Postagens

Mostrando postagens de 2014

A Caixa de Brinquedos (Rubem Alves)

Imagem
  A idéia de que o corpo carrega duas caixas —uma caixa de ferramentas, na mão direita, e uma caixa de brinquedos, na mão esquerda— apareceu enquanto eu me dedicava a mastigar, ruminar e digerir santo Agostinho. Como você deve saber, eu leio antropofagicamente. Porque os livros são feitos com a carne e o sangue daqueles que os escrevem. Dos livros, pode-se dizer o que os sacerdotes dizem da eucaristia: "Isso é o meu corpo; isso é a minha carne". Santo Agostinho não disse como eu digo. O que digo é o que ele disse depois de passado pelos meus processos digestivos. A diferença é que ele disse na grave linguagem dos teólogos e filósofos. E eu digo a mesma coisa na leve linguagem dos bufões e do riso. Pois santo Agostinho, resumindo o seu pensamento, disse que todas as coisas que existem se dividem em duas ordens distintas. A ordem do "uti" (ele escrevia em latim ) e a ordem do "frui". "

Feliz Ano Novo - Tudo Igual? (Paulo Cesar Baruk)

Imagem
F Ano novo, vida nova. Mas se a gente não for diferente, tudo vai ser igual. Novas estações, outras emoções. Mas se a gente não for diferente, tudo vai ser igual. Se a gente não ficar numa boa, Se ficarmos estressados à toa. Se não nos importamos com as pessoas. Tudo vai ser igual. Se brigar por causa de futebol. E falar palavrão no farol. Se não virmos a beleza do sol, Tudo vai ser igual. Se o amor de deus não for a diferença Tudo vai ser igual Ano novo, vida nova. Mas se a gente não for diferente, tudo vai ser igual. Novas estações, outras emoções. Mas se a gente não for diferente, tudo vai ser igual. Sem valorizar aquele amigo. Se olhar só para o próprio umbigo. Se não se importar com alguém ferido, Tudo vai ser igual. Se a gente não quiser perdoar, Se a magoa persistir no olhar. Se você não conseguir se casar... Desculpa ai, era só pra rimar... Tudo vai ser igual. Muito amor de Deus ai na sua casa, Vai ser muito legal. Muito

Eu Te Desejo (Flávia Wenceslau)

Imagem
Eu te desejo vida, longa vida Te desejo a sorte de tudo que é bom De toda alegria ter a companhia Colorindo a estrada em seu mais belo tom Eu te desejo a chuva na varanda Molhando a roseira pra desabrochar E dias de sol pra fazer os teus planos Nas coisas mais simples que se imaginar Eu te desejo a paz de uma andorinha No vôo perfeito contemplando o mar E que a fé movedora de qualquer montanha Te renove sempre, te faça sonhar Mas se vier as horas de melancolia Que a lua tão meiga venha te afagar E a mais doce estrela seja tua guia Como mãe singela a te orientar Eu te desejo mais que mil amigos A poesia que todo poeta esperou Coração de menino cheio de esperança Voz de pai amigo e olhar de avô Ouça a Música

Um dia atrás do outro (Rita de Cássia Tenório Mendonça)

Imagem
* Os dias vêm se sucedendo numa cadência que não me diz respeito. Os dias nascem e se encerram com o mesmo colorido, o mesmo calor ameno e a mesma penetração de luz. Nada muda. A vida parece não caminhar em meu ritmo. Sim, sei que ela passa. Sei sim. Vejo as marcas da vida na pele de minhas mãos e ao redor de meus olhos. Odeio esses sinais do tempo! Não poderiam ser outras, em locais menos visíveis, essas marcas do que vivi? Não poderia a aridez da idade se concentrar toda num lugar só lá na sola de meu pé esquerdo, como um arremate bem feito, onde eu só pudesse vê-lo com muita dificuldade, em contorsão? Ou por que não no avesso de minha pele, lá pela nuca, perdido entre os cabelos em costura de fio invisível? Construí minha vida, estou certa. Sou inquieta demais para ficar na janela escutando música. Mas nos últimos tempos os acontecimentos parecem alheios a meu ritmo. A vida parece ter me esquecido em algum cantinho sem graça, em alguma estrad

Sol(riso) Adriana Moraes

Imagem
Você queria companhia Ele queria par O Sol concorre c om teu sorriso E perde.  Covardia! * Copyright © 2014 by Adriana Moraes      All rights reserved.

