BEIJA-FLOR (Emanuel Galvão)


Disseram-me que não tenho os pés no chão
Vivo voando, sonhando, amando, parado no ar
É que: na liberdade, bate depressa meu coração
Prendendo-me ao desejo de amar, e de beijar.

A nudez dos teus lábios orvalhados, tão lasciva
O cheiro e o enlevo natural de tua beleza
Sabes que quero vestir-te de lábios, língua e saliva
Por isso balanças serena no galho da tua certeza.

Se o pecado da ousadia, do desejo e do amor
Pode magoar num beijo o beija-flor
Pois qualquer prazer tem o seu preço.

Quero violar o mel da flor feito um ateu
E à pureza de teus lábios nus, ofereço
As vestes cálidas da paixão do beijo meu.

Copyright © 2007 by Emanuel Galvão
All rights reserved.



Comentários

  1. Puxaa! não tem quem não deseje um beijo ou ser um beija-flor depois de ler essa poesia!assim me senti! rsrsrs AH! e o mais impressionante: me fez lembrar beijos marcantes que tive,kkkkkkkkkk Emanuel, vc é sensacional! Jogas e brincas muito bem com as palavras,de tal maneira que me deixa estupefata e encantada.Tens uma sutileza que ainda não consegui alcançar.vc é um mestre como poucos o são.Parabéns! Mal consigo esperar pelo próximo livro teu!Haja vontade de ler!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Elisabeth!
    Muito obrigado pelos elogios, pelo carinho, pelos compartilhamentos.

    Obrigado! Grande beijo!

    Emanuel Galvão

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

'Somos queijo gorgonzola' (Maitê Proença)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

TEM GENTE QUE TEM CHEIRO... (Ana Jácomo)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)