A CALÇADA ( Eduardo Proffa)



Os homens vão chegando
Um a um
Vestem seus trajes empoeirados
Dos dias anteriores
Em que não tiveram sonhos
Em que não tiveram amigos



No outro lado
Uma mulher retira
A vasta cabeleira de terra
Que encobre a calçada

E a vassoura (cúmplice)
Varre
Sai
Sai
Sai
Sai...

A terra vai saindo
Chorando em pó
Não querendo
Desfazer o romance
Com a calçada

Da construção
Os homens se apercebem disso
E martelam metais
Martelam madeiras
Vestem tijolos
Com suas roupas

E novamente o pó
Entrega-se ao vento
Bailando docemente
Ao som das ferramentas
Pousando aos poucos
Na linda calçada
Limpa calçada
Fazendo-a sorrir
Novamente.

Copyright © 2013 by Eduardo Proffa
All rights reserved.

Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

'Somos queijo gorgonzola' (Maitê Proença)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

TEM GENTE QUE TEM CHEIRO... (Ana Jácomo)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)