A PRIMEIRA MULHER (Emanuel Galvão)




Os olhos nos olhos e a boca molhada
Quanto tempo separa os lábios do beijo?
Pensava eu, no frenesi do desejo
Tu vendo-me amigo, eu vendo-te amada.

No disfarce, meus olhos correram tua coxa
E teu decote: janela indiscreta dos seios.
Meus tímidos olhos, cheios de anseios,
Tu vendo-me menino, eu vendo-te moça.

Eu que nunca havia namorado
Devagarinho, abria, tão maravilhado
Como a um tesouro, teu fecho éclair.

Nossos corpos nus e bem unidos.
Nunca fomos mais do que amigos
Mas, fostes para mim: a primeira mulher.

Copyright © 2007 by Emanuel Galvão
All rights reserved.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

O Tempo (Roberto Pompeu de Toledo)

É a Vida - That's Life (Kelly Gordon / Dean Kay) Tradução