Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2020

14 de Maio (Lazzo Matumbi)

Imagem
No dia 14 de maio, eu saí por aí Não tinha trabalho, nem casa, nem pra onde ir Levando a senzala na alma, eu subi a favela Pensando em um dia descer, mas eu nunca desci Zanzei zonzo em todas as zonas da grande agonia Um dia com fome, no outro sem o que comer Sem nome, sem identidade, sem fotografia O mundo me olhava, mas ninguém queria me ver No dia 14 de maio, ninguém me deu bola Eu tive que ser bom de bola pra sobreviver Nenhuma lição, não havia lugar na escola Pensaram que poderiam me fazer perder Mas minha alma resiste, meu corpo é de luta Eu sei o que é bom, e o que é bom também deve ser meu A coisa mais certa tem que ser a coisa mais justa Eu sou o que sou, pois agora eu sei quem sou eu Será que deu pra entender a mensagem? Se ligue no Ilê Aiyê Se ligue no Ilê Aiyê Agora que você me vê Repare como é belo Êh, nosso povo lindo Repare que é o maior prazer Bom pra mim, bom pra você Estou de olho aberto Olha moço, fique esperto Que eu não sou menino Lazzo Matumbi 14 de Maio Congresso

Toda Matéria (Mírian Monte)

Imagem
Foto by: Maria Thereza Monte Borges de Souza Pode a morte ser como as velas Navegando o Mucuripe Da canção que ora é festa Com refrão que sempre é triste Ou a flor da moça bela Arremessada do arrecife Para flutuar nas ondas Com a fé que ainda existe Pode a morte ser o gozo Ou o beijo dos amantes Pode a morte ser desgosto De lembrar como era antes Pode a morte ser o sonho Que não se realizou Pode ser o desconforto Do medo e do desamor Sinto a morte percorrendo Minhas veias e artérias E por isso tenho pressa De viver toda matéria E até que eu pereça Provarei cada sabor E quem sabe aconteça O que dizem ser amor