Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2012

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

Imagem
Pessoas vão embora de todas as formas: vão embora da nossa vida, do nosso coração, do nosso abraço, da nossa amizade, da nossa admiração, do nosso país. E, muitas a quem dedicamos um profundo amor, morrem. E continuam imortais dentro da gente. A vida segue: doendo, rasgando, enchendo de saudade... Depois nos dá aceitação, ameniza a falta trazendo apenas a lembrança que não machuca mais: uma frase engraçada, uma filosofia de vida, um jeito tão característico, aquela peculiaridade da pessoa.

AS SEM-RAZÕES DO AMOR (Carlos Drummond de Andrade)

Imagem
Eu te amo porque te amo,
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.


Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.


Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.


Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

HUM! (Dulce Melo)

Imagem
Quando se ama, de fato
Não é preciso necessariamente o contato
Basta a voz
ao longe, não muito distante
Excitante!

RIMAS SEM CONTEÚDO... (José Reinaldo Melo Paes)

Imagem
Palavras tontas ao vento
São rimas sem conteúdo
São o discurso de um mudo
Que só causa desalento.
Quem não tem discernimento
Não escreve com magia ...
Quem não tem sabedoria
Não consegue se encantar.
Só quem sonha e sabe amar
Tem o dom da poesia.



RETRATO DA VIDA (Dominginhos, Djavan)

Imagem
Esse matagal sem fim
Essa estrada, esse rio seco
Essa dor que mora em mim
Não descansa e nem dorme cedo
O retrato da minha vida
É amar em segredo
Não quer saber de mim
E eu vivendo da tua vida
Deus no céu e você aqui
A esperança é quem me abriga
Esses campos não tardam em florir
Já se espera uma boa colheita
E tudo parece seguir
Fazendo a vida tão direita
Mas e você o que faz
Que não repara no chão
Por onde tem que passar
E pisa em meu coração?
O teu beijo em meu destino
Era tudo o que eu queria
Ser teu homem, teu menino
O ser amado de todo dia.

CLICK: Ouça a música!


UM CÉU NUMA FLOR SILVESTRE (Rubem Alves)

Imagem
Conhece-se a beleza dádiva dos deuses por aquilo que
ela produz na alma dos homens.
Quem é possuído por ela entra em êxtase:
cessa o riso, cessa o choro, o pensamento pára,
a fala emudece.
É mística.
A alma está tomada pela felicidade
da tranqüilidade absoluta.
Era assim que se sentia o Criador ao contemplar,
ao final de cada dia de trabalho,
o resultado da sua obra:
“Está muito bom!
Do jeito que deveria ser!
Nada há de ser modificado!
Amém!”
(Um céu numa flor silvestre, do Quarto de Badulaques)
*veja mais do autor aqui:

'A ILUSÓRIA GRAMA VERDE DO VIZINHO' (Roseane Mendonça)

Imagem
Atualmente, eu me policio, o máximo, para utilizar as redes sociais com sabedoria e principalmente com o meu grupo diário de contato [amigos também pessoalmente]. Desta forma, evito me inebriar com a "ilusória grama verde do vizinho". Tudo na vida tem dois lados, e nós temos o livre arbítrio para escolher e aos poucos perceber o que é real e as fantasias.

POESIA NÃO DÁ CAMISA (Claufe Rodrigues)

Imagem
Se todas as mulheres do mundo
Tivessem um terço do teu perfume
Deus morreria de ciúmes dos homens
Porque aí não haveria mais eternidade, paraíso,
Essas paisagens do amanhã.
Existiria apenas o teu sorriso de hortelã
Refrescando a minha boca
Encharcada de saliva.
Poesia não dá camisa
Mas o poeta
Quando tem uma musa
Não precisa de blusa
Vive de brisa.
*Veja mais do autoraqui:

ARTISTA (Natália Monte)

Imagem
Retrato de Françoise (1946), Pablo Picasso
Não sou ourives, parnasianos,
Mas sei tecer: teço teus planos
Em meu tear cheio de prantos
A te molhar

Não sou Pandora, olimpianos,
Mas de mistérios me alimento
E das façanhas de todos os anos
Nos quais em ti busquei alento

Não sou simetria, neoclássicos,
Minhas telas correm soltas como Picasso
E vou deixando a cada passo
O mundo ainda menos estático

Artista é quem se expressa
Com a liberdade de um condor
Tamanha autenticidade dessa,
Voa alto aonde quer que for

E artista hei de ser,
Até não mais respirar
Oscilando entre céu e terra
Para quiçás, assim, poder voar.


