A formalística (Adélia Prado)


O poeta cerebral
tomou café sem
açúcar
e foi pro gabinete
concentrar-se.
Seu lápis é um bisturi
que ele afia na pedra,
na pedra calcinada
das palavras,
imagem que elegeu
porque ama a
dificuldade,
o efeito respeitoso
que produz
seu trato com o
dicionário.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

O Tempo (Roberto Pompeu de Toledo)