Timidez - Eu Que Não Sei Falar de Amor (Emanuel Galvão)

Imagem
  Meu corpo deseja teu calor Volúpia que me faz enlouquecer Com fúria e sem nenhum pudor E a certeza de não te esquecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você As flores exalam seu olor Antes que possam fenecer O sol fornece seu calor Antes da noite o esconder  Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Talvez haja um pouco de temor Mas preciso então esclarecer Revelar-me parece libertador Senão, sou capaz de padecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Das paixões sou colecionador Mas você me fez amolecer Com seu jeitinho encantador E beleza que não posso descrever Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Escrever é algo desafiador Mas que se pode aprender Amante não tem procurador Ninguém pode substabelecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Menina te falo com muito ardor Para você jamais me esquecer Ser poeta ou ser um trovador Nem se compara em te satisfazer Eu que não sei falar de amor Resolvi es

ENCHENTES E VAZANTES (Emanuel Galvão)



Meu coração é uma rocha em frente ao mar
Que rebenta em mim, e me faz bem e me faz mal
Acentuando assim, essa sede de amar
Entrego-me pois, as espumas da paixão
Esse conjunto de pequenas bolhas
Que como surgem desaparecerão
Porque essas ondas transformam a rocha em sal
Que são lágrimas de rebentação.

Meu corpo é a areia dessa praia apaixonada
À espera das enchentes da maré
Para sentir teu peso novamente
Tua ousadia, tua fúria desordenada
O som dos uis, o som dos ais
O vai e vem dos teus movimentos sensuais
Lembrados com saudades, porque já me são vazantes
E vós que navegais a esmo nesses versos
Compreendereis melhor se fordes amantes
As enchentes e vazantes, que unem e separam
Os casais.

Mas qual o coração de pedra que é forte
Contra o mar e seu arpoador?
Pois a paixão é canto de sereia
Meu coração é de pedra, meu corpo areia...
Se acaso sois o mar
Peço-vos por favor, deixa que eu suporte
O peso, o sonho, a sorte
De ser inundado por tão lúbrico amor.

opyright © 2007 by Emanuel Galvão
All rights reserved.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Felicidade (Vicente de Carvalho)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

Timidez - Eu Que Não Sei Falar de Amor (Emanuel Galvão)

Reinauguração (Carlos Drummond de Andrade)