SOLIDÃO (Socorro Monteiro)

  Homenagem a Dominguinhos

                                         
Uma sanfona vagueia sozinha pelos rincões do sertão.
Ela sabe que nunca mais será acariciada pelos dedos ágeis e grossos que lhes coçavam as costelas ordenando o comando do floreado que expressava alegria, inventando acordes que davam muito xodó. Sabe que apesar do vigor que ainda carrega, está condenada ao recolhimento e as lembranças do seu romance feliz, que durante muito tempo produziu muito chamego... 

E assim, na melhor das intenções, provavelmente habitará uma sala de museu onde assistirá inerte e silenciosa as diversas versões do seu caso de amor que culminou nesse 23 de julho ocasionado pela sua viuvez.
Nós, que durante muito tempo desfrutamos da harmonia desse casal, também choramos essa separação.



Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

'Somos queijo gorgonzola' (Maitê Proença)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

TEM GENTE QUE TEM CHEIRO... (Ana Jácomo)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)