Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Jürgen Von Felix

14 de Maio (Lazzo Matumbi)

Imagem
No dia 14 de maio, eu saí por aí Não tinha trabalho, nem casa, nem pra onde ir Levando a senzala na alma, eu subi a favela Pensando em um dia descer, mas eu nunca desci Zanzei zonzo em todas as zonas da grande agonia Um dia com fome, no outro sem o que comer Sem nome, sem identidade, sem fotografia O mundo me olhava, mas ninguém queria me ver No dia 14 de maio, ninguém me deu bola Eu tive que ser bom de bola pra sobreviver Nenhuma lição, não havia lugar na escola Pensaram que poderiam me fazer perder Mas minha alma resiste, meu corpo é de luta Eu sei o que é bom, e o que é bom também deve ser meu A coisa mais certa tem que ser a coisa mais justa Eu sou o que sou, pois agora eu sei quem sou eu Será que deu pra entender a mensagem? Se ligue no Ilê Aiyê Se ligue no Ilê Aiyê Agora que você me vê Repare como é belo Êh, nosso povo lindo Repare que é o maior prazer Bom pra mim, bom pra você Estou de olho aberto Olha moço, fique esperto Que eu não sou menino Lazzo Matumbi 14 de Maio Congresso

Seol (Jorge Felix de Carvalho/Jürgen Von Felix)

Imagem
Elih se encontrava cansado, triste. Solitário. Diante das dificuldades que enfrentava, não conseguia ver solução. Atolado de processos, relatórios, pareceres e prazos, decidiu que não dava mais! Tentou pensar na música, nas artes, nos sonhos. Lembrou com pesar dos seus antepassados. Tentou esperança na lembrança dos descendentes. Dai, inevitavelmente tornaram-se mórbidos os seus pensamentos, dando uma força descomunal à imaginação nefasta. Elih se encontrava mesmo muito sombrio, desolado! Então, saiu do escritório, mas antes deixou todos os papéis em ordem. Organizou tudo, cada coisa no seu devido lugar. Era como se estivesse despedindo-se para sempre daquela cena. Pegou sua pasta, vestiu seu paletó, e se foi fechando a porta e em seguida jogando a chave no fundo da pasta, como se não mais fosse precisar dela. Andou a esmo em meio a multidão barulhenta, mas só conseguia ouvir uma única voz em sua mente. Olhou para a varanda de um prédio de esquina. E num hipnotizante caminhar su

Teste de Rorschach (Jürgen Von Felix)

Imagem
Eu, quem Sou? Qual a minha Cor? Se tenho Cabelo que parece novelo, De lã, buchado, que do pente a Amizade não tem. Se insisto em pentear Sou um sem Caráter, dominado. Se ouso afros penteados, Sou Negrinho metido, mal criado! Aqui no Brasil, tenho ascendência mil. Vermelho, Branco e Negro Sudão. Mas sou visto como menos escuro Como menos claro... Não! Se dou certo e consigo Diploma Dizem que é minha obrigação, Pois "Negro tem que mostrar o seu valor". Quando não logro êxito e O Sistema vence, Sou execrado, Açoitado, retorno ao terror! E se em Batalhas o Brasil se envolver, Adivinha quem nela primeiro vai morrer: Pretinho; Moreno; Mulato; Negão... Estou no limbo das cores no Arco-iris da exclusão. Copyright © 2018 by Jorge Felix All rights reserved.