Jorge nos apresenta: O cordeiro inocente a apostar em lobos, Enquanto o covarde, da escolha, se isenta. A insídia do fascismo, se ergue e continua, Na ilusão do apelo patriótico e seus arroubos. Fez florescer, acendedores de corações

Literatura das Ruas (Sergio Vaz)

Imagem
A literatura é dama triste que atravessa a rua sem olhar para os pedintes, famintos por conhecimento, que se amontoam nas calçadas frias da senzala moderna chamada periferia. Frequenta os casarões, bibliotecas inacessíveis ao olho nu e prateleiras de livrarias que crianças não alcançam com os pés descalços. Dentro do livro ou sob o cárcere do privilégio, ela se deita com Victor Hugo, mas não com os Miseráveis. Beija a boca de Dante, mas não desce até o inferno. Faz sexo com Cervantes e ri da cara do Quixote. É triste, mas A rosa do povo não floresce no jardim plantado por Drummond. Quanto a nós, Capitães da areia e amados por Jorge, não restou outra alternativa a não ser criar o nosso próprio espaço para a morada da poesia. Assim nasceu o sarau da Cooperifa. Nasceu da mesma Emergência de Mário Quintana e antes que todos fossem embora pra Passárgada, transformamos o boteco do Zé Batidão num grande centro cultural. Agora, todas às quartas-feiras, guerreiros e guerreiras de todos os lad

Velha e Louca (Mallu Magalhães)

Imagem
Pode falar que eu não ligo Agora, amigo Eu tô em outra Eu tô ficando velha Eu tô ficando louca Pode avisar que eu não vou Oh oh oh Eu tô na estrada Eu nunca sei da hora Eu nunca sei de nada Nem vem tirar Meu riso frouxo com algum conselho Que hoje eu passei batom vermelho Eu tenho tido a alegria como dom Em cada canto eu vejo o lado bom Pode falar que nem ligo Agora eu sigo O meu nariz Respiro fundo e canto Mesmo que um tanto rouca Pode falar, não importa O que tenho de torta Eu tenho de feliz Eu vou cambaleando De perna bamba e solta Nem vem tirar Meu riso frouxo com algum conselho Que hoje eu passei batom vermelho Eu tenho tido a alegria como dom Em cada canto eu vejo o lado bom Nem vem tirar Meu riso frouxo com algum conselho Que hoje eu passei batom vermelho Eu tenho tido a alegria como dom Em cada canto eu vejo o lado bom

João (Di Melo - Roberto de Melo Santos)

Imagem
João, morrem sonhos alados Traz os olhos molhados Tem silêncio por dentro Mas diz tanta coisa pra não demonstrar O joão que se mata vivendo de amor Pedindo uma esmola, fazendo favor Que vende uma escada e compra uma esteira E deita na praia e na companheira Mas que se arrepende no dia seguinte Perante os amigos na mesa de uma bar E é tão conhecido esse tipo de gente O joão do ambiente que quer agradar Traz as mãos estendidas, em dois braços cortados Tem a alma criança mas pinta no rosto a imagem de um rei João que se faz do que ainda não fez Mas não tem coragem de ser de uma vez Que sobe na escada e pisa na esteira E compra uma praia e a companheira João, está na hora Resolve depressa que o amor vai embora E te deixa na mão Fora da verdade. longe do perdão. Conheça mais do cantor e compositor   aqui: Veja também o documentário  Di Melo, O Imorrível Ouça a música.

Nordestino Sim, Nordestinado Não (Patativa de Assaré/Antônio Gonçalves da Silva)

Imagem
Nunca diga nordestino Que Deus lhe deu um destino Causador do padecer Nunca diga que é o pecado Que lhe deixa fracassado Sem condições de viver Não guarde no pensamento Que estamos no sofrimento É pagando o que devemos  A Providência Divina Não nos deu a triste sina De sofrer o que sofremos Deus o autor da criação Nos dotou com a razão Bem livres de preconceitos Mas os ingratos da terra Com opressão e com guerra Negam os nossos direitos Não é Deus quem nos castiga Nem é a seca que obriga Sofrermos dura sentença Não somos nordestinados Nós somos injustiçados Tratados com indiferença Sofremos em nossa vida Uma batalha renhida Do irmão contra o irmão Nós somos injustiçados Nordestinos explorados Mas nordestinados não Há muita gente que chora Vagando de estrada afora Sem terra, sem lar, sem pão Crianças esfarrapadas Famintas, escaveiradas Morrendo de inanição Sofre o neto, o filho e o pai Para onde o pobre vai Sempre encontra o mesmo

