Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2013

Timidez - Eu Que Não Sei Falar de Amor (Emanuel Galvão)

Imagem
  Meu corpo deseja teu calor Volúpia que me faz enlouquecer Com fúria e sem nenhum pudor E a certeza de não te esquecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você As flores exalam seu olor Antes que possam fenecer O sol fornece seu calor Antes da noite o esconder  Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Talvez haja um pouco de temor Mas preciso então esclarecer Revelar-me parece libertador Senão, sou capaz de padecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Das paixões sou colecionador Mas você me fez amolecer Com seu jeitinho encantador E beleza que não posso descrever Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Escrever é algo desafiador Mas que se pode aprender Amante não tem procurador Ninguém pode substabelecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Menina te falo com muito ardor Para você jamais me esquecer Ser poeta ou ser um trovador Nem se compara em te satisfazer Eu que não sei falar de amor Resolvi es

Grande Poder (Mestre Verdelinho)

Imagem
o nosso Deus corrige o mundo pelo seu dominamento seio que a terra gira com o seu grande poder [grande poder, com o seu grande poder] A terra deu, a terra da, a terra cria Home, a terra cria, a terra deu, a terra há A terra voga, a terra dá o que tirar A terra acaba com a toda a mal alegria A terra acaba com os sete que a terra cria Nascendo em cima da terra, nessa terra há de viver Vivendo na terra, que essa há de comer Tudo o que vive nessa terra, pra essa terra é alimento Deus corrige o mundo pelo seu dominamento A Terra gira com o seu grande poder [grande poder, com o seu grande poder] o nosso deus corrige o mundo pelo seu dominamento seio que a terra gira com o seu grande poder [grande poder, com o seu grande poder] Porque no céu a gente vê uma estrelinha Aquela estrela nasce e se põe ás seis horas Quando é de manhã aquela estrela vai embora Tem uma maior e tem outra mais miudinha Tem uma acesa outra mais apagadinha seis horas da no

MEU SERTÃO ESTÁ DE LUTO (Romero Baia)

Imagem
Meu sertão fica mais triste Quando morre um vaqueiro E se ele for sanfoneiro O sertanejo n ã o resiste  Grita esperneia e pe r siste Asa branca pobre bichinho Agoniada foge do ninho Em busca do som do baião  Morreu s eu D ominguinhos Sucessor do G onzag ão  

CÂNTICOS DOS CÂNTICOS (Salomão)

Imagem
Quão belos são os teus pés nas sandálias que trazes, ó filha de príncipe! As colunas das tuas pernas são como anéis trabalhados por mãos de artista. o teu umbigo é uma taça arredondada,   que nunca está desprovida de vinho. O teu ventre é como um monte de trigo cercado de lírios. Os teus dois seios são como dois filhinhos   gêmeos duma gazela.

SOLIDÃO (Socorro Monteiro)

Imagem
   Homenagem a Dominguinhos                                           Uma sanfona vagueia sozinha pelos rincões do sertão. Ela sabe que nunca mais será acariciada pelos dedos ágeis e grossos que lhes coçavam as costelas ordenando o comando do floreado que expressava alegria, inventando acordes que davam muito xodó. Sabe que apesar do vigor que ainda carrega, está condenada ao recolhimento e as lembranças do seu romance feliz, que durante muito tempo produziu muito chamego...  

ABRI A PORTA (Dominguinhos / Gilberto Passos Gil Moreira)

Imagem
Abri a porta   Apareci A mais bonita Sorriu pra mim Naquele instante Me convenci O bom da vida Vai prosseguir

PRELUDIO PARA NINAR GENTE GRANDE (Luiz Vieira)

Imagem
Quando estou nos braços teus Sinto o mundo bocejar Quando estás nos braços meus Sinto a vida descansar No calor do teu carinho Sou menino, passarinho Com vontade de voar Sou menino, passarinho Com vontade de voar

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Imagem
Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles. A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade. E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências... A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar. Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos. Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os p

RECEITA DE ACORDAR PALAVRAS (Roseana Murray)

Imagem
Palavras são como estrelas facas ou flores elas têm raízes pétalas espinhos são lisas ásperas leves ou densas para acordá-las basta um sopro em sua alma e como pássaros vão encontrar seu caminho. <!—anuncio –>

TODAS ELAS JUNTAS NUM SÓ SER (Osvaldo Lenine Macedo Pimentel 'Lenine')

Imagem
Não canto mais Babete nem Domingas, nem Xica nem Tereza, de Ben Jor; nem Drão nem Flora, do baiano Gil, nem Ana nem Luiza, do maior; já não homenageio Januária, Joana, Ana,Bárbara de Chico; nem Yoko, a nipônica de Lennon, nem a cabocla de Tinoco e de Tonico.

