ENCHENTES E VAZANTES (Emanuel Galvão)



Meu coração é uma rocha em frente ao mar
Que rebenta em mim, e me faz bem e me faz mal
Acentuando assim, essa sede de amar
Entrego-me pois, as espumas da paixão
Esse conjunto de pequenas bolhas
Que como surgem desaparecerão
Porque essas ondas transformam a rocha em sal
Que são lágrimas de rebentação.

Meu corpo é a areia dessa praia apaixonada
À espera das enchentes da maré
Para sentir teu peso novamente
Tua ousadia, tua fúria desordenada
O som dos uis, o som dos ais
O vai e vem dos teus movimentos sensuais
Lembrados com saudades, porque já me são vazantes
E vós que navegais a esmo nesses versos
Compreendereis melhor se fordes amantes
As enchentes e vazantes, que unem e separam
Os casais.

Mas qual o coração de pedra que é forte
Contra o mar e seu arpoador?
Pois a paixão é canto de sereia
Meu coração é de pedra, meu corpo areia...
Se acaso sois o mar
Peço-vos por favor, deixa que eu suporte
O peso, o sonho, a sorte
De ser inundado por tão lúbrico amor.

opyright © 2007 by Emanuel Galvão
All rights reserved.


Gostou? Compartilhe nas redes sociais.

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

Curta A Nossa Fanpage

Novo Livro

Novo Livro
Você pode compra-lo ligando para (82) 99653-4849

Desfrute, leia, curta e compartilhe boa leitura. Volte sempre!

O que está procurando?

Muito grato pela sua visita. Visita de Nº




Instagram

Recent In Internet

Poesia em seu Smartphone ou Iphone

Poesia em seu Smartphone ou Iphone
use seu leitor de Qr Code

Receba Novidades

RECEBA GRATUITAMENTE NOVIDADES DO BLOG!

Coloque seu e-mail abaixo:

Poesia Galvaneana