DE POUCAS PALAVRAS (Emanuel Galvão)




O beijo quase sempre era sem língua
A língua, sinceramente, de poucas palavras
As palavras, penetrantes, em meus ouvidos
Dos ouvidos a alma
- Sede dos afetos, sentimentos, paixões -
O que fazer quanto essa voz chamada desejo
Desfaz a calma, o equilíbrio o pejo?
Ao coração interpelei
Aconselhei-me à lua
Pois os sentidos estavam entregues todos à satisfação.
A satisfação, estando a flor da pele
A pele, inteiramente nua
E nua, completamente eu me entreguei.

Copyright © 2007 by Emanuel Galvão
All rights reserved.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

Receita Para Lavar Palavra Suja (Viviane Mosé)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

CÍNICO (Emanuel Galvão)