A Caixa de Brinquedos (Rubem Alves)

Imagem
  A idéia de que o corpo carrega duas caixas —uma caixa de ferramentas, na mão direita, e uma caixa de brinquedos, na mão esquerda— apareceu enquanto eu me dedicava a mastigar, ruminar e digerir santo Agostinho. Como você deve saber, eu leio antropofagicamente. Porque os livros são feitos com a carne e o sangue daqueles que os escrevem. Dos livros, pode-se dizer o que os sacerdotes dizem da eucaristia: "Isso é o meu corpo; isso é a minha carne". Santo Agostinho não disse como eu digo. O que digo é o que ele disse depois de passado pelos meus processos digestivos. A diferença é que ele disse na grave linguagem dos teólogos e filósofos. E eu digo a mesma coisa na leve linguagem dos bufões e do riso. Pois santo Agostinho, resumindo o seu pensamento, disse que todas as coisas que existem se dividem em duas ordens distintas. A ordem do "uti" (ele escrevia em latim ) e a ordem do "frui". "

Baixo-ventre (Bruna Lombardi)



Eu não agüentava mais de amor por você
Tava ardendo de vontade de você
Você há de me querer
Há de tentar, se atrever
Mesmo se for delito, se for errado
Maldito, amaldiçoado
Mesmo que o céu nos castigue
Com um eterno eclipse
E venha o caos, satã, o fim de tudo
O cataclismo, o Apocalipse
e a gente seja culpado
Porque não soube resistir a tentação
Eu não quero me livrar desse pecado
E me salvo através dessa paixão.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Tempo (Roberto Pompeu de Toledo)

"O Que A Memória Ama Fica Eterno" (Fabíola Simões)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

'UMA OSTRA QUE NÃO FOI FERIDA NÃO PRODUZ PÉROLAS' (Rubem Alves)

Eu Te Desejo (Flávia Wenceslau)