Copyright © 2012 by Natália Monte
All rights reserved.


*veja mais da autora aqui:

AGORA JAZ (Marla de Queiroz)

Imagem
Eretas tuas palavras, imponente teu discurso viril todo o teu porte. E o tempo estendido empregado em discorrer sobre as tuas qualidades e sobre o meu decote.
Foi forte a sedução desse teu corpo quente, pegada obstinada. A argúcia e a certeza de que eu era a tua presa adequada.
Mas bem na hora exata da entrega insensata em que me fiz constante, fiel àquele instante... Tua fala feito faca soberba, inesperada.
Desisto na hora certa mesmo te parecendo errada: pois transo com pessoas, pra estas eu me entrego. Não trepo com seus egos.

*veja mais da autora aqui:

TAPETE (Mauro Fabiani)

Imagem
Senhora do riso largo
que abocanha o meu desejo,
desejo de ser bem recebido
por um tapete de boas vindas avermelhado,
sua língua é este tapete mágico
que me levaria ao céu da sua boca,
céu das mil e uma noites,
noites de um beijo tão sonhado

Sua língua, tapete róseo encarnado, molhado,
deixa-me com água na boca, maravilhado


*veja mais do autor aqui:



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mauro Fabiani). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

NÃO LEVE FLORES (Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes)

Imagem
Não cante vitória muito cedo, não.
Nem leve flores para a cova do inimigo,
que as lágrimas do jovem
são fortes como um segredo:
podem fazer renascer um mal antigo. Tudo poderia ter mudado, sim,
pelo trabalho que fizemos - tu e eu.
Mas o dinheiro é cruel
e um vento forte levou os amigos
para longe das conversas, dos cafés e dos abrigos,
e nossa esperança de jovens não aconteceu, não, não. Palavra e som são meus caminhos pra ser livre,
e eu sigo, sim.
Faço o destino com o suor de minha mão.
Bebi, conversei com os amigos ao redor de minha mesa
e não deixei meu cigarro se apagar pela tristeza.
- Sempre é dia de ironia no meu coração. Tenho falado à minha garota:
- Meu bem, é difícil saber o que acontecerá.
Mas eu agradeço ao tempo.
o inimigo eu já conheço.
Sei seu nome, sei seu rosto, residência e endereço.
A voz resiste. A fala insiste: você me ouvirá.
A voz resiste. A fala insiste: quem viver verá. *ouça a música

EPITÁFIO (Sérgio de Britto Álvares Affonso)

Imagem
FOTO: Emanuel Galvão
Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer...
Queria ter aceitado
As pessoas como elas são
Cada um sabe a alegria
E a dor que traz no coração...
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...
Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor...
Queria ter aceitado
A vida como ela é
A cada um cabe alegrias
E a tristeza que vier...
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...
Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr...


*veja que clipe maravilho desta música

TENTE OUTRA VEZ (Raul Seixas)

