Postagens

Mostrando postagens de 2015

Timidez - Eu Que Não Sei Falar de Amor (Emanuel Galvão)

Imagem
  Meu corpo deseja teu calor Volúpia que me faz enlouquecer Com fúria e sem nenhum pudor E a certeza de não te esquecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você As flores exalam seu olor Antes que possam fenecer O sol fornece seu calor Antes da noite o esconder  Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Talvez haja um pouco de temor Mas preciso então esclarecer Revelar-me parece libertador Senão, sou capaz de padecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Das paixões sou colecionador Mas você me fez amolecer Com seu jeitinho encantador E beleza que não posso descrever Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Escrever é algo desafiador Mas que se pode aprender Amante não tem procurador Ninguém pode substabelecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Menina te falo com muito ardor Para você jamais me esquecer Ser poeta ou ser um trovador Nem se compara em te satisfazer Eu que não sei falar de amor Resolvi es

Serra da Barriga (Emanuel Galvão)

Imagem
Zumbi do alto da serra da barriga Não se entregou, nem se atirou. Zumbi foi traído e degolado E o foi, para ficar calado, Mas seu ideal não calou. Palmares não foi lenda Palmares foi realidade. Palmares não foi apenas berço Mesmo que o preto ou o branco Não compreendam Sua luta para além da eternidade. Palmares não foi apenas berço, Palmares foi ama de leite, Foi colo e barriga, Serra que ainda hoje abriga Sonhos de liberdade! *Do livro Elogio ao Desejo & Outras Palavras (página 101) Copyright © 2015 by Emanuel Galvão All rights reserved. *Foto Genisete Lucena Sarmento

'Existe Apenas Um Pecado...' (Khaled Hosseini)

Imagem
'Existe apenas um pecado, um só. E esse pecado é roubar. Qualquer outro é simplesmente a variação do roubo. Quando você mata um homem, está roubando uma vida, está roubando da esposa o direito de ter um marido, roubando dos filhos o direito de ter um pai. Quando você mente, está roubando de alguém o direito de saber a verdade. Quando você trapaceia, está roubando o direito à justiça. Entende? Não há ato mais infame que roubar.'

Ao Amor Antigo (Carlos Drummond de Andrade)

Imagem
O amor antigo vive de si mesmo, não de cultivo alheio ou de presença. Nada exige nem pede. Nada espera, mas do destino vão nega a sentença. O amor antigo tem raízes fundas, feitas de sofrimento e de beleza. Por aquelas mergulha no infinito, e por estas suplanta a natureza. Se em toda parte o tempo desmorona aquilo que foi grande e deslumbrante, a antigo amor, porém, nunca fenece e a cada dia surge mais amante. Mais ardente, mas pobre de esperança. Mais triste? Não. Ele venceu a dor, e resplandece no seu canto obscuro, tanto mais velho quanto mais amor.

'Na Parede...' (Eduardo Galeano)

Imagem
Na parede de um botequim de Madri, um cartaz avisa: Proibido cantar. Na parede do aeroporto do Rio de Janeiro, um aviso informa: É proibido brincar com os carrinhos porta-bagagem. Ou seja: Ainda existe gente que canta, ainda existe gente que brinca.

'Espero...' (Múcio Góes)

Imagem
espero nunca perder o viço nem minha mão o feitiço desse ofício da alegria e se for pra morrer que seja disso desse troço de fazer poesia

Eu Gosto... (Machado de Assis)

Imagem
"Eu gosto de olhos que sorriem, de gestos que se desculpam, de toques que sabem conversar e de silêncios que se declaram."

Sous le ciel de Paris (Édith Piaf)

Imagem
Sous le ciel de Paris S'envole une chanson Elle est née d'aujourd'hui Dans le coeur d'un garçon Sous le ciel de Paris Marchent les amoureux Leur bonheur se construit Sur une air fait pour eux Sous le pont de Bercy Un philosophe assis Deux musiciens, quelques badauds Puis des gens par milliers Sous le ciel de Paris Jusqu'au soir vont chanter L'hymne d'un peuple épris De sa vieille Cité Prés de Notre-Dame Parfois couve un drame Oui, mais à Paname Tout peut s'arranger Quelques rayons du ciel d'été L'accordéon d'un marinier L'espoir fleurit Au ciel de Paris Sous le ciel de Paris Coule un fleuve joyeux Il endort dans la nuit Les clochards et les gueux Sous le ciel de Paris Les oiseaux du Bon Dieu Viennent du monde entier Pour bavarder entre eux Et le ciel de Paris A son secret pour lui Depuis vingt siècles il est épris De notre île Saint-Louis Quand elle lui sourit Il met son habit bleu Quand

Le Petit Poème Coquin (Parole: Emanuel Galvão / Traduction : Joseli Rêgo Lopes)