Conheço o Meu Lugar (Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes)

Imagem
(*) O que é que pode fazer o homem comum neste presente instante senão sangrar? Tentar inaugurar a vida comovida, inteiramente livre e triunfante? O que é que eu posso fazer com a minha juventude quando a máxima saúde hoje é pretender usar a voz? O que é que eu posso fazer um simples cantador das coisas do porão? Deus fez os cães da rua pra morder vocês que sob a luz da lua, os tratam como gente - é claro! - a pontapés. Era uma vez um homem e seu tempo... (Botas de sangue nas roupas de Lorca). Olho de frente a cara do presente e sei que vou ouvir a mesma história porca. Não há motivo para festa: ora esta! Eu não sei rir à toa! Fique você com a mente positiva que eu quero a voz ativa (ela é que é uma boa!) pois sou uma pessoa. Esta é minha canoa: eu nela embarco. Eu sou pessoa! (A palavra "pessoa" hoje não soa bem - pouco me importa!) Não! Você não me impediu de ser feliz! Nunca jamais bateu a porta em meu nariz! Ninguém é gente!

'Gostava de morar na tua pele...' (Manuel Alegre)

Imagem
Gostava de morar na tua pele ... desintegrar-me em ti e reintegrar-me não este exílio escrito no papel por não poder ser carne em tua carne. Gostava de fazer o que tu queres ser alma em tua alma em um só corpo não o perto e o distante entre dois seres não este haver sempre um e sempre o outro. Um corpo noutro corpo e ao fim nenhum tu és eu e eu sou tu e ambos ninguém seremos sempre dois sendo só um. Por isso esta ferida que faz bem este prazer que dói como outro algum e este estar-se tão dentro e sempre aquém. *Livro Sete Sonetos e Um Quarto

Um Beijo (Olavo Bilac)

Imagem
Foste o beijo melhor da minha vida, ou talvez o pior...Glória e tormento, contigo à luz subi do firmamento, contigo fui pela infernal descida! Morreste, e o meu desejo não te olvida: queimas-me o sangue, enches-me o pensamento, e do teu gosto amargo me alimento, e rolo-te na boca malferida. Beijo extremo, meu prêmio e meu castigo, batismo e extrema-unção, naquele instante por que, feliz, eu não morri contigo? Sinto-me o ardor, e o crepitar te escuto, beijo divino! e anseio delirante, na perpétua saudade de um minuto...

'Amor' (Luís Vaz de Camões)

Imagem
Busque Amor novas artes, novo engenho, para matar-me, e novas esquivanças; que não pode tirar-me as esperanças, que mal me tirará o que eu não tenho. Olhai de que esperanças me mantenho! Vede que perigosas seguranças! Que não temo contrastes nem mudanças, andando em bravo mar, perdido o lenho. Mas, conquanto não pode haver desgosto onde esperança falta, lá me esconde Amor um mal, que mata e não se vê. Que dias há que n'alma me tem posto um não sei quê, que nasce não sei onde, vem não sei como, e dói não sei porquê. *Luís de Camões Camões, L. V. de. Sonetos. Lisboa: Livraria Clássica Editora. 1961.

Oficina de Poesia (Sergio Vaz)

Imagem
"o que é poesia?" O menino me perguntou. "Poesia é a forma diferente de olhar as coisas." Eu perguntei: " o que tem na minhas mãos?" "Água." Todos responderam. Perguntei de novo " o que tem nas minhas mãos?" "água." Perguntei mais uma vez, só que desta vez alguém lá no fundo disse "mar" do outro lado alguém disse "Chuva" "enchente" "lágrimas" "Vida" "suor" "refrigerante" "suco" "banho" etc. etc. etc. Aí, eu disse: "Pera lá, mas agora pouco não era só um copo de água?" "ha, ha, ha, ha, ha, ha..." E todos nós rimos como se a dor não existisse. E a água da poesia quase afogou meus olhos. O Coração já tinha transbordado há muito tempo.

