Postagens

Mostrando postagens de 2021

14 de Maio (Lazzo Matumbi)

Imagem
No dia 14 de maio, eu saí por aí Não tinha trabalho, nem casa, nem pra onde ir Levando a senzala na alma, eu subi a favela Pensando em um dia descer, mas eu nunca desci Zanzei zonzo em todas as zonas da grande agonia Um dia com fome, no outro sem o que comer Sem nome, sem identidade, sem fotografia O mundo me olhava, mas ninguém queria me ver No dia 14 de maio, ninguém me deu bola Eu tive que ser bom de bola pra sobreviver Nenhuma lição, não havia lugar na escola Pensaram que poderiam me fazer perder Mas minha alma resiste, meu corpo é de luta Eu sei o que é bom, e o que é bom também deve ser meu A coisa mais certa tem que ser a coisa mais justa Eu sou o que sou, pois agora eu sei quem sou eu Será que deu pra entender a mensagem? Se ligue no Ilê Aiyê Se ligue no Ilê Aiyê Agora que você me vê Repare como é belo Êh, nosso povo lindo Repare que é o maior prazer Bom pra mim, bom pra você Estou de olho aberto Olha moço, fique esperto Que eu não sou menino Lazzo Matumbi 14 de Maio Congresso

O Mundo (Eduardo Galeano)

Imagem
Um homem da aldeia de Negu no litoral da Colômbia, conseguiu subir aos céus. Quando voltou, contou. Disse que tinha contemplado, lá do alto, a vida humana. E disse que somos um mar de fogueirinhas. — O mundo é isso — revelou — Um montão de gente, um mar de fogueirinhas. Cada pessoa brilha com luz própria entre todas as outras. Não existem duas fogueiras iguais. Existem fogueiras grandes e fogueiras pequenas e fogueiras de todas as cores. Existe gente de fogo sereno, que nem percebe o vento, e gente de fogo louco, que enche o ar de chispas. Alguns fogos, fogos bobos, não alumiam nem queimam; mas outros incendeiam a vida com tamanha vontade que é impossível olhar para eles sem pestanejar, e quem chegar perto pega fogo.

O Professor Reinventado (Emanuel Galvão)

Imagem
Com um trabalho muito organizado Do plano de aula a sua caderneta Seja lendo para ficar atualizado Ou fazendo uso incansável da caneta Um verdadeiro empreendedor Que do ofício não se ausenta Por ser um agente transformador O professor sempre se reinventa   Adequando-se as regras da legislação Com sua rígida e pesada norma Acreditando que com a educação O mundo aprimora e transforma Aguerrido e muito batalhador Toda intempérie ele enfrenta Por ser um agente transformador O professor sempre se reinventa   Com o aprendizado sempre em mente Na aula a distância ou presencial Se preciso for, até alternadamente Seu objetivo último ou principal É ser um excelente formador De tudo se utiliza e experimenta Por ser um agente transformador O professor sempre se reinventa   Carente de uma maior valorização Não se acomoda ou se entrega Tem na sua abnegada profissão Amor que cultiva e sempre rega Porque quando se faz com amor A recompensa

Minha Arma é a Esperança (Rosilania Macedo)

Imagem
*Paulo Freire 100 anos "A esperança faz parte da natureza humana." O ser humano não deve negá-la. Ela "uma espécie de ímpeto natural possível, " necessária. Ele, o ser humano, deve esperanciá-la. Mesmo "em torno de um sem-número de problemas", A "luta política em favor da recriação da sociedade" justa, Deve ter sempre lugar nas práticas éticas e humanas, a favor daqueles que na sociedade vivem condições injustas. "A educação é política", Independentemente do lado em que se está! A diferença é que um lado quer justiça social e o outro que a sociedade fique como estar. A educação é uma forma de intervenção no mundo." 'se refere "as mudanças radicais" para o bem, não a disputa Com isso, a nossa arma deve ser a esperança. Vem pra luta! *As partes aspeadas foram retiradas da obra Pedagogia da Autonomia imagem de Freire: https://www.asle.netbr/as-licoes-de-paulo-freire/ Rosilania Macedo da Silva é Pedagoga e mestre em Educa

Poema Didático (Mia Couto)

Imagem
Já tive um país pequeno tão pequeno que andava descalço dentro de mim. Um país tão magro que no seu firmamento não cabia senão uma estrela menina, tão tímida e delicada que só por dentro brilhava. Eu tive um país escrito sem maiúscula. Não tinha fundos para pagar a um herói. Não tinha panos para costurar bandeira. Nem solenidade para entoar um hino. Mas tinha pão e esperança para os viventes e sonhos para os nascentes. Eu tive um país pequeno, tão pequeno que não cabia no mundo. Mia Couto, No livro Tradutor de Chuvas, publicado em 2011, reúne mais de 60 poemas.

