Precauções Inúteis (Lêdo Ivo)


Quem tapa minha boca,
não perde por esperar.
O silêncio de agora
amanhã é a voz rouca
de tanto gritar.

 .
Quem tapa meus olhos
nada esconde de mim.
Sei seu nome e seu rosto,
o lugar em que estou…
sua noite sem fim.
 .
Quem tapa meus ouvidos,
me faz escutar mais.
Igualei-me as muralhas
e o silêncio mais fundo
guarda o rumor do mundo.
 .
Quem quer me ver sem memória,
erra redondamente.
Lembro-me de tudo
e cego, surdo e mudo
até o esquecimento.
 .
E quem me quer defunto
confunde verão e inverno.
Morto, sou insepulto.
Homem sou sempre vivo.
Povo sou eterno.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A Minha Avó Dizia-me...' (Paola Klug)

Receita Para Arrancar Poema Preso (Viviane Mosé)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Literatura das Ruas (Sergio Vaz)