Quem me leva os meus fantasmas (Pedro Abrunhosa)

Imagem
(*) Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes as palavras voavam, E eu via que o céu me nascia dos dedos E a ursa maior eram ferros acesos. Marinheiros perdidos em portos distantes, Em bares escondidos, Em sonhos gigantes. E a cidade vazia, Da cor do asfalto, E alguém me pedia que cantasse mais alto. Quem me leva os meus fantasmas? Quem me salva desta espada? Quem me diz onde é a estrada? Quem me leva os meus fantasmas? Quem me leva os meus fantasmas? Quem me salva desta espada? E me diz onde e´a estrada Aquele era o tempo Em que as sombras se abriam, Em que homens negavam O que outros erguiam. E eu bebia da vida em goles pequenos, Tropeçava no riso, abraçava de menos. De costas voltadas não se vê o futuro Nem o rumo da bala Nem a falha no muro. E alguém me gritava Com voz de profeta Que o caminho se faz Entre o alvo e a seta. Quem leva os meus fantasmas? Quem me salva desta espada? Quem me diz onde é a estrad

Código (Emanuel Galvão)

Imagem
Coração diz umas coisas... Um código morse, feitos de tum-tuns Umas mudanças de brilho no olhar Tem que entender de amor pra decifrar Fala para todos Mas, só o entendem, alguns.

A Idade e a Mudança (Lya Luft)

Imagem
"Mês passado participei de um evento sobre as mulheres no mundo contemporâneo.      Era um bate-papo com uma platéia composta de umas 250 mulheres  de todas as raças, credos e idades. E por falar em idade, lá pelas tantas, fui questionada sobre a minha e, como não me envergonho dela, respondi.      Foi um momento inesquecível...  A platéia inteira fez um 'oooohh' de descrédito.      Aí fiquei pensando: 'pô, estou neste auditório há quase uma hora exibindo minha inteligência, e a única coisa que provocou uma reação calorosa da mulherada foi o fato de eu não aparentar a idade que tenho? Onde é que nós estamos?' Onde, não sei, mas estamos correndo atrás de algo caquético chamado 'juventude eterna'. Estão todos em busca da reversão do tempo.        Acho ótimo, porque decrepitude também não é meu sonho de consumo, mas cirurgias estéticas não dão conta desse assunto sozinhas.   

Disfarce (Maria Raquel Santos)

Imagem
Normal... Eu sinto ciúmes. Me aborreço. Fico triste, sinto saudades!

FINESSE (Múcio Góes)

Imagem
Dona de uma fineza absoluta: Na sala, Sartre. Na Cama, Sutra.

Furta-cor (Emanuel Galvão)

Imagem
Teu beijo é um trava língua sempre gaguejo pra falar de amor sem ele fico a míngua

O Que é Morrer de Sede em Frente ao Mar? (Fernando Tenório)

Imagem
Carlos saiu para passear. Embora avesso às saídas no fim de tarde de sábado resolveu, por obra do destino ou acaso, ver o mar. Experimentou a brisa no rosto como há muito não fazia. Olhou para o azul do céu e lembrou-se dos olhos de um passado que ainda mexe. Mexe mais que ressaca de mar revolto, tem poder maior que o da água na arrebentação, a qual pode,apesar da sua fluidez, levar tudo consigo.

O Homem Vestido de Sol (Fabrício Carpinejar)

Imagem
Meu rei, o sertão nunca virou mar, mas palavras dos seus livros feitos para mirar longe e infinito, como canções de guerrear. E a palavra virou brasa e a brasa virou brasão de uma carta que só será aberta agora com sua morte.

Norte, não! NORDESTE! (Felipe Chaves Guimarães)

Imagem
Nascido em Maceió/Alagoas, quis a vida me levar, me alfabetizar e me criar na Ponta da Praia/Santos/São Paulo. Cresci como aqueles meninos que moram no “Sul” de um Brasil que me diziam que era dividido em somente duas regiões.

O Barquinho (Jurandir Bozo)

Imagem
Escorre em meu peito Um restinho de água do rio Junto a uma dolorosa saudade De quem nunca fui E fico imaginando Enquanto goteja meus olhos As poucas águas do rio Que ainda carrego no peito Assim por vezes saudade e eu rio Por vezes dor e eu rio também Eu rio da vida observando suas margens Que nunca passam ou escorem

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Imagem
'Pois desejo primeiro que você ame e que amando, seja também amado. E que se não o for, seja breve em esquecer e esquecendo não guarde mágoa. Desejo depois que não seja só, mas que se for, saiba ser sem desesperar. Desejo também que tenha amigos e que mesmo maus e inconseqüentes sejam corajosos e fiéis. E que em pelo menos um deles você possa confiar e que confiando não duvide de sua confiança. E porque a vida é assim, desejo ainda que você tenha inimigos, nem muitos nem poucos, mas na medida exata para que algumas vezes você interprele a respeito de suas próprias certezas. E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo para que você não se sinta demasiadamente seguro. Desejo depois que você seja útil, não insubstituívelmente útil mas razoavelmente útil. E que nos maus momentos, quando não restar mais nada, essa utilidade seja suficiente para manter você de pé. Desejo ainda que você seja tolerante, não com que os que erram pouco, porque isso é fácil,