Imagem
Veja!
Não diga que a canção
Está perdida
Tenha fé em Deus
Tenha fé na vida
Tente outra vez!...
Beba! (Beba!)
Pois a água viva
Ainda tá na fonte
(Tente outra vez!)
Você tem dois pés
Para cruzar a ponte
Nada acabou!
Não! Não! Não!...
Oh! Oh! Oh! Oh!
Tente!
Levante sua mão sedenta
E recomece a andar
Não pense
Que a cabeça agüenta
Se você parar
Não! Não! Não!
Não! Não! Não!...
Há uma voz que canta
Uma voz que dança
Uma voz que gira
(Gira!)
Bailando no ar
Uh! Uh! Uh!...
Queira! (Queira!)
Basta ser sincero
E desejar profundo
Você será capaz
De sacudir o mundo
Vai!
Tente outra vez!
Humrum!...
Tente! (Tente!)
E não diga
Que a vitória está perdida
Se é de batalhas
Que se vive a vida
Han!
Tente outra vez!...
*ouça a música 



É GRAÇA DIVINA (Helder Câmara)

Imagem
É graça divina começar bem.
Graça maior persistir na caminhada certa.
Mas a graça das graças é não desistir nunca.


DE MIM E DAS COISAS (Dydha Lyra)

Imagem
Essa solidão, das coisas e de mim,
me angustia.
Desde a falta das cordas para o violão,
ao papel amarelado sem palavras,
à compoteira sobre a mesa posta,
inusitada.
Ah, as ruas solitárias e suas sombras,
os portos à espera de navios, as almofada sem desenhos
e os bilros sem a rendeira!

Ah, sei lá!
Todas essas coisas,
essas besteiras
que povoam a vida,
que incendeiam o estático momento,
que norteiam o viver,
nas ações/reações.

São, assim,
sobremaneira:
o espaço tênue entre a luz e a sombra,
o vazio entre o copo e a bebida,
a proximidade entre a morte e a vida.

O odor,
a cor da rosa,
a pálida margarida.
Mãos postas sem oração,
o exílio dos loucos na solidão,
os laços que apertam o coração,
as saudades das pessoas queridas,
o corte, as partes divididas,
a inesperada rachadura na parede.

A busca, o encontro.
A dolorosa despedida,
que amordaça e cala
o meu grito,
silenciando em mim
a própria vida!


Copyright © 2012 by Dydha Lyra
All rights reserved.
Maceió/12 outubro.

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Imagem
"Deixa-me, fonte!" Dizia A flor, tonta de terror. E a fonte, sonora e fria, Cantava, levando a flor.
"Deixa-me, deixa-me, fonte! " Dizia a flor a chorar: "Eu fui nascida no monte... "Não me leves para o mar".
E a fonte, rápida e fria, Com um sussurro zombador, Por sobre a areia corria, Corria levando a flor.
"Ai, balanços do meu galho, "Balanços do berço meu; "Ai, claras gotas de orvalho "Caídas do azul do céu!...
Chorava a flor, e gemia, Branca, branca de terror, E a fonte, sonora e fria Rolava levando a flor.
"Adeus, sombra das ramadas, "Cantigas do rouxinol; "Ai, festa das madrugadas, "Doçuras do pôr do sol;
"Carícia das brisas leves "Que abrem rasgões de luar... "Fonte, fonte, não me leves, "Não me leves para o mar!...
" As correntezas da vida E os restos do meu amor Resvalam numa descida Como a da fonte e da flor...
*saiba mais sobre o autor aqui:

CONSOLO NA PRAIA (Carlos Drummond de Andrade)

Imagem
Vamos, não chores.
A infância está perdida.
A mocidade está perdida.
Mas a vida não se perdeu.
O primeiro amor passou.
O segundo amor passou.
O terceiro amor passou.
Mas o coração continua.
Perdeste o melhor amigo.
Não tentaste qualquer viagem.
Não possuis carro, navio, terra.
Mas tens um cão.
Algumas palavras duras,
em voz mansa, te golpearam.
Nunca, nunca cicatrizam.
Mas, e o humor?
A injustiça não se resolve.
À sombra do mundo errado
murmuraste um protesto tímido.
Mas virão outros.
Tudo somado, devias
precipitar-te, de vez, nas águas.
Estás nu na areia, no vento...
Dorme, meu filho.
*ouça o poema aqui:

DISTRIBUIÇÃO DA POESIA (Jorge de Lima)

