Mulher Sem Limites (Romance de Flor) (Emanuel Galvão)

Imagem
Você já figura no meu coraçãoDescalça e sem roupa como num salãoTão bela e tão doce, mulher sem limitesQuem dera que fosse... E assim exististesDançando ao ritmo de minha pulsação.Não cabes em rótulos, por que caberias?Palavras ou versos, talvez te seduza...Então, só então, tu abras tua blusaE ardente, insana, tu permitiriasVolúpias intensas de terna paixão.Porque minha pele não te resistiriaEs bela não nego, sou tão negligenteForas apenas bela, mas és inteligenteNão encontro virtude que assim a alcanceMelhor te amar, assim de relanceSem ilusões, sem juras de amorRomance de flor, sem dor sem espinhoCaindo as pétalas, restará: odor e carinhoAssim em meu sonho, te possuo inteiraTe amando pleno, não de qualquer maneira.
Copyright © 2020 by Emanuel Galvão
All rights reserved.

*Foto by: Ana Cruz

UM BEIJO PODE DIZER TUDO (Emanuel Galvão)



Quero decifrar sua língua
Não sua palavra
Um beijo pode dizer tudo
E mesmo assim
As insidiosas palavras rompem o silêncio
Trazendo à tona a fragilidade dos significados
Enquanto eu quero saber
Dos novos universos
Que habitam o céu
Da tua boca
Cada estrela é uma viagem
E a cada paisagem
Pousar meus versos
Em nova linguagem
Em mundos diferentes.

Minha língua é espaçonave
Beijo e perco a gravidade
E bem leve escrevo o que desejo
Conquisto a liberdade
De tirar os pés do chão
Desafiar realidades
Correr riscos
-andar na contramão-
Eis que estou disposto
Da língua mais que as palavras
Sentir seu gosto.

Eu quero é te amar
Sem precisar dizer “eu te amo”
Pra ter que se acreditar
Mas quero sim dizer sempre o que sinto
Ou aquilo que o coração não consegue calar
Porque minha atração por você
Não é meramente física
Tem toda uma química
-a da pele-

Em tua bela geografia
Aprender e ensinar
Outra filosofia
Construindo a nossa história
Com recorte de alegrias
E ir colando direitinho
Com a cola do carinho
No papel da atenção
Para que os corações fragmentados
Dos eternos namorados
Tenham-no sempre em inspiração.

Vamos fugir das estatísticas
Dos amores matemáticos
Complicados demais, cheios de problemas
Dividindo pouco, subtraindo sempre
Ou às vezes nem sub! –traindo-
Multiplicando os problemas
Somando decepções
E o resultado igual: a machucados corações
Quero mergulhar nas matérias mais artísticas
As humanas são mais amenas

Que as minhas declarações de amor baby
Sejam sempre em bom – e às vezes até errado- 
português
Eu quero é ser diferente
Sem deixar de ser igual
E quero pintar o sete
Sete dias por semana
Quatro semanas no mês
Não quero mais o engano
Eu quero é passar de ano
E não deixar passar o ano.

Ser feliz – mais que contente-
Desenhar a vida que se quer e sente
E o sonho que se deseja.

Meu bem
Em qualquer idioma
“quem tem boca vai a Roma”
Vai mais além
E beija.

Copyright © 2007 by Emanuel Galvão
All rights reserved.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Literatura das Ruas (Sergio Vaz)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Só quem vive bem os agostos é merecedor da primavera! - Miryan Lucy de Rezende

Reinauguração (Carlos Drummond de Andrade)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)