MEU SERTÃO ESTÁ DE LUTO (Romero Baia)



Meu sertão fica mais triste
Quando morre um vaqueiro
E se ele for sanfoneiro
O sertanejo não resiste 
Grita esperneia e persiste
Asa branca pobre bichinho
Agoniada foge do ninho
Em busca do som do baião 
Morreu seu Dominguinhos
Sucessor do
Gonzagão 


Fica a pergunta no ar
De quem será a sanfona
De um dono ou de uma dona
Que possa nos alegrar
Tem que saber animar
Como animou
Gonzagão

No xote xaxado baião
Sem o fole rasgar
Seja ligeiro na mão
Quinem voo de carcará

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A Minha Avó Dizia-me...' (Paola Klug)

Receita Para Arrancar Poema Preso (Viviane Mosé)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Literatura das Ruas (Sergio Vaz)