Imagem
Le Petit Poème Coquin  Je cherchais La poèsie Mais elle est allée jouer dans mon enfance Elle a joué le toupie dans mon clos Alors  je suis allé a la lumière De mon clos. Mais la poèsie coquine Elle a  volé tout ensemble a une cerf-volant et a  porté avec elle La parole – matière première -  Je ne comprenais pas pourquoi cette poésie- là était grande Et la mienne était petite J ‘ai bandé mes yeux et j ‘ai joué à la collin-maillard Parce que si je sentais la parole, la rime Je la prendrais tout de suite Mais la poèsie coquine Bien caché chez-moi Apportais les bruits de son attente -          Pour moi, ce n’est pas facile la trouver Ni la séduire, ni la captiver - Je l’ai cherché Mais elle a eu jouer à cache-cache Et je ne l’ai pas trouvé. Copyright © 2015 by Parole: Emanuel Galvão /  Traduction : Joseli Rêgo Lopes All rights reserved. Poeminha Traquino Eu procurei a poesia E tinha ela ido brincar na minha infância

Outono (Marla de Queiroz)

Imagem
ou to no presente ou to no tempo errado. *Foto Marla de Queiroz em  Le Jarden des Tuleries, Paris, France.

A Complicada Arte de Ver (Rubem Alves)

Imagem
Ela entrou, deitou-se no divã e disse: "Acho que estou ficando louca". Eu fiquei em silêncio aguardando que ela me revelasse os sinais da sua loucura. "Um dos meus prazeres é cozinhar. Vou para a cozinha, corto as cebolas, os tomates, os pimentões - é uma alegria! Entretanto, faz uns dias, eu fui para a cozinha para fazer aquilo que já fizera centenas de vezes: cortar cebolas. Ato banal sem surpresas. Mas, cortada a cebola, eu olhei para ela e tive um susto. Percebi que nunca havia visto uma cebola. Aqueles anéis perfeitamente ajustados, a luz se refletindo neles: tive a impressão de estar vendo a rosácea de um vitral de catedral gótica. De repente, a cebola, de objeto a ser comido, se transformou em obra de arte para ser vista! E o pior é que o mesmo aconteceu quando cortei os tomates, os pimentões... Agora, tudo o que vejo me causa espanto." Ela se calou, esperando o meu diagnóstico. Eu me levantei, fui à estante de livros e de lá retirei as "Odes Ele

A Bola (Luís Fernando Veríssimo)

Imagem
O pai deu uma bola de presente ao filho. Lembrando o prazer que sentira ao ganhar a sua primeira bola do pai. Uma número 5 sem tento oficial de couro. Agora não era mais de couro, era de plástico. Mas era uma bola. O garoto agradeceu, desembrulhou a bola e disse “ legal! “. Ou os que os garotos dizem hoje em dia quando gostam do presente ou não querem magoar o velho. Depois começou a girar a bola, à procura de alguma coisa. - Como é que liga?- Perguntou. - Como, como é que liga? Não se liga. O garoto procurou dentro do papel de embrulho. - Não tem nenhuma instrução? O pai começou a desanimar e a pensar que os tempos são outros. Que os tempos decididamente outros. - Não precisa manual de instrução. - O que é que ela faz? - Ela não faz nada. Você é que faz coisas com ela. - O que? - Controla, chuta... - Ah, então é uma bola? - Claro que é uma bola. - Uma bola, bola. Uma bola mesmo. - Você pensou que fosse o quê? - Nada, não. O garotinho agradeceu,

Receita Para Lavar Palavra Suja (Viviane Mosé)

Imagem
 "Eu queria dizer uma coisa que eu não posso sair dizendo por aí.... É que eu tenho medo que as pessoas desequilibrem de si, que elas caiam delas mesmas quando eu disser. Eu descobri que a palavra não sabe o que diz.. A palavra delíra, a palavra diz qualquer coisa. A verdade é que a palavra nela mesma, em si própria não diz nada. Quem diz é o acordo estabelecido entre quem fala e quem ouve. Quando existe acordo existe comunicação. Quando esse acordo se quebra ninguém diz mais nada, mesmo usando as mesmas palavras....A palavra é uma roupa que a gente veste. Uns usam palavras curtas, outros usam roupas em excesso...existem os que jogam palavras fora, pior são os que usam em desalinho, uns usam palavras caras, outros ostentam palavras raras, tem quem nunca troca, tem quem usa dos outros. A maioria não sabe o que veste. Alguns sabem mas fingem que não, e tem quem nunca usa a roupa certa para a ocasião, tem os que se ajeitam bem com poucas peças, outros se enrolam em vocabulár

'Uma Prece Orvalhada de Saudade' (Antônio Manoel Sá Cavalcanti)

