Mulher Sem Limites (Romance de Flor) (Emanuel Galvão)

Imagem
Você já figura no meu coraçãoDescalça e sem roupa como num salãoTão bela e tão doce, mulher sem limitesQuem dera que fosse... E assim exististesDançando ao ritmo de minha pulsação.Não cabes em rótulos, por que caberias?Palavras ou versos, talvez te seduza...Então, só então, tu abras tua blusaE ardente, insana, tu permitiriasVolúpias intensas de terna paixão.Porque minha pele não te resistiriaEs bela não nego, sou tão negligenteForas apenas bela, mas és inteligenteNão encontro virtude que assim a alcanceMelhor te amar, assim de relanceSem ilusões, sem juras de amorRomance de flor, sem dor sem espinhoCaindo as pétalas, restará: odor e carinhoAssim em meu sonho, te possuo inteiraTe amando pleno, não de qualquer maneira.
Copyright © 2020 by Emanuel Galvão
All rights reserved.

*Foto by: Ana Cruz

MEU CHÃO: NORDESTE (Emanuel Galvão)



Tanto mais me aproximo do meu chão
Mais escuto no ar uma canção
Como hino trazido pelo vento
Que me faz lembrar todo momento
O torrão ardente que me deste
A brisa que sopra em meu nordeste.

Tanto mais me aproximo do meu chão
Mais me pego a fazer uma oração
Pra que nunca me esqueça dessa raiz
Que apesar de desprezado no país
Tem cultura bela e inconteste
Essa gente que habita o meu nordeste.

Tanto mais me aproximo do meu chão
Mais me arde no peito uma paixão
Um amor tão quente quanto o sol
Colorindo o céu num arrebol
Descansando seu brilho no oeste
Vai se pondo o sol do meu nordeste.

Tanto mais me aproximo do meu chão
Mais me dói essa perversa agressão
De que somos um povo ignorante
Que balança a cabeça a todo instante
Se não nos conhece, não se preste
A escarnecer assim do meu nordeste.

Tanto mais me aproximo do meu chão
Gonzaga, Padre Cicero, Lampião
Patativa do Assaré, “o inteligente”
Representam bem mais a minha gente
Não carece de aprovação lá do sudeste
Tem orgulho dos seus o meu nordeste.

Tanto mais me aproximo do meu chão
Mais me perco na imensa amplidão
Da cultura que floresce em minha terra
Cultivando na dor a paz na guerra
Cantando com a força que nos reste
A riqueza musical do meu nordeste.

Tanto mais me aproximo do meu chão
Mais me junto aos demais na procissão
Dos que plantam com fé o seu destino
E se orgulha de ser tão nordestino
Que essa terra lhe parece até celeste
O paraíso que é o meu nordeste.

Tanto mais me aproximo do meu chão
Mais pelejo em andar na contramão
E protesto contra esse preconceito
De quem sem conhecer só vê defeito
Em um povo que é tão cabra da peste
Nordestino que idolatra o seu nordeste.

Tanto mais me aproximo do meu chão
Quando da hora que todos partirão
Envolvido na terra que me cobre
Partirei com o coração mais nobre
Orgulhoso da terra que me veste
Abraçado até o fim pelo nordeste.


Copyright © 2015 by Emanuel Galvão
All rights reserved. 

Do Livro Elogio ao Desejo & Outras Palavras



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Votos (Sérgio Jockymann)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Só quem vive bem os agostos é merecedor da primavera! - Miryan Lucy de Rezende

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Pele (Emanuel Galvão)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

O Poeta Diante de Deus (Jorge de Lima)