Amor Pra Recomeçar ( Frejat / Mauricio Barros / Mauro Sta. Cecília)

Imagem
Eu te desejo não parar tão cedo Pois toda idade tem prazer e medo E com os que erram feio e bastante Que você consiga ser tolerante Quando você ficar triste Que seja por um dia, e não o ano inteiro E que você descubra que rir é bom, mas que rir de tudo é desespero

Foi-se a Copa? (Carlos Drummond de Andrade)

Imagem
Foi-se a Copa? Não faz mal. Adeus chutes e sistemas. A gente pode, afinal, cuidar de nossos problemas.

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Imagem
* Tinha sete anos apenas, apenas sete anos, Que sete anos! Não chegava nem a cinco! De repente umas vozes na rua me gritaram Negra! Negra! Negra! Negra! Negra! Negra! Negra! Negra! "Por acaso sou negra?" – me disse SIM! "Que coisa é ser negra?" Negra! E eu não sabia a triste verdade que aquilo escondia.

Gato que brincas na rua (Fernando Pessoa)

Imagem
Gato que brincas na rua Como se fosse na cama, Invejo a sorte que é tua Porque nem sorte se chama.

Sintaxe À Vontade (Fernando Anitelli)

Imagem
Sem horas e sem dores Respeitável público pagão a partir de sempre toda cura pertence a nós toda resposta e dúvida Todo sujeito é livre para conjugar o verbo que quiser todo verbo é livre para ser direto ou indireto nenhum predicado será prejudicado nem tampouco a frase, nem a crase nem a vírgula e ponto final! afinal, a má gramática da vida nos põe entre pausas, entre vírgulas e estar entre vírgulas é aposto e eu aposto o oposto que vou cativar a todos sendo apenas um sujeito simples um sujeito e sua oração sua pressa e sua prece

Se Voltares (Rogaciano Leite)

Imagem
Como sândalo humilde que perfuma O ferro do machado que lhe corta, Eu hei de ter minha alma sempre morta Mas não me vingarei de coisa alguma. Se voltares um dia à minha porta, Tangida pela fome e pela bruma, Em vez da ingratidão, que desconforta, Terás um leito sobre um chão de pluma.

Ai Que Saudade D'ocê (Vital Farias)

Imagem
Não se admire se um dia Um beija-flor invadir A porta da tua casa Te der um beijo e partir Fui eu que mandei o beijo Que é pra matar meu desejo Faz tempo que eu não te vejo Ai que saudade de ocê

'Manhã' (Otávio Cabral)

Imagem
* Dedicado ao poeta Sidney Wanderley: Não adianta insistir Se a torneira está fechada De que serve o poema ao homem Se lhe sobra a palavra fome E lhe falta a palavra vida?

A Natureza Das Coisas (Accioly Neto)

Imagem
Se avexe não... Amanhã pode acontecer tudo Inclusive nada. Se avexe não... A lagarta rasteja Até o dia em que cria asas.

“A mãe será capaz de se esquecer, ou deixar de amar algum dos filhos que gerou?” (Adriana Moraes)

Imagem
       Acordei meio mexida e carecia de escrever, é que escrevendo, organizo a minha dor... Bem de mansinho ela me chamou e disse: - Ei mulher, me ajude aqui. Eu não me lembro como é que faz pra fechar a porta. Como é, usa a chave? Ao ouvir essa sentença, me levantei, fui até a porta, mostrei como colocar a chave na fechadura e voltei tão atônita. Essa ação tão simples, que qualquer um sabe fazer, ela já não sabe. Quando fui deitar, tentei me lembrar de algumas coisas que ela me ensinou ao longo da vida. Com ela aprendi a falar (e falar muito), a caminhar, a usar os talheres, a dizer as palavras mágicas. Lembrei-me exatamente do quanto eu a achava incrível fazendo coisas bobas como comprar peixe (ela sabia bem escolher), a capacidade de pechinchar, cálculos matemáticos mentais. “Não conte sua vida para quem não é feliz”, ela me disse mais de uma vez. No meio desse turbilhão de pensamentos, recordei de uma postagem no Facebook que dizia “Mãe deveria ser eterna”. Perdoem-me os que

Onde anda seu primeiro amor? (Fernando Tenório)

