A formalística (Adélia Prado)


O poeta cerebral
tomou café sem
açúcar
e foi pro gabinete
concentrar-se.
Seu lápis é um bisturi
que ele afia na pedra,
na pedra calcinada
das palavras,
imagem que elegeu
porque ama a
dificuldade,
o efeito respeitoso
que produz
seu trato com o
dicionário.

Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

'Somos queijo gorgonzola' (Maitê Proença)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

TEM GENTE QUE TEM CHEIRO... (Ana Jácomo)

FICO ASSIM SEM VOCÊ (Abdullah / Caca Moraes)

CANA DE AÇUCAR (Emanuel Galvão)