Poema 50 (Arriete Vilela)



Esfiapo-me assim
em palavras
para que não me ardas na pele
crestada:

sob o sol e ao relento
tenho buscado as migalhas
de afeto com que vais marcando
o caminho – pistas que farejo
na solidão.

também esfiapo o meu olhar
e me lanço à proa dos barcos
que atravessam a lagoa
ao entardecer: carregam no casco
despintado a rudeza dos meus afagos
para que não se extinga no meu peito
o voo intuitivo dos vaga-lumes.

Esfiapo-me assim
em versos
para que me celebres no anonimato
da tua vida.




Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

CANA DE AÇUCAR (Emanuel Galvão)

Eu Te Desejo (Flávia Wenceslau)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

MULHER PROLETÁRIA (Jorge de Lima)