Intertexto (Bertolt Brecht)

Imagem
Primeiro levaram os negros Mas não me importei com isso Eu não era negro Em seguida levaram alguns operários Mas não me importei com isso Eu também não era operário Depois prenderam os miseráveis Mas não me importei com isso Porque eu não sou miserável Depois agarraram uns desempregados Mas como tenho meu emprego Também não me importei Agora estão me levando Mas já é tarde. Como eu não me importei com ninguém Ninguém se importa comigo.

Com Fúria e Raiva (Sophia de Mello Breyner Andersen)

Imagem
Com fúria e raiva acuso o demagogo E o seu capitalismo das palavras Pois é preciso saber que a palavra é sagrada Que de longe muito longe um povo a trouxe E nela pôs sua alma confiada De longe muito longe desde o início O homem soube de si pela palavra E nomeou a pedra a flor a água E tudo emergiu porque ele disse Com fúria e raiva acuso o demagogo Que se promove à sombra da palavra E da palavra faz poder e jogo E transforma as palavras em moeda Como se fez com o trigo e com a terra

No Caminho com Maiakóvski (Eduardo Alves da Costa)

Imagem
Assim como a criança humildemente afaga a imagem do herói, assim me aproximo de ti, Maiakóvski. Não importa o que me possa acontecer por andar ombro a ombro com um poeta soviético. Lendo teus versos, aprendi a ter coragem.  Tu sabes, conheces melhor do que eu a velha história. Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim. E não dizemos nada. Na Segunda noite, já não se escondem: pisam as flores, matam nosso cão, e não dizemos nada. Até que um dia, o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a luz, e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E já não podemos dizer nada.  Nos dias que correm a ninguém é dado repousar a cabeça alheia ao terror. Os humildes baixam a cerviz; e nós, que não temos pacto algum com os senhores do mundo, por temor nos calamos. No silêncio de meu quarto a ousadia me afogueia as faces e eu fantasio um levante; mas amanhã, diante do juiz, talvez meus lábios calem a verda

Com Licença Poética (Adélia Prado)

Imagem
Quando nasci um anjo esbelto, desses que tocam trombeta, anunciou: vai carregar bandeira. Cargo muito pesado pra mulher, esta espécie ainda envergonhada. Aceito os subterfúgios que me cabem, sem precisar mentir. Não sou tão feia que não possa casar, acho o Rio de Janeiro uma beleza e ora sim, ora não, creio em parto sem dor. Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina. Inauguro linhagens, fundo reinos -- dor não é amargura. Minha tristeza não tem pedigree, já a minha vontade de alegria, sua raiz vai ao meu mil avô. Vai ser coxo na vida é maldição pra homem. Mulher é desdobrável. Eu sou. Adélia Prado , Bagagem. São Paulo: Siciliano. 1993. p. 11.

"Você é Feminista!" (Ruth Manus)

Imagem
Semana passada fui dar aula sobre assédio sexual num curso de pós graduação em São Paulo. Cheguei na sala, composta predominantemente por advogados, e perguntei “Quem aqui se considera feminista?”. Silêncio. Uma moça levanta timidamente o braço. Dois ou três caras fazem comentários baixinho e riem. Disse “Ok. Vou fazer duas leituras rápidas para vocês”. Continuei. “Dicionário Houaiss da língua portuguesa: FEMINISMO: teoria que sustenta a IGUALDADE politica, social e econômica de ambos os sexos. Dicionário Jurídico da Professora Maria Helena Diniz: FEMINISMO: movimento que busca equiparar a mulher ao homem no que atina aos direitos, emancipando-a jurídica, econômica e sexualmente.” Esperei um pouquinho e mudei a pergunta “Quem aqui pode me dizer que NÃO se considera feminista?”. Ninguém levantou a mão. Pois é. Tenho a sensação de que 99% do mundo não entendeu até agora o que é feminismo. Porque se as pessoas entendessem, quase todo mundo teria orgulho de se dizer feminista. E o melhor

