O ÚLTIMO AMAR (Valmir Pimentel Amaral)



Amanhã, virás aqui, solícita, pedindo-me
a minha mão para ajudar-te nos intentos
que te fazem mais mulher e, a mim, mais homem.
Sou eu a tua lâmpada, o perfeito gênio
que te satisfaz nas horas mais frementes.
Não! A tua insaciedade me compraz e,
nela, sou escravo algemado sem revelia.
Esfregas as  tuas mãos no meu corpo-pedinte
só para me veres atônito entre teus dedos,
brincando-me, fazendo-me de cabra-cega da tua libido.
Amanhã, depois de dar-te o meu corpo,
saciar-te por algumas horas, suarmos
corpos, lençóis, travesseiros, sexos,
antes mesmo que tu acordes sedenta
feito eu mais homem e tu mais mulher,
dir-te-ei adeus.

Copyright © 2013 by Valmir Pimentel Amaral
All rights reserved.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A Minha Avó Dizia-me...' (Paola Klug)

Receita Para Arrancar Poema Preso (Viviane Mosé)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)