PAPEL RECICLADO DE AMOR E VIDA (Emanuel Galvão)


Quando desesperadamente corpos
Sobre corpos a se esfregar
Num balé, sensual e embriagador
Produz prazer e gozo
E conduz a paz desinibida
A forma mais primitiva do amor.
Então silenciai: aí há vida.


Quando heróis minúsculos
Numa corrida são lançados
E nela, só pode haver um vencedor
Seguem como que, apaixonados
Para o óvulo em busca de acolhida
Para conceber o fruto do amor.
Então silenciai: aí há vida.

Quando de dores para a luz
Uma mulher transpira ofegante
E ninguém pode supor a sua dor
Sorrir ao ver seu filho
Que dela é parte dividida
Para compor outra história de amor.
Então silenciai: aí há vida.

Quando crescer e multiplicar
Não mais justificar
O mundo dilacerador
E ajuntar-se a outros homens em luta
Para criar e transformar na lida
Uma nação mais cheia de amor.
Então silenciai: aí há vida.

Quando seu coração
Como outro qualquer se apaixonar
De fato e forma e encanto tentador
E não puderes resistir à poesia
À flor, à música e à alegria concebida
Pelo fato inusitado do amor.
Então silenciai: aí há vida.

Quando o tempo imperdoável
Chamar-te a cumprir
O ritual amargo e desolador
Sentires que sobressaíste em teu papel
Conduta esta, resumida:
Em dar de ti em teus esforços de amor.
Então silenciai: aí há vida.


Copyright © 2007 by Emanuel Galvão
All rights reserved.


Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

'Somos queijo gorgonzola' (Maitê Proença)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

TEM GENTE QUE TEM CHEIRO... (Ana Jácomo)

FICO ASSIM SEM VOCÊ (Abdullah / Caca Moraes)