De Estimação (Emanuel Galvão)

Imagem
O livro vai a onde traçam seu itinerário. Preso em estantes, Todavia, livro é libertário. Livro é libertação! A capa e a contracapa Que segura o conteúdo Não o faz para sempre, Abre-se prontamente, Com auxílio curioso das mãos. Contudo, Meu caro, Leitor é bicho raro! Quase em extinção. Eu mesmo, Cuido dos meus, Ando feito Promēthéus: Trago fogo, trago flores, Reflexão, excitação, amores, Vida, sonho, paixão. Tudo para meus leitores. São meus, e de estimação. Junto a eles é meu lugar. Amar tem seus sinônimos... Um deles é cuidar. Copyright © 2018 by Emanuel Galvão All rights reserved.

A formalística (Adélia Prado)

Imagem
O poeta cerebral tomou café sem açúcar e foi pro gabinete concentrar-se. Seu lápis é um bisturi que ele afia na pedra, na pedra calcinada das palavras, imagem que elegeu porque ama a dificuldade, o efeito respeitoso que produz seu trato com o dicionário.

Esta Gente (Sophia de Mello Breyner)

Imagem
Esta gente cujo rosto Às vezes luminoso E outras vezes tosco Ora me lembra escravos Ora me lembra reis Faz renascer meu gosto De luta e de combate Contra o abutre e a cobra O porco e o milhafre Pois a gente que tem O rosto desenhado Por paciência e fome É a gente em quem Um país ocupado Escreve o seu nome E em frente desta gente Ignorada e pisada Como a pedra do chão E mais do que a pedra Humilhada e calcada Meu canto se renova E recomeço a busca De um país liberto De uma vida limpa E de um tempo justo

A Margem Esquerda do Rio (Emanuel Galvão)

Imagem
Em memória de Francisco Sales Uma cidade edificada de história e conhecimento Alicerçada na pedra da Sabedoria Um monumento antigo e sempre novo Um ícone do povo Muito embora forjado na academia. Quem viveu para preservar a memória Mesmo que da vida destituído Jamais será esquecido! Pois soube edificar em rocha Sua história, A do seu povo... Desse antigo casario A margem esquerda do rio. Habita agora na Casa do Penedo Uma saudade... Cada papel amarelado Cada peça do acervo Na margem daquele lado Perde o Seio, o eixo o nervo... Uma poeira, Uma digital, Um vento que entra de qualquer maneira E percorre todo erêncio - Ele aparente surdo à voz de todos - Fala agora seus silêncios. 19.09.2018 Copyright © 2018 by Emanuel Galvão All rights reserved. Conheça mais de Francisco Alberto Sales e a  Fundação Casa do Penedo Francisco Alberto Sales, fundador da Casa do Penedo, faleceu aos 78 anos em Brasília — Foto: Ro

Seu Rei Mandou Dizer... (Emanuel Galvão)

Imagem
"...mas das palavras não sou eu que faço uso. São elas, as geniosas, as venais que se utilizam de mim e se divertem.." Bruna Lombardi Pensei certa vez: Que ofício tem o poeta, Senão brincar com as palavras? Não percebia eu Que elas - as palavras - É que brincavam comigo. Percebi isto quando, Brincar não estava disposto E as palavras brincavam de se esconder, De escorregar, de pega-pega, De pular carniça; - cada brincadeira de mau gosto! - De boca de forno, Só pra me fazer ir e vir. Atrás de letras, sílabas, pontos, vírgulas Que seu rei mandou dizer... E como não bastasse dizer! Escrever, escrever, escrever... Mas a palavra é como criança Quer ser grande antes do tempo Quer ser independente - palavras dão um trabalhão quando esperneiam cheias de vontades - É feito filho que a gente cria Sem saber pra quê (antes, depois ou entre) Palavra encanta a gente! E dá a falsa esperança Que através delas A gente pode ser pra sempre. Copyrig

Discurso Pré-fabricado Para Uso dos Passivos (Paulo Miranda Barreto)

Imagem
Já não entro em briga de foice e martelo em briga de galo , de cachorro-grande de vermelho sangue e de verde-amarelo. . . Prefiro deixar que meu furor se abrande Dei de observar de longe o desmantelo ‘pacificamente’ . . . qual filho de Gandhi qual João-sem-braço ou delicado dândi (Politicamente correto . . . sem sê-lo) Evito o confronto, o debate, o tumulto me esquivo do bruto, do louco, do irado do pobre e coitado, do abastado e culto do justo, do injusto . . . e do desajustado Eu, de indignado, destemido e astuto passei a ser manso, zen e conformado. . . Fui bravo soldado . . . mais que resoluto Hoje, já não luto . . . Só espero sentado que o absoluto mal seja extirpado. . . e que o injustiçado receba o indulto. Paulo Miranda Barreto - Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição CompartilhaIgual 4.0 Internacional -.

