MOTIVO (Cecília Meireles)


Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.




Comentários

  1. As antíteses de Cecília é como o ir e vir da vida. E o poeta deverá está entre ele de forma serena percebendo a existência.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Ronaldo!
    Sempre bom ver você por aqui, mesmo que de vez em quando.
    Um grande abraço!

    Emanuel Galvão

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Eu Te Desejo (Flávia Wenceslau)

Olhos (Ademir João da Silva)

'Eu desejo que você consiga...' (Marla de Queiroz)

Harmonia (Marla de Queiroz)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Elogio ao Desejo (Emanuel Galvão)