O ACENDEDOR DE LAMPIÕES DA RUA (Jorge de Lima)



Lá vem o acendedor de lampiões da rua!
Este mesmo que vem infatigavelmente,
Parodiar o sol e associar-se à lua
Quando a sombra da noite enegrece o poente!

Um, dois, três lampiões, acende e continua
Outros mais a acender imperturbavelmente,
A medida que a noite aos poucos se acentua
E a palidez da lua apenas se pressente.

Triste ironia atroz que o senso humano irrita:
Ele que doira a noite e ilumina a cidade,
Talvez não tenha luz na choupana em que habita,

Tanta gente também nos outros Insinua
Crenças, religiões, amor, felicidade,
Como este acendedor de lampiões da rua!

Jorge de Lima

Comentários

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

Postagens mais visitadas deste blog

Só quem vive bem os agostos é merecedor da primavera! - Miryan Lucy de Rezende

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Se Voltares (Rogaciano Leite)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

CANÇÃO DAS MULHERES (Lya Luft)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Reinauguração (Carlos Drummond de Andrade)