Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Affonso Romano de Sant'Anna

14 de Maio (Lazzo Matumbi)

Imagem
No dia 14 de maio, eu saí por aí Não tinha trabalho, nem casa, nem pra onde ir Levando a senzala na alma, eu subi a favela Pensando em um dia descer, mas eu nunca desci Zanzei zonzo em todas as zonas da grande agonia Um dia com fome, no outro sem o que comer Sem nome, sem identidade, sem fotografia O mundo me olhava, mas ninguém queria me ver No dia 14 de maio, ninguém me deu bola Eu tive que ser bom de bola pra sobreviver Nenhuma lição, não havia lugar na escola Pensaram que poderiam me fazer perder Mas minha alma resiste, meu corpo é de luta Eu sei o que é bom, e o que é bom também deve ser meu A coisa mais certa tem que ser a coisa mais justa Eu sou o que sou, pois agora eu sei quem sou eu Será que deu pra entender a mensagem? Se ligue no Ilê Aiyê Se ligue no Ilê Aiyê Agora que você me vê Repare como é belo Êh, nosso povo lindo Repare que é o maior prazer Bom pra mim, bom pra você Estou de olho aberto Olha moço, fique esperto Que eu não sou menino Lazzo Matumbi 14 de Maio Congresso

Carta Aos Mortos (Affonso Romano de Sant'Anna)

Imagem
                 Amigos, nada mudou          em essência.          Os salários mal dão para os gastos,          as guerras não terminaram          e há vírus novos e terríveis,         embora o avanço da medicina.         Volta e meia um vizinho         tomba morto por questão de amor.         Há filmes interessantes, é verdade,         e como sempre, mulheres portentosas         nos seduzem com suas bocas e pernas,         mas em matéria de amor         não inventamos nenhuma posição nova.         Alguns cosmonautas ficam no espaço         seis meses ou mais, testando a engrenagem         e a solidão.         Em cada olimpíada há récordes previstos         e nos países, avanços e recuos sociais.         Mas nenhum pássaro mudou seu canto         com a modernidade.         Reencenamos as mesmas tragédias gregas,         relemos o Quixote, e a primavera         chega pontualmente cada ano.         Alguns hábitos, rios e florestas         se perder

Canto e Palavra (Affonso Romano de Sant'Anna / Eliezer Setton)

Imagem
Foto: Lícia Peixoto Todo homem é vário. Vário e múltiplo. Eu sou menos:  Sou duplo e me contento com o que sou.

Canto e Palavra (Affonso Romano de Sant'Anna)

Imagem
                1 Todo homem é vário . Vário e múltiplo. Eu sou menos: sou um duplo e me contento com o que sou. Fosse meu nome legião, meu destino talvez fosse a fossa e o abismo onde a vara de porcos me emborcou. Não sou tantos, repito, sou um duplo e me contento com o que sou .

FASCÍNIO (Affonso Romano de Sant'Anna)

Imagem
Casado, continuo a achar as mulheres irresistíveis. Não deveria, dizem. Me esforço. Aliás, já nem me esforço. Abertamente me ponho a admirá-las. Não estou traindo ninguém, advirto. Como pode o amor trair o amor? Amar o amor num outro amor é um ritual que, amante, me permito.

A IMPLOSÃO DA MENTIRA (Affonso Romano de Sant'Anna)

Imagem
Fragmento 1                Mentiram-me. Mentiram-me ontem                e hoje mentem novamente. Mentem                de corpo e alma, completamente.                E mentem de maneira tão pungente                que acho que mentem sinceramente.                Mentem, sobretudo, impune/mente.                Não mentem tristes. Alegremente                mentem. Mentem tão nacional/mente                que acham que mentindo história afora                vão enganar a morte eterna/mente.                Mentem. Mentem e calam. Mas suas frases                falam. E desfilam de tal modo nuas                que mesmo um cego pode ver                a verdade em trapos pelas ruas.                Sei que a verdade é difícil                e para alguns é cara e escura.                Mas não se chega à verdade                pela mentira, nem à democracia                pela ditadura. Fragmento 2                Evidente/mente a cre

AGENCIA ARS: NOTICIA FINAL DO MISTERIOSO NAZARENO: (Affonso Romano de Sant'Anna)

Imagem
URGENTE-I Noticias vindas da Palestina afirmam que, escapando à matança ordenada por Herodes, acaba de nascer ali uma criança assombrosa. URGENTE II: Os Tres Correspondendes Estangeiros presentes ao fato, um da Al-Jazeera, outro da CNN e da Estatal Chinesa estão perplexos! E a NASA pensa que o recém-nascido é um alienígena. URGENTE III: Cientistas decidiram realizar um exame do DNA do recém-nascido e encontraram aí alguns elementos que faltam na maioria dos seres humanos. URGENTE IV: Análises biocelulares do recém-nascido indicam que ele tem 2.012 anos, mas não aparenta tal idade. URGENTE V: Essa criatura des/orientadora lembra o filme com Brad Pitt- “O curioso caso de Benjamin Button”. Ele é o novo e o velho ao mesmo tempo. URGENTE VI: O menino-velho ou o velho-menino foi visto discutindo com os doutores da lei, e parece que a ONU vai convidá-lo para um pronunciamento. URGENTE VII: A excepcional criatura desapareceu depois da discussão com os sábios, não foi à ONU. Dizem q

ARTE-FINAL (Affonso Romano de Sant'Anna)

Imagem
Não basta um grande amor para fazer poemas. E o amor dos artistas, não se enganem, não é mais belo que o amor da gente. O grande amante é aquele que silente se aplica a escrever com o corpo o que seu corpo deseja e sente. Uma coisa é a letra, e outra o ato, quem toma uma por outra confunde e mente.

O DUPLO (Affonso Romano de Sant'Anna)

Imagem
Debaixo de minha mesa tem sempre um cão faminto -que me alimenta a tristeza. Debaixo de minha cama tem sempre um fantasma vivo -que perturba quem me ama.

UMA COISA É FAZER VERSO, OUTRA É FAZER POESIA (Affonso Romano de Sant'Anna)

Imagem
“Uma coisa é fazer verso, outra é fazer poesia. Para fazer versos basta uma certa técnica e uma certa prática, e habitua-se a rimar e metrificar a fala. Poesia é outra coisa. Em grego o termo poeta é sinônimo de inventor e nas comunidades primitivas o vate era o indivíduo possesso que proferia a verdade. Poeta, portanto, como eu e muita gente entende, é o indivíduo que, utilizando-se da linguagem, produz um pensamento que revela e seduz.