A Caixa de Brinquedos (Rubem Alves)

Imagem
  A idéia de que o corpo carrega duas caixas —uma caixa de ferramentas, na mão direita, e uma caixa de brinquedos, na mão esquerda— apareceu enquanto eu me dedicava a mastigar, ruminar e digerir santo Agostinho. Como você deve saber, eu leio antropofagicamente. Porque os livros são feitos com a carne e o sangue daqueles que os escrevem. Dos livros, pode-se dizer o que os sacerdotes dizem da eucaristia: "Isso é o meu corpo; isso é a minha carne". Santo Agostinho não disse como eu digo. O que digo é o que ele disse depois de passado pelos meus processos digestivos. A diferença é que ele disse na grave linguagem dos teólogos e filósofos. E eu digo a mesma coisa na leve linguagem dos bufões e do riso. Pois santo Agostinho, resumindo o seu pensamento, disse que todas as coisas que existem se dividem em duas ordens distintas. A ordem do "uti" (ele escrevia em latim ) e a ordem do "frui". "

AGORA JAZ (Marla de Queiroz)




Eretas tuas palavras,
imponente teu discurso
viril todo o teu porte.
E o tempo estendido
empregado em discorrer
sobre as tuas qualidades
e sobre o meu decote.

Foi forte a sedução
desse teu corpo quente,
pegada obstinada.
A argúcia e a certeza
de que eu era a
tua presa adequada.

Mas bem na hora exata
da entrega insensata
em que me fiz constante,
fiel àquele instante...
Tua fala feito faca
soberba, inesperada.

Desisto na hora certa
mesmo te parecendo errada:
pois transo com pessoas,
pra estas eu me entrego.
Não trepo com seus egos.


*veja mais da autora aqui:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"O Que A Memória Ama Fica Eterno" (Fabíola Simões)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

Felicidade (Vicente de Carvalho)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

O Tempo (Roberto Pompeu de Toledo)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)