A Caixa de Brinquedos (Rubem Alves)

Imagem
  A idéia de que o corpo carrega duas caixas —uma caixa de ferramentas, na mão direita, e uma caixa de brinquedos, na mão esquerda— apareceu enquanto eu me dedicava a mastigar, ruminar e digerir santo Agostinho. Como você deve saber, eu leio antropofagicamente. Porque os livros são feitos com a carne e o sangue daqueles que os escrevem. Dos livros, pode-se dizer o que os sacerdotes dizem da eucaristia: "Isso é o meu corpo; isso é a minha carne". Santo Agostinho não disse como eu digo. O que digo é o que ele disse depois de passado pelos meus processos digestivos. A diferença é que ele disse na grave linguagem dos teólogos e filósofos. E eu digo a mesma coisa na leve linguagem dos bufões e do riso. Pois santo Agostinho, resumindo o seu pensamento, disse que todas as coisas que existem se dividem em duas ordens distintas. A ordem do "uti" (ele escrevia em latim ) e a ordem do "frui". "

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)




"Deixa-me, fonte!" Dizia
A flor, tonta de terror.
E a fonte, sonora e fria,
Cantava, levando a flor.

"Deixa-me, deixa-me, fonte!
" Dizia a flor a chorar:
"Eu fui nascida no monte...
"Não me leves para o mar".

E a fonte, rápida e fria,
Com um sussurro zombador,
Por sobre a areia corria,
Corria levando a flor.

"Ai, balanços do meu galho,
"Balanços do berço meu;
"Ai, claras gotas de orvalho
"Caídas do azul do céu!...

Chorava a flor, e gemia,
Branca, branca de terror,
E a fonte, sonora e fria
Rolava levando a flor.

"Adeus, sombra das ramadas,
"Cantigas do rouxinol;
"Ai, festa das madrugadas,
"Doçuras do pôr do sol;

"Carícia das brisas leves
"Que abrem rasgões de luar...
"Fonte, fonte, não me leves,
"Não me leves para o mar!...

" As correntezas da vida
E os restos do meu amor
Resvalam numa descida
Como a da fonte e da flor...

*saiba mais sobre o autor aqui:

Comentários

  1. Linda linda !!! Me trouxe lembranças de um tempo distante... suave e muito agradável...

    ResponderExcluir
  2. Lembrando do meu tempo escolar. As aulas eram bonitas.

    ResponderExcluir
  3. Texto muito belo. Aprendi este poema na quarta série do ensino primário. Depois na faculdade de Letras o professor novamente analisou o poema. O poema é atemporal, singelo e complexo ao mesmo tempo. Ele nos transporta a um passado mítico em que a natureza se aproximava dos homens e com eles convivia em harmonia.

    ResponderExcluir
  4. Texto muito belo. Aprendi este poema na quarta série do ensino primário. Depois na faculdade de Letras o professor novamente analisou o poema. O poema é atemporal, singelo e complexo ao mesmo tempo. Ele nos transporta a um passado mítico em que a natureza se aproximava dos homens e com eles convivia em harmonia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

Postagens mais visitadas deste blog

Os Votos (Sérgio Jockymann)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

A Caixa de Brinquedos (Rubem Alves)

Eu Te Desejo (Flávia Wenceslau)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Receita Para Arrancar Poema Preso (Viviane Mosé)

Ainda Cabe Sonhar (Jonathan Silva)