'Novelo de Delícias' (Marla de Queiroz)




Abro as pernas e as palavras se contraem: tua língua se apropria do meu texto, tua fala sempre tão bem dita. Fecho os olhos: teu poema me penetra, nossas palavras gemem, a poesia grita. 

Mas eu guardo em segredo minhas frases mais aflitas. (Pelo menos dessa vez não vou deixar que o meu medo te pareça abandono. Pelo menos dessa vez não vou supervalorizar nossa história que é apenas tão bonita.) Vou deixar que se enfie em mim com dedos, membro, língua e malícia. E o teu corpo, meu tutor, se apropriar do meu sem dono, num abraço pélvico escorregadio, num enroscamento longo qual novelo de delícias.


Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

CANA DE AÇUCAR (Emanuel Galvão)

Eu Te Desejo (Flávia Wenceslau)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)