Imagem
Mel silvestre tirei das plantas,
sal tirei das águas, luz tirei do céu.
Escutai, meus irmãos: poesia tirei de tudo
para oferecer ao Senhor.
Não tirei ouro da terra
nem sangue de meus irmãos.
Estalajadeiros não me incomodeis.
Bufarinheiros e banqueiros
sei fabricar distâncias
para vos recuar.
A vida está malograda,
creio nas mágicas de Deus.
Os galos não cantam,
a manhã não raiou.
Vi os navios irem e voltarem.
Vi os infelizes irem e voltarem.
Vi homens obesos dentro do fogo.
Vi ziguezagues na escuridão.
Capitão-mor, onde é o Congo?
Onde é a Ilha de São Brandão?
Capitão-mor que noite escura!
Uivam molossos na escuridão.
Ó indesejáveis, qual o país,
qual o país que desejais?
Mel silvestre tirei das plantas,
sal tirei das águas, luz tirei do céu.
Só tenho poesia para vos dar.
Abancai-vos, meus irmãos.

QUADRO (Edna Lopes)

Imagem
Um Homem e seu Cão
passeiam na tarde.
Caminham lado a lado
integrados à paisagem da cidade.

Passos sincronizados, elegantes,
num clima da grande camaradagem,
alegria e descontração.

Mãos firmes, corda retesada, olhar atento.
Volta e meia a voz do homem se sobrepõe
suavemente conduzindo a coleira.

O olhar do cão é de incondicional
amor humano
O olhar do Homem é de inconfundível
amor canino.
Serão felizes até que a morte os separe...
*veja mais da autora aqui:

METADE (Oswaldo Montenegro)

Imagem
Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio
Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.

AMOR... RESPEITO... & LIBERDADE (Kali Mascarenhas)

Imagem
Aquilo que existe em mim e faz parte de mim... pode ser transformado...  se eu quiser...
Aquilo que é do outro... só pode ser transformado por ele... e será compreendido e aceito por mim... dentro dos meus limites... se existir respeito...
Posso falar ao outro como me sinto em relação ao que ele faz ou diz... se houver liberdade...
Não posso afirmar: “Aquilo que o outro fez ou disse me feriu...” Eu é que me feri com AQUILO que ele fez ou disse... tenho opções...  Eu sou dono das minhas emoções... sensações e sentimentos... Também... das minhas atitudes... pensamentos e palavras ! maravilha...
Não é coerente dizer que fiz algo para alguém... só porque alguém fez isso comigo primeiro... Se eu agisse assim... eu seria apenas resposta e eco... sem vida...
É mais valioso optar por agir ao invés de apenas reagir... É mais sensato perceber que sou dono das minhas ações... e se faço algo... sou o responsável por isso... tenho escolhas...
Reconheço que as rédeas do meu destino estão nas minhas mãos...…

AMANHECER (Dydha Lyra)

Imagem
Hoje,
estendi minhas roupas
no varal das lembranças...
Sob um sol causticante,
corri e tropecei
em sombras do passado.
Levantei-me,
vesti-me de luz
no novo dia,
que já se debruça,
na janela do tempo
anoitecido,
trazendo-me
estrelas e ausências,
que em mim se fazem,
desde o alvorecer!  

Copyright © primavera 2011 by Dydha Lyra
All rights reserved.

SOB O SIGNO DA INQUIETAÇÃO (Bruna Lombardi)

Imagem
O susto em nós foi avançar
muito para dentro do proibido.
Muito para perto de uma zona perigosa
A boca da noite... o desconhecido...
Vagos caminhos de uma via nebulosa.
Vários conceitos para falar da mesma coisa
O susto em nós foi descobrir porteiras De territórios nunca antes percorridos
No fundo de todos nós um visitante
No fundo, a falta de sentido...

AS ESSÊNCIAS (Emanuel Galvão)

Imagem
Quero fugir dos extremos.
Entre a afabilidade da pétala E a dor aguda do espinho Eu quero o aroma A essência da flor.

