Mulher Sem Limites (Romance de Flor) (Emanuel Galvão)

Imagem
Você já figura no meu coraçãoDescalça e sem roupa como num salãoTão bela e tão doce, mulher sem limitesQuem dera que fosse... E assim exististesDançando ao ritmo de minha pulsação.Não cabes em rótulos, por que caberias?Palavras ou versos, talvez te seduza...Então, só então, tu abras tua blusaE ardente, insana, tu permitiriasVolúpias intensas de terna paixão.Porque minha pele não te resistiriaEs bela não nego, sou tão negligenteForas apenas bela, mas és inteligenteNão encontro virtude que assim a alcanceMelhor te amar, assim de relanceSem ilusões, sem juras de amorRomance de flor, sem dor sem espinhoCaindo as pétalas, restará: odor e carinhoAssim em meu sonho, te possuo inteiraTe amando pleno, não de qualquer maneira.
Copyright © 2020 by Emanuel Galvão
All rights reserved.

*Foto by: Ana Cruz

Dualidade (Elisabeth Wolbeck)



Em tudo nessa vida há
em dois sentidos, dois modos.
Como encima e embaixo,
direita e esquerda,
antônimos e sinônimos,
tanto faz, você escolhe.


Se segue um, abandona o outro.
não há como ser os dois
ao mesmo tempo.
Se é noite, não é dia.
Se é certo, não é errado.
Você é quem manda no seu espaço.

Quem decide se vai ou se fica.
Se gosta ou se detesta.
Em tudo há essa dualidade.
Vida ou morte, azar ou sorte,
Amor ou ódio, começo ou fim.
Eu ou você.
Será que vamos nos entender?
Alegres ou tristes.
Será que podemos ser felizes?

Opostos se atraem,é o que dizem.
Como podem reinar ao mesmo tempo
sol e lua?
céu e inferno?
calor e frio?
Não pode meu ser estar assim...
Ora cheio ,ora vazio.
São duplas que não se completam.
Não formam um, uno, único.
Verdade ou mentira?

É preciso entender essa razão
de sempre haver o outro lado da moeda.
Ou cara ou coroa.
Por mais semelhantes que possam ser,
o jovem não é o velho,
nem o novo é o usado.

Em tudo há essa dualidade
por isso que acredito
Que se há o temporário e passageiro,
há de existir a eternidade.

Copyright © 2013. Todos os direitos reservados ao autor. 
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas
nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

Postagens mais visitadas deste blog

Literatura das Ruas (Sergio Vaz)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Só quem vive bem os agostos é merecedor da primavera! - Miryan Lucy de Rezende

Reinauguração (Carlos Drummond de Andrade)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)