Oxigénio (Emanuel Galvão)


Amada,
te quero muito bem...

Eu sei que sabes!

Mas, quero ser como a brisa
em dias de verão...
- um sopro que se repete como compulsão -.

Nos dias frios...
também se repetir.
Ser como as cobertas que puxas cada vez mais
para perto de ti.

E por fim...
Nos dias amemos,
destes mais ou menos,
esses que nem notas que existo...
ser oxigénio...
por saber que não vives
sem mim.



Copyright © 2018 by Emanuel Galvão
All rights reserved.



Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Eu Te Desejo (Flávia Wenceslau)

Olhos (Ademir João da Silva)

'Eu desejo que você consiga...' (Marla de Queiroz)

Harmonia (Marla de Queiroz)

Elogio ao Desejo (Emanuel Galvão)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)