Eu não sou fraca, sou fraquíssima! (Adriana Moraes)


Eu cresci em meio a mulheres extremamente fortes. Fortes à sua maneira.
Entre minha mãe, minhas tias e as agregadas da família, vi mulheres que tomavam decisões, matavam leões, matavam e morriam diariamente.
Assisti essas mulheres defendendo suas crias de um estranho mundo que sempre foi cruel com elas mesmas.
Testemunhei, despercebida, as lutas diárias e insanas delas para ter pão na mesa, para ter educação para suas crias, para ter um teto sobre suas cabeças. Essa força nas mulheres que eu conheço é tão natural que nem chega a ser qualidade, é necessidade.
Essas mesmas mulheres, apesar da força, são machistas. Mas até isso me serviu de lição.
Aprendi que o machismo e a opressão que ele nos causa, vem em parte, de nós mesmas. Nós estabelecemos de algum modo, as relações de gênero, nós construímos também essa cultura.

Perdoei e perdoou o machismo das mulheres mais velhas da minha família. Mas acho inconcebível a cultura machista que é pregada diariamente, quase como um mantra nas redes sociais. Homens são “chave mestras”, mulheres são “putas”. Homens são “garanhões”, “pegadores”. Mulheres são “cachorras, galinhas, vacas, piranhas”, além de “piriguetes, vagabundas” ou qualquer coisa que o valha. E essa mesma cultura não é disseminada exclusivamente por homens não. As mulheres são vitimas e algozes ao mesmo tempo.
Hoje, não quero “parabenizar” minhas amigas. Hoje quero exigir o direito de ser quem eu quiser ser. O sagrado direito ao meu corpo. O sagrado direito de mostra-lo ou escondê-lo. De ter prazer. Quero o direito irrefutável de ser a vítima e não vilã em um ato violento.
Falo palavrão, falo alto, bebo,  uso maquiagem e reclamo do meu peso diariamente. Sou mãe feliz e ainda assim, desejo, às vezes, uma ilha deserta.
Nas homenagens que me renderam hoje, no dia internacional da mulher, não me reconheci em quase nenhuma delas. Visto que não tenho tantas virtudes. As virtudes que eu tenho são por eu ser humana, mas não por eu ser mulher (ainda assim obrigada pelas homenagens). O dia de hoje representa mais um dia de luta. Não luta contra homens, mas luta para sermos mulheres e pronto.

Entre panelas e volante, batom e retórica, esmaltes e tintas, gasolina e perfumes, ceras quentes e pelos, filhos, companheiros e colegas de trabalho, livros e ferramentas, saliva e suor, sou Mulher fraca e forte. Sou humana.

Gostou? Compartilhe nas redes sociais.

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

Curta A Nossa Fanpage

Novo Livro

Novo Livro
Você pode compra-lo ligando para (82) 99653-4849

Desfrute, leia, curta e compartilhe boa leitura. Volte sempre!

O que está procurando?

Muito grato pela sua visita. Visita de Nº




Instagram

Recent In Internet

Poesia em seu Smartphone ou Iphone

Poesia em seu Smartphone ou Iphone
use seu leitor de Qr Code

Receba Novidades

RECEBA GRATUITAMENTE NOVIDADES DO BLOG!

Coloque seu e-mail abaixo:

Poesia Galvaneana