Velho Porto (Dydha Lyra)



Em nossas vidas,
o acaso
se permite a todo instante.
E algumas coisas
não foram tanto assim.
Lembro que olhaste nos meus olhos,...
cansada de viagem

(sem rumo e tão plena de tormentas).
Ancoraste em mim,
até então,
porto distante pra tua chegada.
E eu,
velho e solitário marinheiro,
adornei com estrelas
a rota de tua chegada,
pra que nunca,
nunca mais
te percas de mim.


Copyright © 2013 by Dydha Lyra
All rights reserved.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Só quem vive bem os agostos é merecedor da primavera! - Miryan Lucy de Rezende

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Se Voltares (Rogaciano Leite)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

CANÇÃO DAS MULHERES (Lya Luft)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Reinauguração (Carlos Drummond de Andrade)