PRA QUE EU SAIBA PERDOAR (José Fernandes de Oliveira)

Imagem
Pra não ferir ninguém, eu vim te procurar... Alguém me machucou e eu não pude nem chorar... Escuta meu Senhor, escuta a minha história.

APARIÇÃO (Italmar Lamenha de Albertim)

Imagem
                           Esperei por ela no final da tarde, Que por algum motivo não apareceu; Então senti como a saudade arde, E o céu azul de pena escureceu. Mas, felizmente me surgiram estrelas, Tais quais brilhantes num belo colar; Cintilavam à noite, sobre o imenso mar Impressionando que pasmava em vê-las. Fiz-me forte em meu desalento E aliei-me à solidão da rua; Mas conduzida por um forte vento Em minha frente, branca, meiga e nua, Acenou-me rindo lá no firmamento A tão querida e esperada lua. Copyright © 2013 by Italmar Lamenha de Albertin All rights reserved.

CORAÇÃO SELVAGEM (Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes)

Imagem
Meu bem, guarde uma frase pra mim dentro da sua canção Esconda um beijo pra mim sob as dobras do blusão Eu quero um gole de cerveja no seu copo no seu colo e nesse bar Meu bem, o meu lugar é onde você quer que ele seja Não quero o que a cabeça pensa eu quero o que a alma deseja Arco-íris, anjo rebelde, eu quero o corpo tenho pressa de viver Mas quando você me amar, me abrace e me beije bem devagar Que é para eu ter tempo, tempo de me apaixonar Tempo para ouvir o rádio no carro Tempo para a turma do outro bairro, ver e saber que eu te amo Meu bem, o mundo inteiro está naquela estrada ali em frente Tome um refrigerante, coma um cachorro-quente Sim, já é outra viagem e o meu coração selvagem Tem essa pressa de viver Meu bem, mas quando a vida nos violentar Pediremos ao bom Deus que nos ajude Falaremos para a vida: "Vida, pisa devagar meu coração cuidado é frágil; Meu coração é como vidro, como um beijo de novela" Meu bem, talvez você possa compreender a

POR QUE NÃO? (Bruna Lombardi)

Imagem
eu olhei e pensei por que não dezesseis anos mais velho, seguro homem de opinião e nenhum caráter o velho truque do maduro um ator na vida, e eu pensei por que não vai ver é um menino com medo vai ver se atrapalha não, acho que não deve ser um pouco canalha como todos são um cruzar de pernas, um olhar grave não sei direito o que se faz pra ser querida

'A GENTE SEMPRE DESTRÓI AQUILO QUE MAIS AMA' (Oscar Wild)

Imagem
'A gente sempre destrói aquilo que mais ama; Em campo aberto ou numa emboscada. Uns com a leveza do carinho, Outros com a dureza da palavra. Os covardes destroem com um beijo, Os valentes destroem com a espada' . (in Balada do Carcere de Reading, 1898) <!—anuncio –>

CANÇÃO (Emílio Moura)

Imagem
Viver não dói. O que dói é a vida que se não vive. Tanto mais bela sonhada, quanto mais triste perdida. 

'A DOR É INEVITÁVEL, MAS O SOFRIMENTO É OPCIONAL' (Tim Hansel)

Imagem
O potiguar, Clodoaldo Silva, não tem pescoço  onde caiba tantas medalhas conquistadas nas Paraolimpíadas 'A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional. Nós não podemos evitar a dor, mas podemos evitar a alegria'

'A CADA DIA QUE VIVO' (Mary Cholmondeley)

Imagem
'A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida... Esta no amor que não damos, nas forças que não usamos, Na prudencia egoísta que nada arrisca e que, esquivando-se do sofrimento, também perde a felicidade.'

