UM BEIJO PODE DIZER TUDO (Emanuel Galvão)



Quero decifrar sua língua
Não sua palavra
Um beijo pode dizer tudo
E mesmo assim
As insidiosas palavras rompem o silêncio
Trazendo à tona a fragilidade dos significados
Enquanto eu quero saber
Dos novos universos
Que habitam o céu
Da tua boca
Cada estrela é uma viagem
E a cada paisagem
Pousar meus versos
Em nova linguagem
Em mundos diferentes.

Minha língua é espaçonave
Beijo e perco a gravidade
E bem leve escrevo o que desejo
Conquisto a liberdade
De tirar os pés do chão
Desafiar realidades
Correr riscos
-andar na contramão-
Eis que estou disposto
Da língua mais que as palavras
Sentir seu gosto.

Eu quero é te amar
Sem precisar dizer “eu te amo”
Pra ter que se acreditar
Mas quero sim dizer sempre o que sinto
Ou aquilo que o coração não consegue calar
Porque minha atração por você
Não é meramente física
Tem toda uma química
-a da pele-

Em tua bela geografia
Aprender e ensinar
Outra filosofia
Construindo a nossa história
Com recorte de alegrias
E ir colando direitinho
Com a cola do carinho
No papel da atenção
Para que os corações fragmentados
Dos eternos namorados
Tenham-no sempre em inspiração.

Vamos fugir das estatísticas
Dos amores matemáticos
Complicados demais, cheios de problemas
Dividindo pouco, subtraindo sempre
Ou às vezes nem sub! –traindo-
Multiplicando os problemas
Somando decepções
E o resultado igual: a machucados corações
Quero mergulhar nas matérias mais artísticas
As humanas são mais amenas

Que as minhas declarações de amor baby
Sejam sempre em bom – e às vezes até errado- 
português
Eu quero é ser diferente
Sem deixar de ser igual
E quero pintar o sete
Sete dias por semana
Quatro semanas no mês
Não quero mais o engano
Eu quero é passar de ano
E não deixar passar o ano.

Ser feliz – mais que contente-
Desenhar a vida que se quer e sente
E o sonho que se deseja.

Meu bem
Em qualquer idioma
“quem tem boca vai a Roma”
Vai mais além
E beija.

Copyright © 2007 by Emanuel Galvão
All rights reserved.


Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

'Somos queijo gorgonzola' (Maitê Proença)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

TEM GENTE QUE TEM CHEIRO... (Ana Jácomo)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

FICO ASSIM SEM VOCÊ (Abdullah / Caca Moraes)