Timidez - Eu Que Não Sei Falar de Amor (Emanuel Galvão)

Imagem
  Meu corpo deseja teu calor Volúpia que me faz enlouquecer Com fúria e sem nenhum pudor E a certeza de não te esquecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você As flores exalam seu olor Antes que possam fenecer O sol fornece seu calor Antes da noite o esconder  Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Talvez haja um pouco de temor Mas preciso então esclarecer Revelar-me parece libertador Senão, sou capaz de padecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Das paixões sou colecionador Mas você me fez amolecer Com seu jeitinho encantador E beleza que não posso descrever Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Escrever é algo desafiador Mas que se pode aprender Amante não tem procurador Ninguém pode substabelecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Menina te falo com muito ardor Para você jamais me esquecer Ser poeta ou ser um trovador Nem se compara em te satisfazer Eu que não sei falar de amor Resolvi es

DISPOSTO A TUDO (Silvério Pessoa / Ivan Santos)


Estou disposto a tudo
A inverter a vida
A encontrar saída
Até fazer chover
Prá ter você aqui
Eu tô disposto a tudo
A dominar planetas
Implodir cometas
Talvez essa imprudência
Afaste sua ausência
Tão presente aqui


Estou disposto a tudo
A entender a cidade
E a relatividade
A ordenar o caos
Prá ver você aqui
Hoje eu aposto tudo
Em destruir a dor
Criar uma nova cor
Ou uma sinistra gang
Desaterrar o mangue
Prá te ver aqui
Disposto a tudo
Exposto ao ridículo
Beirando o cúmulo
Pagando mico
Bancando o bobo
Baixando a guarda
Abrindo o jogo
A mão no fogo
Sem receio de me queimar
Sem medo
Sem o mínimo simancol
Estou disposto a tudo
Me indispor com o vento
Ir na curva do tempo
A ser seja o que for
Prá ver você aqui
Eu faço mais que tudo
Eu bebo o São Francisco
Eu vou voar num disco
E descobrir estrelas
Pensando só em vê-la 
Ao meu lado, aqui
Estou disposto a tudo
A engolir genéricos
Orar com esotéricos
Lutar com Bruce Lee
Prá ter você aqui
Arranjo até encrenca
Ando nu no parque
Eu vou morar no Iraque
Eu vou até o inferno
E apago o fogo eterno
Prá te ver aqui
Reconheço que tua luminosidade parece com a cidade a noite
Olhar de farol, campo cheio em dia de futebol
A tua alegria, teu jeito cigano de ir embora
Mas chega uma hora qualquer
O que se der se dê
O que vem por aí 
É bom ter você por aqui






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Felicidade (Vicente de Carvalho)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

Timidez - Eu Que Não Sei Falar de Amor (Emanuel Galvão)

Reinauguração (Carlos Drummond de Andrade)