UM SUSPIRO (Marla de Queiroz)

Imagem
Porque a voz dele me toca feito as mãos
e as mãos dele me envolvem feito fábulas.
E as duas, quando passeiam em mim
desabotoam
minhas mais
mal-comportadas
palavras.
*veja mais da autora aqui:

VÊNUS (Paulinho Moska)

Imagem
Quando a sua voz me falou: vamos
Eu vi deus sentado em seu trono: vênus
A religião que nós dois inventamos
Merece um definitivo talvez... pelo menos
Perceba que o que me configura
É sempre essa beleza
Que jorra do seu jeito de olhar
Do seu jeito de dar amor
Me dar amor
Não te dei nada que seja impuro
No futuro também vai ser assim
Se hoje amanheceu um dia escuro
Foi porque capturei o sol pra mim
Perceba que o que te configura
É sempre essa beleza
Que jorra do meu jeito de olhar
Do meu jeito de dar amor
Te dar amor
Perceba que o que nos configura
É sempre essa beleza
Que jorra do nosso jeito de olhar
Nosso jeito de dar amor
Nos dar amor
Não falo do amor romântico,
Aquelas paixões meladas de tristeza e sofrimento.
Relações de dependência e submissão, paixões tristes.
Algumas pessoas confundem isso com amor.
Chamam de amor esse querer escravo,
E pensam que o amor é alguma coisa
Que pode ser definida, explicada, entendida, julgada.
Pensam que o amor já estava pronto, formatado, inteiro,
Antes d…

A PRIMEIRA MULHER (Emanuel Galvão)

Imagem
Os olhos nos olhos e a boca molhada Quanto tempo separa os lábios do beijo? Pensava eu, no frenesi do desejo Tu vendo-me amigo, eu vendo-te amada.

A AMANTE (Emanuel Galvão)

Imagem
Ela sentou-se à beira de minha cama Inebriante perfume inquietou-me a alma Debruçou-se com seu peso, e sua chama E o calor de sua presença, roubou-me a calma.

O GUERREIRO (Emanuel Galvão)

Imagem
Não existem derrotas nas batalhas O que há, são quedas provisórias As derrotas são vitória, ainda que falhas Ajudam a solidificar a nossa história.

DIÂMETRO (Marla de Queiroz)

Imagem
Volta logo, meu amor!
Eu só escrevo por não saber o que fazer com as mãos
quando o nosso abraço termina.
*veja mais da autora aqui:

ARTE-FINAL (Affonso Romano de Sant'Anna)

Imagem
Não basta um grande amor
para fazer poemas.
E o amor dos artistas, não se enganem,
não é mais belo
que o amor da gente.
O grande amante é aquele que silente
se aplica a escrever com o corpo
o que seu corpo deseja e sente.
Uma coisa é a letra,
e outra o ato,
quem toma uma por outra
confunde e mente.

ARTE DE AMAR (Manuel Bandeira)

Imagem
Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma.
A alma é que estraga o amor.
Só em Deus ela pode encontrar satisfação.
Não noutra alma.
Só em Deus - ou fora do mundo.

As almas são incomunicáveis.

Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.

Porque os corpos se entendem, mas as almas não.

O CORAÇÃO DOS OUTROS É TERRA QUE NINGUÉM VAI (Emanuel Galvão)

Imagem
Como saber... Ter a certeza Nem precisava ser certeza Poderia ser talvez Poderia ser quem sabe Qualquer coisa que desse Um pouquinho de esperança Só não pode ser mais ninguém

EQUÍVOCOS? (Jurandir Bozo)

Imagem
Eu prefiro muito mais A superficialidade das paixões Profundas, quentes e intensas. Que a frieza do que chamam e vivem Como amor verdadeiro.

POR QUE...? (Valderez de Barros)

Imagem
Por que minh'alma é assim triste, carente?
Por que me pesa tanto, a solidão?
Por que o amor que sinto em mim, ardente,
Não encontra eco num outro coração?