Namoro (Emanuel Galvão)



Nesse meu ofício
de casar palavras,
fica um tanto difícil
casar, sem promover
o namoro.

Para escrever
eu quase que devoro,
livros, letras, lugares,
pessoas, poesias, pomares
e como trama os enlaço
sem nem pensar no cansaço,
pra promover o encontro,
com carinho e com decôro
às vezes ao dicionário
peço urgente socorro.

Juntar letra com letra,
sílaba com sílaba,
pra fazer uma oração,
com sujeito e predicado,
não há mesmo quem consiga,
sem verbo, sem coração
e um pouquinho de cuidado.
Pra fazer essa união
tem que estar enamorado!

Para que o escrito prossiga,
palavra com palavra,
pra elas se amasiarem...
não há mesmo quem consiga,
sem o aconchego do namoro,
pra só depois, se casarem.

Para quem agora tá amando
ou pra qualquer conquistador:
Romântico, cético, desconfiado...
- entre as palavras -
Vejam só que curioso!
Amigado, ficando,
enrolado, amancebado,
e até mesmo casado...
- Não tem birra,
não tem choro -
Só encontrei amor
Na palavra nAMORo!


Copyright © 2015 by Emanuel Galvão
All rights reserved.


Do Livro Elogio ao Desejos & Outras Palavras 
(pagina 58 - 2015 - Editora Quadrioffice)

Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Eu Te Desejo (Flávia Wenceslau)

Olhos (Ademir João da Silva)

'Eu desejo que você consiga...' (Marla de Queiroz)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Elogio ao Desejo (Emanuel Galvão)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)