Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Zealberto de Paulo Jacintho

14 de Maio (Lazzo Matumbi)

Imagem
No dia 14 de maio, eu saí por aí Não tinha trabalho, nem casa, nem pra onde ir Levando a senzala na alma, eu subi a favela Pensando em um dia descer, mas eu nunca desci Zanzei zonzo em todas as zonas da grande agonia Um dia com fome, no outro sem o que comer Sem nome, sem identidade, sem fotografia O mundo me olhava, mas ninguém queria me ver No dia 14 de maio, ninguém me deu bola Eu tive que ser bom de bola pra sobreviver Nenhuma lição, não havia lugar na escola Pensaram que poderiam me fazer perder Mas minha alma resiste, meu corpo é de luta Eu sei o que é bom, e o que é bom também deve ser meu A coisa mais certa tem que ser a coisa mais justa Eu sou o que sou, pois agora eu sei quem sou eu Será que deu pra entender a mensagem? Se ligue no Ilê Aiyê Se ligue no Ilê Aiyê Agora que você me vê Repare como é belo Êh, nosso povo lindo Repare que é o maior prazer Bom pra mim, bom pra você Estou de olho aberto Olha moço, fique esperto Que eu não sou menino Lazzo Matumbi 14 de Maio Congresso

A Borboleta e a Menina! (Zealberto)

Imagem
A borboleta amarela veio da rosa pra mim, em minha mão calejada deixou olor do jasmim, um momento comovente que só se vê num jardim. A borboleta e a rosa se confundem na folhagem, uma nasce perfumada, outra parece miragem, uma vive no jardim a outra está de passagem. A menina acompanhou aquela cena tão bela desejando criar asas e sair pela janela beijando todas as flores qual borboleta amarela. Copyright © 2008 By Zealberto All rights reserved Click e veja mais do AUTOR

Democracia (Zealberto de Paulo Jacintho)

Imagem
Quando canto o que sofre esse meu povo sem trabalho, sem casa, sem comida, sem direito a dispor da própria vida, com certeza eu muito me comovo e daqui desses versos eu promovo um pedido gritante de protesto: - Não eleja o homem desonesto, mostre que não aceita e não concorda que é o avesso do pano de quem borda é meu canto irritante e manifesto. 'Aproveitei os dois últimos versos de um poema do amigo Emanuel Lopes Ferreira Galvão , transformado-os em mote para esse decassílabo.'

'Viajante perdido pelo mundo...' (Zealberto de Paulo Jacintho)

Imagem
Viajante perdido pelo mundo carregando nas malas recheadas os fracassos, as mágoas recalcadas, que fizeram de mim um vagabundo, um molambo qualquer, um moribundo que em vão hoje busca encontrar um alguém que lhe possa dedicar pelo menos um riso de criança, ‘sou apenas um resto de esperança que o tempo esqueceu de carregar’.