Minha Rua Não Tem Palmeiras (Jarbas Siebiger)

Imagem
Minha rua é socialista. Quando chove, há barro para todos. Lá, a democracia é totalitária. Quiseram calçá-la, base de rateio. Uns poucos declinaram, continuou crua. Ideologicamente, prefiro. Seria brindar incapacidades. Na minha rua, economia imita globalização e autossustentabilidade. Tem Paulinho, que apara mato, colore grade, maquia muro. Iara pergunta hora e cronometra salgado quente aos aniversários. Caia fundo de churrasqueira, Rogério improvisará lata. Puxadinho é com o Gérson: cerveja servida, barateia mão-de-obra, afina acabamento. Coelho limpa carburador, põe ponto ao motor. Depois, divide birita e costela. Compradas com os caraminguás do socorro. A mulher lava pra vizinha defronte. Sem pudor, nem preconceito. Necessidade. Nem a coleta do lixo é discriminada. Mesmo assim, garrafas vão separadas. Retornam com detergente. Feito por lá. Procedência se conhece, nota faltará. Política, a rua dispensa: Estado não cumpre, não interfira. Rua minha é solidária. Kombi de Paul

Para Liquidar Os Povos (Milan Kundera)

Imagem
Incêndio que destruiu o Museu Nacional Para liquidar os povos, começa-se por lhes tirar a memória. Destroem-se seus livros, sua cultura, sua história. E uma outra pessoa lhes escreve outros livros, lhes dá outra cultura e lhes inventa uma outra história. O Livro do Riso e do Esquecimento, 1978.

Caixa de Pandora (Emanuel Galvão)

Imagem
"...as pessoas podiam fechar os olhos diante da grandeza,  do assustador, da beleza, e podiam tapar os ouvidos  diante da melodia ou de palavras sedutoras. Mas não podiam escapar ao aroma.  Pois o aroma é um irmão da respiração  - ele penetra nas pessoas, elas não podem escapar-lhe caso queiram viver. E bem para dentro delas é que vai o aroma,  diretamente para o coração, distinguindo lá categoricamente entre atração e menosprezo, nojo e prazer,  amor e ódio.  Quem dominasse os odores dominaria o coração das pessoas." Trecho de O Perfume - Patrick Suskind Eu sei ler teu corpo Não pense mal de mim Sou feiticeira sim Mas da porção do bem Me quer? De Zeus  Com todo dote Sou mulher semelhante as deusas imortais Mulher com algo mais Assim me fez Hefesto Não digas que não presto Sou da porção do bem Me quer? Se me quer, acredite O desejo indomável quem me deu foi Afrodite Prendada, feita para amar Ensinou-me em arte Atená

Delícia (Patricia Vieira)

Imagem
Sua alegria É igual a melancia, Quanto mais a  gente come Mais se delicia! Copyright © 2018 by Patrícia Vieira All rights reserved.

Brincadeira (Mírian Monte)

Imagem
Foi brincar de lua, Percebeu-se nua, Em meio às estrelas E conchas do mar Umas maldiziam, Em tom de cochicho, O puro capricho De se revelar Dela se queixavam, Outras, amiúde, Por sua atitude De se desnudar E argumentavam Que não poderia Inspirar solfejos À brisa do mar Mas a lua cheia Tão resplandecente Estava indiferente E decidiu brilhar No fundo, sabia Que sua ousadia Só despertaria Sonhos de mudar Que agradeceriam Em fase derradeira Pela brincadeira De iluminar.

Senhora dos Prazeres (Ronaldo de Andrade / Mácleim)

Imagem
                                                                        Rainha de terra e mar Senhora do azul do céu Iara da Mundaú Sereia das enseadas Mãe d’água de Maceió Sua graça é dos prazeres Ó senhora das auroras Estrela da madrugada Que ilumina a cidade Para dançar e tocarem Bois e tambores nas ruas De lá da Ponta da Terra Te rendemos homenagens Ó Iá da prosperidade Mãe dos homens de fé Jangadeiros, Trapicheiros És também a flor do amor Que adorna os terreiros Encarnados da paixão No Poço e no Jaraguá Minha Mestra e Contra Mestra Pastorinha do presépio Diana do pastoril Com manto faixa e coroa E sete rosas na mão Tanta graça, tanto mimo Tá no badalar dos sinos Nas torres perto de Deus Da catedral onde moras Ao brilho de sol e lua Nos temporais e no estio Encantai nossos cantores Ó Senhora dos Prazeres.

MEU CHÃO: NORDESTE (Emanuel Galvão)

Imagem
Tanto mais me aproximo do meu chão Mais escuto no ar uma canção Como hino trazido pelo vento Que me faz lembrar todo momento O torrão ardente que me deste A brisa que sopra em meu nordeste. Tanto mais me aproximo do meu chão Mais me pego a fazer uma oração Pra que nunca me esqueça dessa raiz Que apesar de desprezado no país Tem cultura bela e inconteste Essa gente que habita o meu nordeste. Tanto mais me aproximo do meu chão Mais me arde no peito uma paixão Um amor tão quente quanto o sol Colorindo o céu num arrebol Descansando seu brilho no oeste Vai se pondo o sol do meu nordeste. Tanto mais me aproximo do meu chão Mais me dói essa perversa agressão De que somos um povo ignorante Que balança a cabeça a todo instante Se não nos conhece, não se preste A escarnecer assim do meu nordeste. Tanto mais me aproximo do meu chão Gonzaga, Padre Cicero, Lampião Patativa do Assaré, “o inteligente” Representam bem mais a minha gente Não carece de aprovação lá

Estrangeirismo ( Carlos Silva / Sandra Regina)

Imagem
Outro dia, me convidaram para irmos ao MC DONALD’S, comermos CHEESE BURGER!... O salão estava lotado e fizemos os pedidos através de um tal de... DRIVE THRU. Os colegas, percebendo a minha irritação, disseram: -- Se tu tiver com pressa, eles têm um sistema de DELIVERY, maravilhoso!!! Desacostumado com este linguajar, chamei os cabras: - Vâmo s’imbóra! Seguimos pela avenida HENRIQUE SCHAUMANN, onde pude observar um OUTDOOR. Estava escrito: CHINA IN BOX, e uma seta indicativa: PARKING. Nós não paramos por lá não. Seguimos mais adiante, avistamos um restaurante bonito e luxuoso, e na porta de entrada, uma luz NEONpiscando escrita: OPEN. Quando olhei pro chão, pude ver, estampado, um capacho com a bandeira americana, me convidando:WELLCOME. Ao adentrarmos naquele recinto, eu pude observar, na sua decoração e nas paredes, que estava escrito assim:ICE CAKE, CHEESE EGG, CHEESE BURGER e FAST FOOD. Eu pensei comigo: “FOOD" na Bahia a gente USA numa outra situação… Do meu lado esquerdo, u

Elogio da Dialética (Bertolt Brecht)

Imagem
A injustiça avança hoje a passo firme; Os tiranos fazem planos para dez mil anos. O poder apregoa: as coisas continuarão a ser como são Nenhuma voz além da dos que mandam E em todos os mercados proclama a exploração; isto é apenas o meu começo. Mas entre os oprimidos muitos há que agora dizem Aquilo que nós queremos nunca mais o alcançaremos. Quem ainda está vivo não diga: nunca O que é seguro não é seguro As coisas não continuarão a ser como são Depois de falarem os dominantes Falarão os dominados Quem pois ousa dizer: nunca De quem depende que a opressão prossiga? De nós De quem depende que ela acabe? Também de nós O que é esmagado que se levante! O que está perdido, lute! O que sabe ao que se chegou, que há aí que o retenha E nunca será: ainda hoje Porque os vencidos de hoje são os vencedores de amanhã. *Foto Sebastião Salgado 