AS POSSIBILIDADES PERDIDAS (Martha Medeiros)

Imagem
Fiquei sabendo que um poeta mineiro que eu não conhecia, chamado Emilio Moura, teria completado 100 anos neste mês de agosto, caso vivo fosse. Era amigo de outro grande poeta, Drummond. Chegaram a mim alguns versos dele, e um em especial me chamou a atenção: "Viver não dói. O que dói é a vida que não se vive". Definitivo, como tudo o que é simples. Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram. Por que sofremos tanto por amor? O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável, um tempo feliz. Sofremos por quê?

SONETO DO AMOR TOTAL (Vinícius de Moraes)

Imagem
Amo-te tanto, meu amor... não cante O humano coração com mais verdade... Amo-te como amigo e como amante Numa sempre diversa realidade.

PAPEL RECICLADO DE AMOR E VIDA (Emanuel Galvão)

Imagem
Quando desesperadamente corpos Sobre corpos a se esfregar Num balé, sensual e embriagador Produz prazer e gozo E conduz a paz desinibida A forma mais primitiva do amor. Então silenciai: aí há vida.

INEQUAÇÃO (Sidney Wanderley)

Imagem
Não se entra e sai da amada como se entra e sai do teatro. Do teatro se entra e sai da mesma forma e maneira: com cinco dedos por mão, com vinte dedos no corpo, trinta idéias na cabeça, algum dinheiro no bolso; com vida, se entrarmos vivos; defuntos, se entrarmos mortos. Na amada mergulhamos por completo, inteiramente, e quando à tona tornamos há em nós algo de menos: pode ser nosso suor a encharcar nossas vestes; nosso sangue, nosso sêmen que em seu ventre floresce; pode ser nossa agonia, nossa careta de gozo ou nossa contrição de prece. O fato é que algo resta longe de nós, naufragado, e não mais somos quem éramos quando cansados fugimos do mar gozoso da amada. Não se entra e sai da amada como se entra e sai de um auto. Num auto se entra e passeia por ladeiras e ruas planas, por campos, charcos, desertos, asfalto, barro batido, canaviais, açucenas, e ao final da jornada restamos inteiros e vivos, de igual forma como entramos. Na amada mergulhamos por completo, inteiramente, e qu

MOTIVO (Cecília Meireles)

Imagem
Eu canto porque o instante existe e a minha vida está completa. Não sou alegre nem sou triste: sou poeta. Irmão das coisas fugidias, não sinto gozo nem tormento. Atravesso noites e dias no vento. Se desmorono ou se edifico, se permaneço ou me desfaço, — não sei, não sei. Não sei se fico ou passo. Sei que canto. E a canção é tudo. Tem sangue eterno a asa ritmada. E um dia sei que estarei mudo: — mais nada.

“ESCREVO PARA ME DESNUDAR” (Marla de Queiroz)

Imagem
Não escrevo para fugir de mim. Não há fuga possível na minha escrita, nas minhas mudanças geográficas, nas minhas relações, nas minhas próprias fugas. A lucidez que um texto traz à tona, por mais impermeável que eu esteja, é desconcertante. Vejo-me na grafia espelhada. Vejo-me na ilusão arrebentada, no véu em farrapos, no retrovisor dos passos. Não escrevo frases temporárias: vão-se as fases, ficam as palavras. Não há texto descartável como uma lembrança. Não há registro dispensável como uma observação. Não escrevo para voltar para mim. Não escrevo para me conhecer. Não escrevo para te seduzir. Não escrevo para me defender. Então escrevo para me desnudar: como se todos os meus poros sentissem falta de ar.

AS APARÊNCIAS ENGANAM (Sérgio Natureza / Tunai)

Imagem
As aparências enganam, aos que odeiam e aos que amam Porque o amor e o ódio se irmanam na fogueira das paixões Os corações pegam fogo e depois não há nada que os apague se a combustão os persegue, as labaredas e as brasas são O alimento, o veneno, o pão, o vinho seco, a recordação Dos tempos idos de comunhão, sonhos vividos de conviver

VERSOS MOLHADOS (Patricia Neme)

Imagem
Respinga a lua seu olhar tristonho, em gotas mansas beija o adormecer dos versos, tantos… Que, por ti, componho… E enquanto eu rimo, a noite faz chover!

BOMBEIRO (Anônimo)

Imagem
Não há neve nem vento, Não há calor nem frio, Não se pode perder tempo Quando há vidas por um fio.