Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Dydha Lyra

14 de Maio (Lazzo Matumbi)

Imagem
No dia 14 de maio, eu saí por aí Não tinha trabalho, nem casa, nem pra onde ir Levando a senzala na alma, eu subi a favela Pensando em um dia descer, mas eu nunca desci Zanzei zonzo em todas as zonas da grande agonia Um dia com fome, no outro sem o que comer Sem nome, sem identidade, sem fotografia O mundo me olhava, mas ninguém queria me ver No dia 14 de maio, ninguém me deu bola Eu tive que ser bom de bola pra sobreviver Nenhuma lição, não havia lugar na escola Pensaram que poderiam me fazer perder Mas minha alma resiste, meu corpo é de luta Eu sei o que é bom, e o que é bom também deve ser meu A coisa mais certa tem que ser a coisa mais justa Eu sou o que sou, pois agora eu sei quem sou eu Será que deu pra entender a mensagem? Se ligue no Ilê Aiyê Se ligue no Ilê Aiyê Agora que você me vê Repare como é belo Êh, nosso povo lindo Repare que é o maior prazer Bom pra mim, bom pra você Estou de olho aberto Olha moço, fique esperto Que eu não sou menino Lazzo Matumbi 14 de Maio Congresso

Velho Porto (Dydha Lyra)

Imagem
Em nossas vidas, o acaso se permite a todo instante. E algumas coisas não foram tanto assim. Lembro que olhaste nos meus olhos,... cansada de viagem

AQUARELA (Dydha Lyra)

Imagem
O caos interior, silenciosamente, denuncia: acabou. No colo, os bilros do destino jogados, rapidamente, sobre a almofada da vida, pontilhada, sem arremates, sangram sobre o linho e suas tramas. O sonho e nós, distantes e tristes, somos o desenho que persiste da doce ilusão do querer. Num vazio imenso, descolorimos nossas vidas, qual aquarela à luz contínua, esmaecendo as cores, (que juntos escolhemos um dia) sem desamor, mágoa ou dissabores! Copyright © 2012 by Dydha Lyra All rights reserved.

DE MIM E DAS COISAS (Dydha Lyra)

Imagem
Essa solidão, das coisas e de mim, me angustia. Desde a falta das cordas para o violão, ao papel amarelado sem palavras, à compoteira sobre a mesa posta, inusitada. Ah, as ruas solitárias e suas sombras, os portos à espera de navios, as almofada sem desenhos e os bilros sem a rendeira! Ah, sei lá! Todas essas coisas, essas besteiras que povoam a vida, que incendeiam o estático momento, que norteiam o viver, nas ações/reações. São, assim, sobremaneira: o espaço tênue entre a luz e a sombra, o vazio entre o copo e a bebida, a proximidade entre a morte e a vida. O odor, a cor da rosa, a pálida margarida. Mãos postas sem oração, o exílio dos loucos na solidão, os laços que apertam o coração, as saudades das pessoas queridas, o corte, as partes divididas, a inesperada rachadura na parede. A busca, o encontro. A dolorosa despedida, que amordaça e cala o meu grito, silenciando em mim a própria vida! Copyright © 2012 by Dydha Lyra All ri

AMANHECER (Dydha Lyra)

Imagem
  Hoje, estendi minhas roupas no varal das lembranças... Sob um sol causticante, corri e tropecei em sombras do passado. Levantei-me, vesti-me de luz no novo dia, que já se debruça, na janela do tempo anoitecido, trazendo-me estrelas e ausências, que em mim se fazem, desde o alvorecer!     Copyright © primavera 2011 by Dydha Lyra All rights reserved.

PALAVRAS (Dydha Lyra)

Imagem
Eu me trajo dessas palavras  e desfilo elegantemente para as ilusões  sob o olhar de reprovação da indiferença,  e levanto a cabeça  quando alguem me pergunta como estou,  repenso tudo e digo:  Vivendo e achando bom... Dydha Lyra Copyright © 2011 by Dydha Lyra All rights reserved. *veja mais de Dydha Lyra aqui:  movimentodapalavra.blogspot.com