Hino à Negritude - Cântico à Africanidade Brasileira (Eduardo de Oliveira)

Imagem
I Sob o céu cor de anil das Américas Hoje se ergue um soberbo perfil É uma imagem de luz Que em verdade traduz A história do negro no Brasil Este povo em passadas intrépidas Entre os povos valentes se impôs Com a fúria dos leões Rebentando grilhões Aos tiranos se contrapôs Ergue a tocha no alto da glória Quem, herói, nos combates, se fez Pois que as páginas da História São galardões aos negros de altivez II Levantado no topo dos séculos Mil batalhas viris sustentou Este povo imortal Que não encontra rival Na trilha que o amor lhe destinou Belo e forte na tez cor de ébano Só lutando se sente feliz Brasileiro de escol Luta de sol a sol Para o bem de nosso país Ergue a tocha no alto da glória Quem, herói, nos combates, se fez Pois que as páginas da História São galardões aos negros de altivez III Dos Palmares os feitos históricos São exemplos da eterna lição Que no solo Tupi Nos legara Zumbi Sonhando com a libertação Sendo filho também da Mãe-Áfric

Teste de Rorschach (Jürgen Von Felix)

Imagem
Eu, quem Sou? Qual a minha Cor? Se tenho Cabelo que parece novelo, De lã, buchado, que do pente a Amizade não tem. Se insisto em pentear Sou um sem Caráter, dominado. Se ouso afros penteados, Sou Negrinho metido, mal criado! Aqui no Brasil, tenho ascendência mil. Vermelho, Branco e Negro Sudão. Mas sou visto como menos escuro Como menos claro... Não! Se dou certo e consigo Diploma Dizem que é minha obrigação, Pois "Negro tem que mostrar o seu valor". Quando não logro êxito e O Sistema vence, Sou execrado, Açoitado, retorno ao terror! E se em Batalhas o Brasil se envolver, Adivinha quem nela primeiro vai morrer: Pretinho; Moreno; Mulato; Negão... Estou no limbo das cores no Arco-iris da exclusão. Copyright © 2018 by Jorge Felix All rights reserved.

Deu Branco - O Patético Dia Que a Coisa Ficou Preta - (Emanuel Galvão)

Imagem
A coisa ficou preta Pintou preconceito Isso eu não aceito Dentro da minha letra Que não tem cor Mas imprime o preto da tinta Tem preconceito maior - Por favor, não minta! – Do que atribuir a cor preta A coisa ruim que se sinta? Talvez a borracha branca Apague a ideia nefasta Mas não afasta Mancha... O preconceito racial existe Na letra, na vida, no verso Faz parte do universo De quem ama De quem odeia O preto reclama Por que sente na pele O preconceito que o rodeia Pode parecer eufemismo Mas para mim é racismo Dizer que a coisa ta preta. Copyright © 2018 by Emanuel Galvão All rights reserved.

BEM DITO SEJA O AMOR (Marla de Queiroz)

Imagem
Bem dita seja a palavra Amor disparada pelo peito, que faz da ação o verbo pro sujeito, que estica a frase até compor a narrativa ou a canção. Bendito seja o amor que transforma o ínfimo em infinito, que traz a oração pro pensamento mais aflito, que apressa a atitude da intenção. Bem dita seja a palavra Amor que faz do nome um mantra, transforma a saudade em esperança e traz dentro da carta a letra com a força do punho e o movimento da mão. Bendito seja o amor que encurta distâncias e suprime abismos, acolhe os sentimentos imprecisos e veste pensamento e gesto enquanto despe o coração. Bendito seja o amor que só sendo fluido se solidifica, que só sendo livre se torna conquista, que só sendo ação se torna fato. Bem dita seja a palavra Amor que por ser tão viva, lúdica e lírica jamais será consumida pelo silêncio, só pelo ato. *Texto publicado originalmente na Revista Vênus Digital

Um surdo manifesto: DA ALMA ENCANTADORA DAS RUAS AOS MOLEQUES ACOSTUMADOS COM SUCRILHOS NO PRATO - ou dos textos que poucos leem e muitos fingem não entender - (Juliano Beck)

