Postagens

Mostrando postagens com o rótulo José Alberto Costa

Invenção de Orfeu UM MONSTRO FLUI NESSE POEMA] (Jorge de Lima)

Imagem
Catástrofe ambiental provocada pela Braskem [ [UM MONSTRO FLUI NESSE POEMA] Um monstro flui nesse poema feito de úmido sal-gema. A abóbada estreita mana a loucura cotidiana. Pra me salvar da loucura como sal-gema. Eis a cura. O ar imenso amadurece, a água nasce, a pedra cresce. Mas desde quando esse rio corre no leito vazio? Vede que arrasta cabeças, frontes sumidas, espessas. E são minhas as medusas, cabeças de estranhas musas. Mas nem tristeza e alegria cindem a noite, do dia. Se vós não tendes sal-gema, não entreis nesse poema.           Invenção de Orfeu, Canto Quarto, poema I

A Borboleta e a Menina! (Zealberto)

Imagem
A borboleta amarela veio da rosa pra mim, em minha mão calejada deixou olor do jasmim, um momento comovente que só se vê num jardim. A borboleta e a rosa se confundem na folhagem, uma nasce perfumada, outra parece miragem, uma vive no jardim a outra está de passagem. A menina acompanhou aquela cena tão bela desejando criar asas e sair pela janela beijando todas as flores qual borboleta amarela. Copyright © 2008 By Zealberto All rights reserved Click e veja mais do AUTOR

José Alberto Costa (Biografia)

Imagem
JOSÉ ALBERTO COSTA nasceu em Paulo Jacinto-AL em 21 de maio de todos os anos (segundo ele mesmo). Gosta de se auto-apresentar com  o verso de *Geir Campos: "Operário do canto, me apresento / sem marca ou cicatriz, limpas as mãos, / minha alma limpa, a face descoberta, / aberto o peito, e - expresso documento - / a palavra conforme o pensamento".   Como funcionário concursado do Banco do Estado de Alagoas, onde permaneceu por 30 anos, chefiou na Assessoria de Comunicação/Marketing. Foi Secretário de Comunicação Social do Governo do Estado de Alagoas (1982/1983). Trabalhou nos jornais: “Diário – Alagoas”, nos semanários “Extra-Alagoas” e “Repórter Semanal”. Fez outros trabalhos freelance para jornais e revistas. Durante dois anos escreveu uma coluna no semanário “A Notícia”. É consultor de texto das revistas “VenhaVer” e “Alagoas S.A” e do Conselho Editorial do jornal “O Dia”. Membro efetivo da Academia Maceioense de Letras e da Associação Alagoana de Imprensa. 

Democracia (Zealberto de Paulo Jacintho)

Imagem
Quando canto o que sofre esse meu povo sem trabalho, sem casa, sem comida, sem direito a dispor da própria vida, com certeza eu muito me comovo e daqui desses versos eu promovo um pedido gritante de protesto: - Não eleja o homem desonesto, mostre que não aceita e não concorda que é o avesso do pano de quem borda é meu canto irritante e manifesto. 'Aproveitei os dois últimos versos de um poema do amigo Emanuel Lopes Ferreira Galvão , transformado-os em mote para esse decassílabo.'

'Viajante perdido pelo mundo...' (Zealberto de Paulo Jacintho)

Imagem
Viajante perdido pelo mundo carregando nas malas recheadas os fracassos, as mágoas recalcadas, que fizeram de mim um vagabundo, um molambo qualquer, um moribundo que em vão hoje busca encontrar um alguém que lhe possa dedicar pelo menos um riso de criança, ‘sou apenas um resto de esperança que o tempo esqueceu de carregar’. 

Visita da Lua (José Alberto Costa)

Imagem
A lua, ontem, visitou minha rua, demoradamente. Ficou admirada com as coisas que viu.

Vida Reinventada (José Alberto Costa)

Imagem
À noite minh'alma percorre o infinito espaço das lembranças perdidas.

PASSEIO COM MEU PAI (José Alberto Costa)

Imagem
Sonhei que meu pai me levava a passear, por campos diferentes daqueles que percorríamos, em nossa terra de muito sol. Local frio, de luz mortiça, um entardecer parado no tempo, que não deixava a noite chegar. Eu muito pequeno, ele muito grande como sempre me pareceu a vida inteira. Grande na estatura, nas atitudes. Eu, um pigmeu que mal conseguia acompanhar seus passos firmes.