Imagem
Por minha mãe uma prece orvalhada de saudade mesclada de gratidão, prece de ação de graças do fundo do coração. Por minha mãe uma prece cheia de santas lembranças, das cantigas de ninar, das rezas ensinadas, das estórias engraçadas das milagrosas meizinhas que me curavam e me davam nova vida. Por minha mãe uma prece com as palavras que vem da alma, e que como uma brisa me acalma e alimenta a esperança. Esperança que traz a certeza de um dia num reencontro, sentarmos a mesma mesa e fazermos uma refeição, quem sabe cantarmos uma canção e sorrindo como outrora, no alvorecer de nova aurora iniciarmos uma nova e eterna história. Antonietta sua prece quando nos despedíamos : " Vai meu filho, Deus na frente a Paz na guia, vai com Deus e a Virgem Maria!" E eu só dizia AMÉM!

Romance XXIV ou da Bandeira da Inconfidência (Cecília Meireles)

Imagem
Através de grossas portas, sentem-se luzes acesas, — e há indagações minuciosas dentro das casas fronteiras: olhos colados aos vidros, mulheres e homens à espreita, caras disformes de insônia, vigiando as ações alheias. Pelas gretas das janelas, pelas frestas das esteiras, agudas setas atiram a inveja e a maledicência. Palavras conjeturadas oscilam no ar de surpresas, como peludas aranhas na gosma das teias densas, rápidas e envenenadas, engenhosas, sorrateiras. Atrás de portas fechadas, à luz de velas acesas, brilham fardas e casacas, junto com batinas pretas. E há finas mãos pensativas, entre galões, sedas, rendas, e há grossas mãos vigorosas, de unhas fortes, duras veias, e há mãos de púlpito e altares, de Evangelhos, cruzes, bênçãos. Uns são reinóis, uns, mazombos; e pensam de mil maneiras; mas citam Vergílio e Horácio, e refletem, e argumentam,

A Verdadeira Cura (Fernando Tenório)

Imagem
Sábado de plantão. Depois de alguns atendimentos domiciliares, a ambulância ruma pela cidade. Os contrastes do Rio de Janeiro sendo vistos pela janela. Tentava absorver a cidade com os olhos, vendo meninos jogando futebol, mulheres conversando fortuitamente nas cadeiras da calçada e pude ver no Irajá uma pichação da cigana Oleska: “Trago o amor em 7 dias. Se não trouxer não era amor”. De alguma maneira, aquele recado escrito no muro enegrecido mexeu com todos ali. Luiz, o motorista, sorriu. André, o enfermeiro, cuidou em tirar foto para mandar à namorada. Eu fiquei pensando na verdade da sentença. Chegamos a Madureira, destino do atendimento domiciliar. Terra do samba, das mulatas que requebram até de manhã, da Portela e Império Serrano. Isso pouco importava. O rádio já havia confirmado que um senhor 88 anos estava em franca dispneia. Entramos numa vila de casas pequeninas e na residência de cor amarela avançamos. O sofá era o abrigo para o senhor. Ele estava sentado, com a

Amor de Índio (Beto Guedes / Ronaldo Bastos)

Imagem
Tudo que move é sagrado E remove as montanhas Com todo o cuidado Meu amor Enquanto a chama arder Todo dia te ver passar Tudo viver a teu lado Com o arco da promessa Do azul pintado Pra durar Abelha fazendo o mel Vale o tempo que não voou A estrela caiu do céu O pedido que se pensou O destino que se cumpriu De sentir seu calor E ser todo Todo dia é de viver Para ser o que for E ser tudo Sim, todo amor é sagrado E o fruto do trabalho É mais que sagrado Meu amor A massa que faz o pão Vale a luz do seu suor Lembra que o sono é sagrado E alimenta de horizontes O tempo acordado de viver No inverno te proteger No verão sair pra pescar No outono te conhecer Primavera poder gostar No estio me derreter Pra na chuva dançar e andar junto O destino que se cumpriu De sentir seu calor e ser todo *   CLICK E OUÇA  a música com Djavan e Beto Guedes! * CLICK E OUÇA  Soul de Brasileiro interpretar Amor de Índio * CLICK E OUÇA  Central Ac

Ela é Só Uma Menina (Cicero Manoel de Lima Alves)

Imagem
Ela tem um cheirinho sensual, É a flor que ainda não foi tocada, Ela faz meu coração ficar mal Quando diz: vou ser sua namorada! Tudo nela, é pureza e virgindade, Tenho medo de olhar em seu olhar; Deus, eu tenho o dobro de sua idade, Fujo dela para não me apaixonar. Quando olho, seu olhar, sua boquinha... Quando ela encosta sua mão na minha, No caminho eu me perco na neblina. Toda vez que eu me encontro com ela, Não consigo mais sair de perto dela, Mas pra mim, ela é só uma menina. Santana do Mundaú – AL / 12 de dezembro de 2014   Copyright © 2014 by Cicero Manoel de Lima Alves All rights reserved.

Os Ninguéns (Eduardo Galeano)

Imagem
As pulgas sonham em comprar um cão, e os ninguéns com deixar a pobreza, que em algum dia mágico de sorte chova a boa sorte a cântaros; mas a boa sorte não choveu ontem, nem hoje, nem amanhã, nem nunca, nem uma chuvinha cai do céu da boa sorte, por mais que os ninguéns a chamem e mesmo que a mão esquerda coce, ou se levantem com o pé direito, ou comecem o ano mudando de vassoura. Os ninguéns: os filhos de ninguém, os dono de nada. Os ninguéns: os nenhuns, correndo soltos, morrendo a vida, fodidos e mal pagos: Que não são embora sejam. Que não falam idiomas, falam dialetos. Que não praticam religiões, praticam superstições. Que não fazem arte, fazem artesanato. Que não são seres humanos, são recursos humanos. Que não tem cultura, têm folclore. Que não têm cara, têm braços. Que não têm nome, têm número. Que não aparecem na história universal, aparecem nas páginas policiais da imprensa local. Os ninguéns, que custam menos do que a bala que os mata.

'Capitalismo' (Günter Grass)

Imagem
"Desde o colapso do socialismo, o capitalismo ficou sem rival. Esta situação anormal desencadeou o seu ganancioso e - acima de tudo - o seu poder suicida. Agora a crença é que tudo - e todos - estão num jogo justo."

Carta Aos Mortos (Affonso Romano de Sant'Anna)

Imagem
                 Amigos, nada mudou          em essência.          Os salários mal dão para os gastos,          as guerras não terminaram          e há vírus novos e terríveis,         embora o avanço da medicina.         Volta e meia um vizinho         tomba morto por questão de amor.         Há filmes interessantes, é verdade,         e como sempre, mulheres portentosas         nos seduzem com suas bocas e pernas,         mas em matéria de amor         não inventamos nenhuma posição nova.         Alguns cosmonautas ficam no espaço         seis meses ou mais, testando a engrenagem         e a solidão.         Em cada olimpíada há récordes previstos         e nos países, avanços e recuos sociais.         Mas nenhum pássaro mudou seu canto         com a modernidade.         Reencenamos as mesmas tragédias gregas,         relemos o Quixote, e a primavera         chega pontualmente cada ano.         Alguns hábitos, rios e florestas         se perder

A Casa é Sua (Arnaldo Antunes / Wharton Gonçalves Filho 'Ortinho')

Imagem
Não me falta cadeira Não me falta sofá Só falta você sentada na sala Só falta você estar Não me falta parede E nela uma porta pra você entrar Não me falta tapete Só falta o seu pé descalço pra pisar Não me falta cama Só falta você deitar Não me falta o sol da manhã Só falta você acordar Pras janelas se abrirem pra mim E o vento brincar no quintal Embalando as flores do jardim Balançando as cores no varal A casa é sua Por que não chega agora? Até o teto tá de ponta-cabeça Porque você demora A casa é sua Por que não chega logo? Nem o prego aguenta mais O peso desse relógio Não me falta banheiro, quarto Abajur, sala de jantar Não me falta cozinha Só falta a campainha tocar Não me falta cachorro Uivando só porque você não está Parece até que está pedindo socorro Como tudo aqui nesse lugar Não me falta casa Só falta ela ser um lar Não me falta o tempo que passa Só não dá mais para tanto esperar Para os pássaros voltarem a c

Um Certo Galileu (José Fernandes de Oliveira, SCJ)

Imagem
Um certo dia, a beira mar Apareceu um jovem Galileu Ninguém podia imaginar Que alguém pudesse amar do jeito que ele amava Seu jeito simples de conversar Tocava o coração de quem o escutava E seu nome era Jesus de Nazaré Sua fama se espalhou e todos vinham ver O fenômeno do jovem pregador Que tinha tanto amor Naquelas praias, naquele mar Naquele rio, em casa de Zaqueu Naquela estrada, naquele sol E o povo a escutar histórias tão bonitas Seu jeito amigo de se expressar Enchia o coração de paz tão infinita E seu nome era Jesus de Nazaré Sua fama se espalhou e todos vinham ver O fenômeno do jovem pregador Que tinha tanto amor Em plena rua, naquele chão Naquele poço e em casa de Simão Naquela relva, no entardecer O mundo viu nascer a paz de uma esperança Seu jeito puro de perdoar Fazia o coração voltar a ser criança E seu nome era Jesus de Nazaré Sua fama se espalhou e todos vinham ver O fenômeno do jovem pregador Que tinha tanto amor Um certo dia,