Mulher Sem Limites (Romance de Flor) (Emanuel Galvão)

Imagem
Você já figura no meu coraçãoDescalça e sem roupa como num salãoTão bela e tão doce, mulher sem limitesQuem dera que fosse... E assim exististesDançando ao ritmo de minha pulsação.Não cabes em rótulos, por que caberias?Palavras ou versos, talvez te seduza...Então, só então, tu abras tua blusaE ardente, insana, tu permitiriasVolúpias intensas de terna paixão.Porque minha pele não te resistiriaEs bela não nego, sou tão negligenteForas apenas bela, mas és inteligenteNão encontro virtude que assim a alcanceMelhor te amar, assim de relanceSem ilusões, sem juras de amorRomance de flor, sem dor sem espinhoCaindo as pétalas, restará: odor e carinhoAssim em meu sonho, te possuo inteiraTe amando pleno, não de qualquer maneira.
Copyright © 2020 by Emanuel Galvão
All rights reserved.

*Foto by: Ana Cruz

CÂNTICOS DOS CÂNTICOS (Salomão)



Quão belos são os teus pés
nas sandálias que trazes, ó filha de príncipe!
As colunas das tuas pernas são como anéis
trabalhados por mãos de artista.
o teu umbigo é uma taça arredondada, 
que nunca está desprovida de vinho.
O teu ventre é como um monte de trigo
cercado de lírios.
Os teus dois seios são como dois filhinhos 
gêmeos duma gazela.

O teu pescoço é como uma torre de marfim. 
Os teus olhos são como as piscinas de Hesebon, 
que estão situadas junto da porta de Bat-Rabim. 
O teu nariz é como a torre do Líbano, 
que olha para Damasco.
A tua cabeça levanta-se como o monte Carmelo; 
os cabelos da tua cabeça são como a púrpura
um rei ficou preso às suas madeixas.
Quão formosa e encantadora és, 
meu amor, minhas delícias!
A tua figura é semelhante a uma palmeira. 
Eu disse. Subirei à palmeira, 
e colherei os seus frutos.
Os teus seios serão, para mim, como cachos de uvas, 
e o perfume da tua boca como o das maçãs.
<!—anuncio –>

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Votos (Sérgio Jockymann)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Pele (Emanuel Galvão)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

VEM (Emanuel Galvão)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)