Imagem
Todos nós já tivemos um primeiro amor. Pode não ter sido o melhor beijo, o melhor na cama e o amor mais intenso. No entanto, guardamos no bolso que carregamos o passado um quê de nostalgia e uma curiosidade sobre a vida do amor mais pueril. Certo dia lembrei do meu primeiro amor. A moça era de Maribondo-Alagoas, assim como eu. Por ela fui capaz de ir contra minha natureza. Frequentei as discotecas das cidades vizinhas. Thundercats em Capela, Zueira em Anadia e Miau em Tanque D´arca. Frequentei muito show de forró para ter chance de chamá-la à uma única dança. Por ser um péssimo dançarino, concentrava-me em não pisar em seu pé e não proferia uma só palavra. Mesmo assim, ganhava a noite por minha coragem e quase conquista.

Tu e Eu (Luis Fernando Veríssimo)

Imagem
Somos diferentes, tu e eu. Tens forma e graça e a sabedoria de só saber crescer até dar pé. Eu não sei onde quero chegar e só sirvo para uma coisa - que não sei qual é! És de outra pipa e eu de um cripto. Tu,lipa Eu,calipto.

A luta amorosa com as palavras (Mário Quintana)

Imagem
Nasci em Alegrete, em 30 de julho de 1906. Creio que foi a principal coisa que me aconteceu. E agora pedem-me que fale sobre mim mesmo. Bem! eu sempre achei que toda confissão não transfigurada pela arte é indecente. Minha vida está nos meus poemas, meus poemas são eu mesmo, nunca escrevi uma vírgula que não fosse uma confissão. Há! Mas o que querem são detalhes, cruezas, fofocas… Aí vai! Estou com 78 anos, mas sem idade. Idades só há duas: ou se está vivo ou morto. Neste último caso é idade demais, pois foi-nos prometida a eternidade.

Abertura Sob Pele de Ovelha (Ariano Suassuna)

Imagem
Falso Profeta, insone, Extraviado, vivo, Cego, a sondar o Indecifrável: e, jaguar da Sibila — inevitável, meu Sangue traça a rota deste Fado. Eu, forçado a ascender, eu, Mutilado, busco a Estrela que chama, inapelável. E a Pulsação do Ser, Fera indomável, arde ao sol do meu Pasto — incendiado.

Perfeição (Marcelo Bonfa / Dado Villa-lobos / Renato Russo)

Imagem
Vamos celebrar A estupidez humana A estupidez de todas as nações O meu país e sua corja De assassinos covardes Estupradores e ladrões Vamos celebrar A estupidez do povo Nossa polícia e televisão Vamos celebrar nosso governo E nosso estado que não é nação

Idade Para Ser Feliz (Geraldo Eustáquio de Souza)

Imagem
* Existe somente uma idade para ser feliz. Somente uma época na vida de cada pessoa em que é possível sonhar, fazer planos e ter energia bastante para realizá-los a despeito de todas as dificuldades e obstáculos.

Sobre a Perversidade (Marla de Queiroz)

Imagem
O perigo da perversidade é que ela é muito sutil. Um ser perverso jamais te atacará diretamente. Ele vai saborear cada silêncio calculado para despertar sua agonia. Ele vai tentar tolher seus lugares íntimos até que não reste qualquer espaço para manobras. Ele vai te seduzir da maneira mais irresistível e depois te tratar com um descaso inexplicável, como se algo de errado tivesse acontecido, mas sem te dar quaisquer indícios do que possa ter acontecido. Ele será carismático com os outros, prestativo, mas demonstrará impaciência em responder à sua mais simples pergunta. Ele vai oscilar entre o tesão e a indiferença. Você se sentirá desejada quando o sufoco tiver tomado toda a sua alma e, totalmente desamparada quando o desejo demonstrado parecer esvaído nos primeiros suspiros da manhã. E o dia seguinte se tornará um longo e agonizante ano. Ele parecerá espirituoso, depois irônico, mas estará sendo absurdamente crítico e sarcástico. E te deixará tão confusa que você, por momentos,

Canção Amiga (Carlos Drummond de Andrade)

Imagem
Eu preparo uma canção em que minha mãe se reconheça, todas as mães se reconheçam, e que fale como dois olhos.

Identidade (Marta de Souza)

Imagem
Sou pequena, Sou imensa, Sou de aço e de flores. Sou metade bobeira, metade seriedade.

