Elogio ao Desejo (Emanuel Galvão)



A ansiedade toma conta do meu corpo...
Espero que teus ditos machuquem minha alma
ou provoque gozo.
Não entendo a demora das palavras...
Mas, acredito que ao ler-me...
pretensiosamente teu membro responda,
e o sêmen seja a tinta das tuas letras
e apresente em mim 
um desejo incontrolável de comer tuas frases 
e de vê-lo.
                                                (S.L.)

A tua nudez me fascina, 
E ao ver-te nua de forma tão traquina,
Lanço fora as vestes de minha timidez,
Para escrever com lábios em tua linda tez.

A lascívia, assim como o desejo
Não convêm aos sábios...
Prova então da língua, cheia de desejo,
Louca e sem palavras, nos teus grandes
E pequenos lábios.

Quase sinto o gosto do verbo em carne viva
Pois que paixão tentadora, voraz e tão lasciva
Não tem que ter senso, tampouco pejo,
Entrego então meu corpo, todo ao teu desejo.

Ao ver-te nua... Visão do paraíso...
Não sei se faço verso, trovo, improviso
Eu, no entanto, emudeço, calo
Não sei o que digo... No entanto o falo...
Ergue-se aflito, anseia pelo gozo,
Aplaude-te de pé, num frenesi jocoso.

Pretensiosamente meu membro te responde.
Não sei quando, tampouco onde,
Mulher lânguida, bela, deslumbrante e nua,
Perigosamente sedutora lua,
Tão cheia de fogo, de força, de fases
- O meu corpo é verso quase inefável -
Vem com teu desejo, ardente, incontrolável,
De provar o gosto de comer minhas frases...


Copyright © 2015 by Emanuel Galvão
All rights reserved.

Elogio ao Desejo & Outras Palavras / Emanuel Galvão,
Maceió - AL. - Quadrioffice Editora, Quatro Barras, PR, 2015.
Pag. 19

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

O Tempo (Roberto Pompeu de Toledo)