Dimensão dos Sonhos (Mendonça Júnior)



Antônio toma o teu veleiro e sai
sem rumo certo, para o mais além,
antes que o vento pare e a tarde acabe.

Chega sempre mais longe quem não sabe
nem deseja saber aonde vai,
o que nenhum itinerário tem.

Persegue o amanhã, o mais distante,
velas abertas, quilhas sobre os mares
e, por muito mais longe que chegares.
tenta sempre ir um pouco mais adiante.

Solta os olhos andejos e tristonhos
no fugitivo azul do mais além,
o mar é grande, mas o mar não tem
a imensurável dimensão dos sonhos.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A Minha Avó Dizia-me...' (Paola Klug)

Receita Para Arrancar Poema Preso (Viviane Mosé)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Literatura das Ruas (Sergio Vaz)