Dois e dois: quatro (Ferreira Gullar)

Imagem
Como dois e dois são quatro sei que a vida vale a pena embora o pão seja caro e a liberdade pequena

Fim do Túnel (Rogério Dias)

Imagem
Pelo sorriso ocultado na cola da criança que pede esmola em frente ao palácio do imperador

Democracia (Zealberto de Paulo Jacintho)

Imagem
Quando canto o que sofre esse meu povo sem trabalho, sem casa, sem comida, sem direito a dispor da própria vida, com certeza eu muito me comovo e daqui desses versos eu promovo um pedido gritante de protesto: - Não eleja o homem desonesto, mostre que não aceita e não concorda que é o avesso do pano de quem borda é meu canto irritante e manifesto. 'Aproveitei os dois últimos versos de um poema do amigo Emanuel Lopes Ferreira Galvão , transformado-os em mote para esse decassílabo.'

Manifesto Pela Ocupação Amorosa dos Corações Vazios (André J. Gomes)

Imagem
E de agora em diante, fica estabelecido que todos os corações vazios, mal amados, partidos, abandonados ou tão somente subutilizados serão pacífica e amorosamente invadidos e ocupados pelo amor em todas as suas formas.

O Apanhador de Desperdício (Manoel de Barros)

Imagem
Uso a palavra para compor meus silêncios. Não gosto das palavras fatigadas de informar. Dou mais respeito às que vivem de barriga no chão tipo água pedra sapo.

Amor Cachoeira (Paulino Vergetti Neto)

Imagem
Não há a distância que vejo entre os teus olhos e os meus que se vêem sem se verem. Há dois imensos corações que ouvem um grande amor nascer

O Poeta Diante de Deus (Jorge de Lima)

Imagem
Senhor Jesus, o século está pobre. Onde é que vou buscar poesia? Devo despir-me de todos os mantos, os belos mantos que o mundo me deu. Devo despir o manto da poesia. Devo despir o manto mais puro. Senhor Jesus, o século está doente, o século está rico, o século está gordo. Devo despir-me do que é belo, devo despir-me da poesia, devo despir-me do manto mais puro que o tempo me deu, que a vida me dá. Quero leveza no vosso caminho. Até o que é belo me pesa nos ombros, até a poesia acima do mundo, acima do tempo, acima da vida, me esmaga na terra, me prende nas coisas. Eu quero uma voz mais forte que o poema, mais forte que o inferno, mais dura que a morte: eu quero uma força mais perto de Vós. Eu quero despir-me da voz e dos olhos, dos outros sentidos, das outras prisões, não posso Senhor : o tempo está doente. Os gritos da terra, dos homens sofrendo me prendem, me puxam ¬ me daí Vossa mão. JORGE DE LIMA (1895 — 1953) J

Fuá na Casa de Cabral (Sérgio Roberto Veloso de Oliveira - Siba / Helder Vasconcelos)

Imagem
Naquele Brasil antigo Perdido no desengano Seu Cabral chegou nadando E não preocupou com nada Deu ordem à rapazeada Mandou barrer o terreiro: "Me chame o pai do chiqueiro que hoje eu quero forró, Toré, samba, catimbó Que eu já virei brasileiro"

Amor Feinho (Adélia Prado)

Imagem
Amor feinho Eu quero amor feinho. Amor feinho não olho um pro outro. Uma vez encontrado é igual fé, não teologa mais. Duro de forte o amor feinho é magro, doido por sexo e filhos tem os quantos haja. Tudo que não fala, faz. Planta beijo de três cores ao redor da casa e saudade roxa e branca, da comum e da dobrada. Amor feinho é bom porque não fica velho. Cuida do essencial; o que brilha nos olhos é o que é: eu sou homem você é mulher. Amor feinho não tem ilusão, o que ele tem é esperança. Eu quero amor feinho.

Feliz Páscoa (Frei Beto)

Imagem
Feliz Páscoa aos que desdobram a subjetividade, rompendo a casca do ego para deixar renascer a mulher ou o homem novo, e a quem se nutre de TV sem enxergar as maravilhas encerradas no próprio peito. Feliz Páscoa aos artífices da paz que, entre conflitos, exalam suavidade, não achibatam com a língua a fama alheia, nem naufragam nas próprias feridas. E aos emotivos que deixam escapar das mãos as rédeas da paciência e nunca abandonam as esporas da ansiedade.

Chegança (Antônio Nóbrega / Wilson Freire)

Imagem
Sou pataxó, Sou xavante e cariri, Ianonami, sou tupi Guarani, sou carajá. Sou pancaruru, Carijó, tupinajé, Potiguar, sou caeté, Ful-ni-o, tupinambá.