UM CÉU NUMA FLOR SILVESTRE (Rubem Alves)




Conhece-se a beleza dádiva dos deuses por aquilo que
ela produz na alma dos homens.
Quem é possuído por ela entra em êxtase:
cessa o riso, cessa o choro, o pensamento pára,
a fala emudece.
É mística.
A alma está tomada pela felicidade
da tranqüilidade absoluta.
Era assim que se sentia o Criador ao contemplar,
ao final de cada dia de trabalho,
o resultado da sua obra:
“Está muito bom!
Do jeito que deveria ser!
Nada há de ser modificado!
Amém!”

(Um céu numa flor silvestre, do Quarto de Badulaques)

*veja mais do autor aqui:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Mulher Sem Limites (Romance de Flor) (Emanuel Galvão)

'A Minha Avó Dizia-me...' (Paola Klug)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Receita Para Arrancar Poema Preso (Viviane Mosé)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)