Intervalo (Carlos Pronzato)

Imagem
  Te tomo da mão Respiro teu aroma de metais Ferrugem ou carmim Tua boca é uma engrenagem frenética De flores Nosso intervalo é tão curto Que as palavras voam Como pregos cintilantes Em rosas de cobre Beijos martelados no alumínio Dos teus lábios A sirene interrompe A brisa do pátio E a paisagem do teu rosto Nos devolve ao estrondo À diária exploração Do cartão de ponto. Copyright © 2021 by Carlos Pronzato All rights reserved  

Passei Uns Dias Sentindo Um Calor (Elaine Cristina dos Santos Lima)

Imagem
  Passei uns dias sentindo um calor. Calor que surgiu na minha epiderme e se infundiu até a camada mais profunda da minha alma. Um calor desses que só pode surgir na pele porque necessita de estímulos sensuais, dos sentidos e da carne. Aliás, como toda emoção. A sensualidade é fundamental. Gosto de ouvir, de tocar, de ver e gosto que sintam em mim. A cada movimento da vida se apresenta uma possibilidade de experimentar o inusitado. Muitas vezes desafiando o espaço e o tempo e sempre desafiando o tradicional. Embora, não seja fácil e nem óbvio entender. Mas, eu me esforço. A vida não deixa de ser um labirinto explosivo de sensações que nos exige atenção e entrega. Eu me entrego. Não me entrego numa cega submissão a um destino dito predeterminado e sim, me entrego, numa escolha racional e emocional posta como possível. É uma vida ardente de explosões sentimentais que quero e vivo sempre que o momento me aparece. Esses dias de calor me pareceu um desses momentos. Fiquei a es

Carne e Osso (Zelia Duncan / Paulo Correa De Araujo)

Imagem
A alegria do pecado Às vezes toma conta de mim E é tão bom não ser divina Me cobrir de humanidade me fascina E me aproxima do céu E eu gosto De estar na terra Cada vez mais Minha boca se abre e espera O direito ainda que profano Do mundo ser sempre mais humano Perfeição demais Me agita os instintos Quem se diz muito perfeito Na certa encontrou um jeito insosso Pra não ser de carne e osso Pra não ser carne e osso Compositores: Zelia Duncan / Paulo Correa De Araujo Letra de Carne e osso © Casulo Promocoes Artisticas Ltda. Foto by: Rhuanny Rodrigues (Projeto Passarinho)

Poeminha Vulgar (Emanuel Galvão)

Imagem
Eu sou um papel higiênico Todo enrolado Ali, bem do lado da latrina As pessoas fazem as merdas... Eu cumpro o meu papel O papel, de papel higiênico Vou lá e limpo a merda que fizeram Daí, tudo bem... pra eles. Mas, um pedaço de mim Fica na lixeira. Eles vão me consumindo... Fazendo outras merdas... Mais um pedaço de mim... Deus que me perdoe A lágrima que inunda meu ser Meu ser desapontado... Eles não usam papel molhado. Copyright © 2007 by Emanuel Galvão All rights reserved. do livro Flor Atrevida pag. 72 - Editora Quadri Office

A Caixa de Brinquedos (Rubem Alves)

Imagem
  A idéia de que o corpo carrega duas caixas —uma caixa de ferramentas, na mão direita, e uma caixa de brinquedos, na mão esquerda— apareceu enquanto eu me dedicava a mastigar, ruminar e digerir santo Agostinho. Como você deve saber, eu leio antropofagicamente. Porque os livros são feitos com a carne e o sangue daqueles que os escrevem. Dos livros, pode-se dizer o que os sacerdotes dizem da eucaristia: "Isso é o meu corpo; isso é a minha carne". Santo Agostinho não disse como eu digo. O que digo é o que ele disse depois de passado pelos meus processos digestivos. A diferença é que ele disse na grave linguagem dos teólogos e filósofos. E eu digo a mesma coisa na leve linguagem dos bufões e do riso. Pois santo Agostinho, resumindo o seu pensamento, disse que todas as coisas que existem se dividem em duas ordens distintas. A ordem do "uti" (ele escrevia em latim ) e a ordem do "frui". "

Prometo Perder (Pedro Chagas)

Imagem
  «A nudez dói muito sobre aqueles que só se suportam cobertos.»   Assim, sem mais nem menos, ele, armado ao pingarelho, disse-lhe o que pensava. Ela parou, olhou-o sem mexer um músculo da cara, estendeu a mão de forma educada e apresentou-se.   «Suzana, com z. Mas podes tratar-me por quero-te.»   Ele sorriu, estendeu a mão, cumprimentou-a de volta e fez o que as regras da boa educação exigem.   «Daniel, com tesão. Mas podes tratar-me por anda comigo para casa.»   Ambos obedeceram.   Trecho do livro de crônicas Prometo Perder

Timidez - Eu Que Não Sei Falar de Amor (Emanuel Galvão)

Imagem
  Talvez haja um pouco de temor Mas preciso então esclarecer Revelar-me parece libertador Senão, sou capaz de padecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Meu corpo deseja teu calor Volúpia que me faz enlouquecer Com fúria e sem nenhum pudor E a certeza de não te esquecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você As flores exalam seu olor Antes que possam fenecer O sol fornece seu calor Antes da noite o esconder  Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Das paixões sou colecionador Mas você me fez amolecer Com seu jeitinho encantador E beleza que não posso descrever Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Escrever é algo desafiador Mas que se pode aprender Amante não tem procurador Ninguém pode substabelecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Menina te falo com muito ardor Para você jamais me esquecer Ser poeta ou ser um trovador Nem se compara em te satisfazer Eu que não sei falar de amor Resolvi es