Um surdo manifesto: DA ALMA ENCANTADORA DAS RUAS AOS MOLEQUES ACOSTUMADOS COM SUCRILHOS NO PRATO - ou dos textos que poucos leem e muitos fingem não entender - (Juliano Beck)



“Qual de vós já passou a noite em claro
 ouvindo o segredo de cada rua?
 Qual de vós já sentiu o mistério, o sono, 
o vício, as ideias de cada bairro? 
A alma da rua só é inteiramente sensível
 a horas tardias." (João do Rio) 


Os usos que se faz da rua divergem.
Ao pobre a rua é uma extensão de si. Lhe invade o peito a brisa matutina quando ao labor se encaminha de bicicleta. Lhe toma por inteiro o cheiro virulento das povoadas horas do terminal meio-dia. Lhe afaga quando o fim de tarde lhe cai sob o dorso trazendo os matizes que não se dão por vencidos frente à inevitabilidade gris que a tudo concretiza. Há nisso uma noção de pertencimento, orgulhoso pertencimento. Tudo lhe foi tirado, arrancado, mas ele dispõe da rua! Por ela anda vagarosamente sentindo as entranhas de cada esquina. É dela que tira o seu sustento. Nela também se põe a ruminar a vida. E sorve um trago nas recônditas tabernas do centro. E nela perde a noção do tempo. E se encaminha a pé para casa (se a tiver) a sentir a força oculta que advém desta comunhão involuntária: homem e rua num só ente, andando lado a lado, pensando um no outro feito dois etéreos amantes que se confundem. E se de outro lar não dispor, ela o é: adormece ternamente em seu seio.
Ruas dos ambulantes sorrisos trocados, das fiadas conversas na calçada, da ávida fome diária, do interminável burburinho diurno, do lúgubre silêncio noturno, do feliz empinar de pipas, da bola que lhe atravessa contente enquanto não passa o automóvel, dos ébrios poetas da vida desconhecida e real, dos singelos entrelaçares de mãos, de proibidos amores consumados, dos velhos que se demoram a contemplá-la alguns instantes a mais que os moços e nisso reside a eternidade.
O rico, o burguês, o cidadão médio não tem ciência desta condição. Porque a rua para ele não é uma. Trata-se tão somente de uma célere veia de locomoção, um mero caminho entre os confortos do lar e da mesa de trabalho (se o tiver), que se perfaz condicionado pelo ar superficial do som que lhe convir ouvir. Quando um playboy faz o uso discursivo que lhe apetece acerca da rua acaba por roubar a única coisa que o pobre tem. E este, carente de flashes e atenção, concede passivamente a forjada representatividade. Mas nem todos.


Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

'Somos queijo gorgonzola' (Maitê Proença)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

TEM GENTE QUE TEM CHEIRO... (Ana Jácomo)

FICO ASSIM SEM VOCÊ (Abdullah / Caca Moraes)

CANA DE AÇUCAR (Emanuel Galvão)