Semeia (Cavalcanti Barros)



Segura firme
o cabo de tua enxada,
se o chão se doa.

Sulca a terra,
se há nela o cio,
e planta teu coração
atá criar raízes.

Semeia,
e espera
os brotos nascentes.

De todas as sementes,
extrai o unguento
para alívio
dos calos
do teu viver.

Mas faze-o por ti.
Não pelo rei.

(Do livro Tempo de Agora pg 26)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Cântico Negro (José Régio)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Eu Venho de Lá... (Rita Maidana)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)