Poema 50 (Arriete Vilela)



Esfiapo-me assim
em palavras
para que não me ardas na pele
crestada:

sob o sol e ao relento
tenho buscado as migalhas
de afeto com que vais marcando
o caminho – pistas que farejo
na solidão.

também esfiapo o meu olhar
e me lanço à proa dos barcos
que atravessam a lagoa
ao entardecer: carregam no casco
despintado a rudeza dos meus afagos
para que não se extinga no meu peito
o voo intuitivo dos vaga-lumes.

Esfiapo-me assim
em versos
para que me celebres no anonimato
da tua vida.




Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

'Somos queijo gorgonzola' (Maitê Proença)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

TEM GENTE QUE TEM CHEIRO... (Ana Jácomo)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

FICO ASSIM SEM VOCÊ (Abdullah / Caca Moraes)