Postagens

A Palavra (Pedro Costa Pereira - Pedro poeta)

Imagem
A PALAVRA
Alavanca e derruba
Anula e constrói
Poli e corrói
Veste e desnuda.

A PALAVRA
Afaga e maltrata
Alegra e esmaece
Apaga e resplandece
Adianta e retarda.

A PALAVRA
É o cheiro da flor
É o estouro da bomba
a palavra é quem comanda
se declaras a guerra ou proferes o amor.


Copyright © 2019 by Pedro Costa Pereira
All rights reserved.


A mulher da luz (Mírian Monte)

Imagem
Para você eu corro,
Quando necessito de socorro,
Quando o mundo cai sobre meus ombros
E quando fico sob os escombros
Da tristeza e da desilusão.
São os seus olhos por que procuro,
Quando me perco no escuro,
Quando entro em apuro,
E quando busco o perdão.
É seu abraço que me acolhe
Se o que se planta não se colhe
Se a sorte se encolhe
E se o sonho sonhado só,
Simplesmente vira pó.
São suas mãos que me ajudam
A levantar na segunda-feira,
A juntar essa poeira
Decidindo recomeçar
E a fazer, do pó, sementes
Com urgência de estrela cadente,
Para outras quimeras semear. 
É sua alma, cheirando a alfazema,
Que me inspira esse poema
E que me faz querer dizer:
Mãe, meu amor primeiro,
Gratidão por todo o zelo
E por me compreender.
Minha fada,
Minha musa,
Minha rainha
É você, mãezinha,
A mulher da luz
E de cada amanhecer.
De todos os medos que carrego
O maior de todos, eu não nego,
É o de ver, minha mãe,
O seu sorriso fenecer.


Copyright © 2019 by Mírian Monte
All rights reserved.

Felicidade (Vicente de Carvalho)

Imagem
Só a leve esperança, em toda a vida,
Disfarça a pena de viver, mais nada:
Nem é mais a existência, resumida,
Que uma grande esperança malograda.

O eterno sonho da alma desterrada,
Sonho que a traz ansiosa e embevecida,
É uma hora feliz, sempre adiada
E que não chega nunca em toda a vida.

Essa felicidade que supomos,
Árvore milagrosa, que sonhamos
Toda arreada de dourados pomos,

Existe, sim : mas nós não a alcançamos
Porque está sempre apenas onde a pomos
E nunca a pomos onde nós estamos.

Filosofia Nordestina (Mírian Monte)

Imagem
Perdoem-me a intromissão,
Mas tem razão o Ministério da Educação.
Se o nordestino continuar filosofando,
Será um disparate, será desumano!
Imagine se surgisse outro Graciliano,
Uma nova Raquel de Queiroz...
O que seria de nós?!
O Brasil perderia as estribeiras!
Já pensou se resgatarem a Nise da Silveira?
Ah, meu pai amado, meu Jorge Amado!
Nem cravo e canela resolvem a querela!
"Parem o mundo que quero descer",
Quero consignar essa queixa,
Parafraseando Raul Seixas.
E se os estudantes falarem versos
Contarem prosas,
Ou citarem Rui Barbosa?
Ariano Suassuna que assuma essa ciranda,
Porque nem Pontes de Miranda
Conseguiria solucionar!
E nem se fale em José de Alencar:
Imagine se "O Guarani" fosse uma trilogia!
Teríamos versos em tupi, na poesia!
Vou encerrar com Tobias Barreto,
Eu prometo!
Ou melhor seria com Castro Alves?
Que os anjos nos salvem!
Esse povo do Nordeste
É povo de muita sabedoria...
Imagine se nas escolas
Ensinarem filosofia?

*Da esquer…

Vazantes (Nadja Rocha)

Imagem
Represar exige
mais força e
energia que 
deixar fluir...
E fluir é  ser e
deixa ser.
Que os encontros
sejam vazantes...
E quando assim
não for, ainda 
terá sido tudo
sobre um
mergulho... em
você!

Copyright © 2019 by Nadja Rocha
All rights reserved.

Seol (Jorge Felix de Carvalho/Jürgen Von Felix)

Imagem
Elih se encontrava cansado, triste. Solitário. Diante das dificuldades que enfrentava, não conseguia ver solução.
Atolado de processos, relatórios, pareceres e prazos, decidiu que não dava mais! Tentou pensar na música, nas artes, nos sonhos. Lembrou com pesar dos seus antepassados. Tentou esperança na lembrança dos descendentes.
Dai, inevitavelmente tornaram-se mórbidos os seus pensamentos, dando uma força descomunal à imaginação nefasta.
Elih se encontrava mesmo muito sombrio, desolado!
Então, saiu do escritório, mas antes deixou todos os papéis em ordem. Organizou tudo, cada coisa no seu devido lugar. Era como se estivesse despedindo-se para sempre daquela cena. Pegou sua pasta, vestiu seu paletó, e se foi fechando a porta e em seguida jogando a chave no fundo da pasta, como se não mais fosse precisar dela.
Andou a esmo em meio a multidão barulhenta, mas só conseguia ouvir uma única voz em sua mente. Olhou para a varanda de um prédio de esquina. E num hipnotizante caminhar subiu…

Um Beijo a Distância (Emanuel Galvão)

Imagem
O que dizer de alguém inefável?
Principalmente sendo esse ser, feminino.
Que de modo intenso e amável
Fez-me sentir: ora homem, ora menino.

Seu gestual trazia tal sutileza
Que meus olhos se iluminaram
A visão de tanta beleza.
Materializava-se como enlevo na natureza,
Seu corpo nu, refletido no espelho.
- o homem meu caro, é a circunstância! -
Sua boca, vestida de vermelho,
Mais parecia um beijo a distância.

Eu que sou tão tímido
E me escondo nos versos, na poesia
Vi-me  tomado de uma libido
De um frenesi, uma fantasia.
Ela era uma mulher. A mulher:
Que se deseja, que se sonha, que se quer.

Há de se convir
Que estar nu, vai mais além
Que se despir!
Já que vos pus cientes das particularidades
Dar-vos-eis conhecer das intimidades.
- Um pouco apenas, compreendam! -

Era uma mulher para ser amada com ousadia
Em seu ouvido eu sussurraria
Palavras cuja paixão inflama
Por onde, não se surpreendam,
Eu começaria
A beijar pelo pé da cama.



Copyright © 2015 by Emanuel Galvão
All rights reserved.


Elo…