Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Fabrício Carpinejar

14 de Maio (Lazzo Matumbi)

Imagem
No dia 14 de maio, eu saí por aí Não tinha trabalho, nem casa, nem pra onde ir Levando a senzala na alma, eu subi a favela Pensando em um dia descer, mas eu nunca desci Zanzei zonzo em todas as zonas da grande agonia Um dia com fome, no outro sem o que comer Sem nome, sem identidade, sem fotografia O mundo me olhava, mas ninguém queria me ver No dia 14 de maio, ninguém me deu bola Eu tive que ser bom de bola pra sobreviver Nenhuma lição, não havia lugar na escola Pensaram que poderiam me fazer perder Mas minha alma resiste, meu corpo é de luta Eu sei o que é bom, e o que é bom também deve ser meu A coisa mais certa tem que ser a coisa mais justa Eu sou o que sou, pois agora eu sei quem sou eu Será que deu pra entender a mensagem? Se ligue no Ilê Aiyê Se ligue no Ilê Aiyê Agora que você me vê Repare como é belo Êh, nosso povo lindo Repare que é o maior prazer Bom pra mim, bom pra você Estou de olho aberto Olha moço, fique esperto Que eu não sou menino Lazzo Matumbi 14 de Maio Congresso

O Homem Vestido de Sol (Fabrício Carpinejar)

Imagem
Meu rei, o sertão nunca virou mar, mas palavras dos seus livros feitos para mirar longe e infinito, como canções de guerrear. E a palavra virou brasa e a brasa virou brasão de uma carta que só será aberta agora com sua morte.

Amor Amor ou Vinícius de Moraes (Fabrício Carpinejar)

Imagem
Há uma ideia do amor exclusivo. Como se houvesse uma única chance na vida de amar. Ou é o amor eterno, ou era mentiroso. Ou acontece pela vida inteira, ou não funcionou. E, quando acertamos um casamento, as opções anteriores são consideradas falsas – necessitamos apagar o passado. E, quando erramos um casamento, as opções anteriores são vistas como legítimas – desperdiçamos romances melhores. Trata-se de uma visão limitada, de contar apenas com um endereço para o nosso coração. Mas amor é cigano, amor é mambembe, amor é viageiro.

RUA DA PALAVRA (Fabrício Carpinejar)

Imagem
O marido bate na mulher quando não tem mais palavras. A mãe bate no filho quando não tem mais palavras. O motorista sai do carro para brigar quando não tem mais palavras. Manifestantes invadem lojas e depredam a cidade quando não tem mais palavras. A palavra é o último reduto da sensibilidade. A fronteira derradeira. Quem perde a palavra perde o respeito.

MINHA MULHER NÃO É FURACÃO (Fabrício Carpinejar)

Imagem
Adriana Galvão - Foto: Emanuel Galvão Você não é um furacão. Trata-se de uma cilada masculina. Não aceite ser nomeada desse jeito. Representa um falso cumprimento. Todo homem diz que a mulher é um furacão como projeção: é o que ele deseja da companhia, não é o que ela é. Pode soar sedutor, pode sugerir passionalidade, pode sugerir fogo e charme, porém é uma armadilha. Sua intenção não é boa. Furacão não é convidado. Furacão passa rápido. Furacão é somente sexo. Furacão é pressa. Furacão não tem endereço, nem infância. Furacão destrói lares, arrebenta relacionamentos. Furacão não chora, não se arrepende de colecionar vítimas. Furacão não pergunta duas vezes. Furacão não volta, não cria raízes, não se despede. Furacão é triste, solitário, assim como vulcão. Furacão é vazio, repetitivo, rancoroso. Furacão não deixa bilhetes, não tem recaídas. Chamar uma mulher de furacão é uma forma machista de s