O ÚLTIMO AMAR (Valmir Pimentel Amaral)



Amanhã, virás aqui, solícita, pedindo-me
a minha mão para ajudar-te nos intentos
que te fazem mais mulher e, a mim, mais homem.
Sou eu a tua lâmpada, o perfeito gênio
que te satisfaz nas horas mais frementes.
Não! A tua insaciedade me compraz e,
nela, sou escravo algemado sem revelia.
Esfregas as  tuas mãos no meu corpo-pedinte
só para me veres atônito entre teus dedos,
brincando-me, fazendo-me de cabra-cega da tua libido.
Amanhã, depois de dar-te o meu corpo,
saciar-te por algumas horas, suarmos
corpos, lençóis, travesseiros, sexos,
antes mesmo que tu acordes sedenta
feito eu mais homem e tu mais mulher,
dir-te-ei adeus.

Copyright © 2013 by Valmir Pimentel Amaral
All rights reserved.




Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

'Somos queijo gorgonzola' (Maitê Proença)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

TEM GENTE QUE TEM CHEIRO... (Ana Jácomo)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

FICO ASSIM SEM VOCÊ (Abdullah / Caca Moraes)