NU (Emanuel Galvão)





                                     Disseram-me certa feita: a poesia é um crime perfeito.”
                                                                                     Juliano Beck
                                              
Eu quero entrar em você
Não metaforicamente
Mais sim loucamente
Como deve realmente ser
E introduzir coisa mais firme
Que essa minha conversa mole...
Não abra seu coração para mim
Abra sua blusa
“Como faria qualquer mulher confusa
Em seu lugar”
Que o poeta, saio para boemia
Levando com ele a poesia.
Aceita o homem
Sem caneta, sem papel...
Ele está nu...
E te espera para fazer:
O que nunca ousou escrever.
Eu quero te ofertar a palavra nua
Dura
Latejando
De desejo
E quero a tua boca
E todos os lábios
Para sugar o néctar virginal...
De mim.
Que
A parte branca da tua carne
A parte vermelha
Aparte de mim o amor platônico
Que teima arder no peito
Quando desejo o ardor do leito.

Pode rasgar estes versos
E junto com ele suas vestes
Quero você em pelo...
Pelo desejo e seu apelo
perverso
Que nada poupa.
Não se oponha
Eu te quero
Sem lua, sem verso
Sem vergonha
Sem roupa.


Copyright © 2013 by Emanuel Galvão
All rights reserved.



<!—anuncio –>

Gostou? Compartilhe nas redes sociais.

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

Curta A Nossa Fanpage

Novo Livro

Novo Livro
Você pode compra-lo ligando para (82) 99653-4849

Desfrute, leia, curta e compartilhe boa leitura. Volte sempre!

O que está procurando?

Muito grato pela sua visita. Visita de Nº




Instagram

Recent In Internet

Poesia em seu Smartphone ou Iphone

Poesia em seu Smartphone ou Iphone
use seu leitor de Qr Code

Receba Novidades

RECEBA GRATUITAMENTE NOVIDADES DO BLOG!

Coloque seu e-mail abaixo:

Poesia Galvaneana