Disparate (Paulo Miranda Barreto)



(Amor Danado)

Se for pedir demais, Deus . . . me perdoe!
Mas, quero um grande amor desassombrado!
Assaz libidinoso e doido e ousado!
Que me oriente enquanto me atordoe. . .

Que ame amar demais e amaldiçoe
o ódio, o tédio, o medo , os versos xoxos. . .
Que adore dar prazer . . .  e sempre doe
abraços apertados, risos frouxos. . .

Que nunca fique ausente do meu lado. . .
Delire a ler . . . a ouvir David Bowie
e vá comigo aonde quer que eu voe
(e soe bem . . .  até desafinado)!

Que seja eterno enquanto dure o fado. . .
E enquanto o infinito for infindo
E enquanto houver amor no mundo irado. . .
Agora . . . e nos futuros que estão vindo. . .

Eu quero um grande amor exagerado. . .
Que gere inquietude e me arrebate
Que enxergue uma virtude em meu pecado
e que amiúde, coma chocolate. . .

Que me condene a sempre ser amado
(até depois que a vida enfim nos mate)
Quero um amor assim . . .  ‘Amor danado’!
Perdão Senhor . . . se for um disparate.

*Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons
 - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Poema publicado na Antologia ‘DELÍCIA’, Organizada pela Oficina
 de Literatura Cairo Trindade, no Rio de Janeiro em julho deste ano (2017)
 Editora Personal.

Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

'Somos queijo gorgonzola' (Maitê Proença)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

TEM GENTE QUE TEM CHEIRO... (Ana Jácomo)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

FICO ASSIM SEM VOCÊ (Abdullah / Caca Moraes)