Imagem
“Qual de vós já passou a noite em claro  ouvindo o segredo de cada rua?  Qual de vós já sentiu o mistério, o sono,  o vício, as ideias de cada bairro?  A alma da rua só é inteiramente sensível  a horas tardias." (João do Rio)  Os usos que se faz da rua divergem. Ao pobre a rua é uma extensão de si. Lhe invade o peito a brisa matutina quando ao labor se encaminha de bicicleta. Lhe toma por inteiro o cheiro virulento das povoadas horas do terminal meio-dia. Lhe afaga quando o fim de tarde lhe cai sob o dorso trazendo os matizes que não se dão por vencidos frente à inevitabilidade gris que a tudo concretiza. Há nisso uma noção de pertencimento, orgulhoso pertencimento. Tudo lhe foi tirado, arrancado, mas ele dispõe da rua! Por ela anda vagarosamente sentindo as entranhas de cada esquina. É dela que tira o seu sustento. Nela também se põe a ruminar a vida. E sorve um trago nas recônditas tabernas do centro. E nela perde a noção do tempo. E se encaminha a pé para

Equalize (Pitty/Peu Souza)

Imagem
Às vezes se eu me distraio Se eu não me vigio um instante Me transporto pra perto de você Já vi que não posso ficar tão solta Me vem logo aquele cheiro Que passa de você pra mim Num fluxo perfeito Enquanto você conversa e me beija Ao mesmo tempo eu vejo As suas cores no seu olho Tão de perto Me balanço devagar Como quando você me embala O ritmo rola fácil Parece que foi ensaiado E eu acho que eu gosto mesmo de você Bem do jeito que você é Eu vou equalizar você Numa frequência que só a gente sabe Eu te transformei nessa canção Pra poder te gravar em mim Adoro essa sua cara de sono E o timbre da sua voz Que fica me dizendo coisas tão malucas E que quase me mata de rir Quando tenta me convencer Que eu só fiquei aqui Porque nós dois somos iguais Até parece que você já tinha O meu manual de instruções Porque você decifra os meus sonhos Porque você sabe o que eu gosto E porque quando você me abraça O mundo gira devagar E o tempo é só meu E ninguém registra a ce

Prece Árabe (Texto traduzido do árabe por Seme Draibe)

Imagem
Deus, não consintas que eu seja o carrasco que sangra as ovelhas, nem uma ovelha nas mãos dos algozes. Ajuda-me a dizer sempre a verdade na presença dos fortes, e jamais dizer mentiras para ganhar os aplausos dos fracos. Meu Deus! Se me deres a fortuna, não me tires a felicidade; se me deres a força, não me tires a sensatez; se me for dado prosperar, não permita que eu perca a modéstia, conservando apenas o orgulho da dignidade. Ajuda-me a apreciar o outro lado das coisas, para não enxergar a traição dos adversários, nem acusá-los com maior severidade do que a mim mesmo. Não me deixes ser atingido pela ilusão da glória, quando bem sucedido e nem desesperado quando sentir insucesso. Lembra-me que a experiência de um fracasso poderá proporcionar um progresso maior. Ó Deus! Faze-me sentir que o perdão é maior índice da força, e que a vingança é prova de fraqueza. Se me tirares a fortuna, deixe-me a esperança. Se me faltar a beleza da saúde, conforta-

Pontos Demarcados Para o Beijos (Emanuel Galvão)

Imagem
Foto:  Waltembergue Rodrigues Sinais são pontos demarcados para o beijo Miro neles o meu desejo Como se fossem alvos graciosos Que em momentos ociosos Meus lábios vão percorrer Cada um tem sua beleza Unto os lábios com delicadeza Fito-os com doçura E com aplicada destreza Como que para aquecer Sopro e os agasalho Misto de maldade e ternura Deliciosa tortura Que te faz enlouquecer. É sinal de intimidade Beijar os mais escondidos Os casos de raridade De difícil acessibilidade Onde o calor os conserva Dos olhares cobiçosos Desperta em quem os observa Afagos mais cuidadosos E também mais demorados Como convém aos namorados. Quando vi teu corpo cheio de sinais... Fiquei um tanto extasiado. Lindo! Não sabia onde mirar Esse corpo feito para amar Deleite dos apaixonados Cheio de pontos, demarcados. - Aos céticos alucinais! - É preciso ver para crer Um corpo que possa parecer Um céu, único e estrelado. Copyright © 2015 by Emanuel Galvão All rights rese