DE POUCAS PALAVRAS (Emanuel Galvão)




O beijo quase sempre era sem língua
A língua, sinceramente, de poucas palavras
As palavras, penetrantes, em meus ouvidos
Dos ouvidos a alma
- Sede dos afetos, sentimentos, paixões -
O que fazer quanto essa voz chamada desejo
Desfaz a calma, o equilíbrio o pejo?
Ao coração interpelei
Aconselhei-me à lua
Pois os sentidos estavam entregues todos à satisfação.
A satisfação, estando a flor da pele
A pele, inteiramente nua
E nua, completamente eu me entreguei.

Copyright © 2007 by Emanuel Galvão
All rights reserved.



Gostou? Compartilhe nas redes sociais.

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

Curta A Nossa Fanpage

Novo Livro

Novo Livro
Você pode compra-lo ligando para (82) 99653-4849

Desfrute, leia, curta e compartilhe boa leitura. Volte sempre!

O que está procurando?

Muito grato pela sua visita. Visita de Nº




Instagram

Recent In Internet

Poesia em seu Smartphone ou Iphone

Poesia em seu Smartphone ou Iphone
use seu leitor de Qr Code

Receba Novidades

RECEBA GRATUITAMENTE NOVIDADES DO BLOG!

Coloque seu e-mail abaixo:

Poesia Galvaneana