Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Natália Monte

14 de Maio (Lazzo Matumbi)

Imagem
No dia 14 de maio, eu saí por aí Não tinha trabalho, nem casa, nem pra onde ir Levando a senzala na alma, eu subi a favela Pensando em um dia descer, mas eu nunca desci Zanzei zonzo em todas as zonas da grande agonia Um dia com fome, no outro sem o que comer Sem nome, sem identidade, sem fotografia O mundo me olhava, mas ninguém queria me ver No dia 14 de maio, ninguém me deu bola Eu tive que ser bom de bola pra sobreviver Nenhuma lição, não havia lugar na escola Pensaram que poderiam me fazer perder Mas minha alma resiste, meu corpo é de luta Eu sei o que é bom, e o que é bom também deve ser meu A coisa mais certa tem que ser a coisa mais justa Eu sou o que sou, pois agora eu sei quem sou eu Será que deu pra entender a mensagem? Se ligue no Ilê Aiyê Se ligue no Ilê Aiyê Agora que você me vê Repare como é belo Êh, nosso povo lindo Repare que é o maior prazer Bom pra mim, bom pra você Estou de olho aberto Olha moço, fique esperto Que eu não sou menino Lazzo Matumbi 14 de Maio Congresso

Praia dos Ventos (Natália Monte)

Imagem
Vila dos Ventos -RN Sambei, os pés não senti E daí?  As contas deixei para ti, Fugi! Fui à praia dos ventos Que não se apagam, Fluem lentos, Enganam o tempo

MENINO (Natália Monte)

Imagem
Menino, não me olha no olho Senão, bamba, me encolho E mil sorrisos hei de dar, Minhas bochechas vão corar Menino, não me fala assim, Teu semblante é doce, Como tão solto fosse Teu sorriso de marfim

ARTISTA (Natália Monte)

Imagem
Retrato de Françoise (1946), Pablo Picasso Não sou ourives, parnasianos, Mas sei tecer: teço teus planos Em meu tear cheio de prantos A te molhar Não sou Pandora, olimpianos, Mas de mistérios me alimento E das façanhas de todos os anos Nos quais em ti busquei alento Não sou simetria, neoclássicos, Minhas telas correm soltas como Picasso E vou deixando a cada passo O mundo ainda menos estático Artista é quem se expressa Com a liberdade de um condor Tamanha autenticidade dessa, Voa alto aonde quer que for E artista hei de ser, Até não mais respirar Oscilando entre céu e terra Para quiçás, assim, poder voar. Copyright © 2012 by Natália Monte All rights reserved. * veja mais da autora  aqui: