Os Ombros Suportam o Mundo ( Carlos Drummond de Andrade)

*

            Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
            Tempo de absoluta depuração
            Tempo em que não se diz mais: meu amor.
            Porque o amor resultou inútil.
            E os olhos não choram.
            E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
            E o coração está seco.

            Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
            Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
            mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
            És todo certeza, já não sabes sofrer.
            E nada esperas de teus amigos.

            Pouco importa venha a velhice, que é a velhice ?
            Teus ombros suportam o mundo
            e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
            As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
            provam apenas que a vida prossegue
            e nem todos se libertaram ainda.
            Alguns, achando bárbaro o espetáculo
            prefeririam (os delicados) morrer.
            Chegou um tempo em que não adianta morrer.
            Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
            A vida apenas, sem mistificação.

*foto da obra de Vik Muniz (Atlas)

                                                


Gostou? Compartilhe nas redes sociais.

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

Curta A Nossa Fanpage

Novo Livro

Novo Livro
Você pode compra-lo ligando para (82) 99653-4849

Desfrute, leia, curta e compartilhe boa leitura. Volte sempre!

O que está procurando?

Muito grato pela sua visita. Visita de Nº




Instagram

Recent In Internet

Poesia em seu Smartphone ou Iphone

Poesia em seu Smartphone ou Iphone
use seu leitor de Qr Code

Receba Novidades

RECEBA GRATUITAMENTE NOVIDADES DO BLOG!

Coloque seu e-mail abaixo:

Poesia Galvaneana